fc porto cabeçalhoDurante estas últimas duas semanas o FC Porto decidiu começar a movimentar-se no mercado e a tratar definitivamente da questão “treinador”. Agora que o rosto que vai representar o clube durante a próxima época está escolhido é tempo de começar a arrumar a casa e tratar de reforçar um plantel que se encontra enfraquecido.

Primeiramente, devo confessar que fiquei contente com a escolha de Nuno Espírito Santo. Nada melhor que um treinador que aprendeu a ganhar no clube para devolver a confiança e a esperança à equipa e aos seus adeptos. Na sua curta carreira como treinador, o antigo guarda-redes desempenhou funções no Rio Ave FC e no Valência CF. Conseguiu levar o clube nortenho à final da Taça de Portugal, à final da Taça da Liga e às competições europeias. Já na sua passagem por Espanha, levou o Valência à Liga dos Campeões, e na sua primeira época acabou na quarta posição, atrás de equipas como Real Madrid, Barcelona e Atlético de Madrid. Tendo em conta o historial de escolhas que a direção do FC Porto tem feito ao longo dos anos, Nuno Espírito Santo é um dos treinadores com maior currículo ao chegar aos Dragões.

Nuno Espírito Santo FC Porto
Nuno Espírito Santo já trabalha no Olival
Fonte: Facebook Nuno Espírito Santo

Depois de escolhido o treinador, a direção dos Dragões tem apontado baterias para o reforço da defesa. Vários foram os nomes que foram surgindo ao longo das últimas semanas e confesso que não estou por dentro da qualidade de muitos dos que foram apontados. Ao que tudo indica, o único defesa já confirmado é Felipe. Um central “feito”, já de 27 anos, que está desde 2011 no SC Corinthians Paulista, e um dos jogadores cuja qualidade eu desconheço. Confio na equipa de observação dos azuis e brancos, que já nos deu grandes defesas centrais, como Otamendi e Mangala. Ao contrário destes últimos, Felipe chega ao futebol europeu um jogador feito, e não pode ser de outra maneira. O sector central da defesa está tão enfraquecido que é essencial apostar em jogadores que já demonstraram a sua qualidade e que já atingiram o pico da sua progressão.

Resta agora tentar perceber quem é que vai fazer companhia a Felipe no eixo central da defesa. Maxi Pereira e Layún devem acompanhar nas alas, sempre atentos a uma futura concorrência. Maicon está mesmo de saída dos Dragões e só resta saber que valores vão estar envolvidos. Para o eixo central da defesa ainda é importante realçar Diego Reyes. O mexicano fez uma boa época em Espanha e pode aproveitar estas fragilidades defensivas para se afirmar de vez e justificar o investimento. Já Martins Indi e Marcano também devem seguir o mesmo caminho que Maicon.

Nuno Espírito Santo tem assim a primeira contratação quase anunciada. O treinador natural de São Tomé e Príncipe terá de tentar perceber se terá a capacidade de potenciar centrais que estiveram muito aquém das expectativas na época passada e se Diego Reyes ou Abdoulaye vão fazer parte deste novo FC Porto.

Foto de Capa: FC Porto

Artigo revisto por: Manuela Baptista Coelho

Comentários