Anúncio Publicitário

dragaoaopeito

A 18 de Agosto de 2013 jogava-se o Setúbal-Porto no Bonfim. Quinze jogos depois jogou-se o Porto-Setúbal no Dragão, com a equipa azul e branca a manter-se no 3ºlugar (a 3 pontos de Benfica e a 1 do Sporting) através de uma exibição bastante melhor do que aquela efectuada na 1ª jogada do campeonato.

Fazendo um paralelismo, em ambos os jogos são evidentes as diferenças encontradas na equipa de Paulo Fonseca:

Anúncio Publicitário

Onze do Porto na 1ª jornada: Helton; Danilo, Otamendi, Mangala e Alex Sandro; Fernando, Defour e Lucho; Licá, Josué e Jackson Martinez.
Onze do Porto na 16ª jornada: Helton; Danilo, Maicon, Mangala e Alex Sandro; Fernando, Lucho e Carlos Eduardo; Varela, Ricardo Quaresma e Jackson Martinez.

Parecidos? Não. Não é que tudo tenha mudado, mas a verdade é que as dinâmicas da equipa alteraram-se por completo. Na defesa a única mexida foi a troca de Otamendi por Maicon. A explicação, já referida em outros artigos meus, é a sucessão de erros cometidos pelo central argentino em inúmeros jogos para o campeonato, Taça de Portugal e Liga dos Campeões, levando a que Maicon fosse aos poucos marcando pontos na competição por um lugar na equipa. O problema é que o novo titular da defesa do Porto também comete bastantes erros (no jogo contra o Setúbal obrigou a uma saída de Helton que teve como consequência um cartão amarelo para o guarda-redes brasileiro) e parece-me que até ao fim da época continuará a haver muita competição pelo lugar.

No meio-campo, além da provável inversão de triângulo, Defour foi saindo da equipa, cedendo o seu lugar a Herrera e, nos últimos tempos, a Carlos Eduardo. O centro-campista belga, sedento de estar no Mundial, não só está descontente no Porto como teceu algumas críticas ao campeonato português, sendo a sua saída do clube uma mera questão de tempo (possivelmente só em Junho, já que não há interesse por parte do seu empresário em emprestar o jogador).

Carlos Eduardo, que começou na B sem grande alarido (sempre se criticou o facto de Kelvin, Herrera e Reyes estarem no Porto B mas pouco se falou do médio brasileiro), aproveitou da melhor forma as oportunidades que lhe foram sido dadas por Paulo Fonseca, levando inclusive a que o treinador do Porto descesse Lucho e atribuísse a posição de (falso) 10 ao número 20 do Porto. Ainda que em jogos de maior dificuldade, nomeadamente contra Benfica e Sporting, tenha estado algo apagado, o brasileiro fez por merecer um lugar cativo no relvado no Dragão.

parabens lucho
El Comandante divide opiniões mas nunca corações
Fonte: FCPorto

Ainda no meio-campo do Porto, a prestação que Fernando Reges teve nas últimas 16 jornadas grita por uma renovação que tarda em chegar. Como já defendi noutras semanas, a prioridade desta renovação deveria anteceder qualquer outra e todos os portistas, jogo após jogo, pedem ao Presidente que algo seja feito. Quanto a Lucho Gonzalez, ultimo elemento cativo neste meio-campo e que completou 33 anos no passado Domingo, assumo existir um “conflito” entre Razão e a Emoção no que toca às suas prestações. Parece-me evidente que o seu nível exibicional baixou consideravelmente nas últimas jornadas; contudo, Lucho é sempre Lucho, e a sua saída no onze não me parece provável nas mãos de um treinador que teme efectuar qualquer decisão. Dada a escassez de soluções, acredito apenas que Josué, Herrera e Defour alternarão a titularidade em jogos das Taças, em que o argentino se sentará no banco para “descansar”.

No trio ofensivo, à excepção do intocável Jackson Martinez, que, ainda que tenha 20 jogos sem marcar vai manter a sua titularidade absoluta no plantel (mesmo existindo o argelino Ghilas, que nem nas Taças joga), as restantes posições alteraram-se por completo em comparação com a 1ª jornada do campeonato, com as saídas de Josué e Licá (é incompreensível que estes tenham sido os extremos do Porto) para as entradas de Varela e Quaresma.
Josué jogava fora da sua posição. O seu talento era claramente desaproveitado a falso-extremo e as suas exibições no meio-campo têm provado isso mesmo. Quanto a Licá, o esforçado ala português passou do “titular de Paulo Fonseca” a não convocado alguns meses depois, provavelmente as decisões mais estranha e mais correcta do treinador português.

Quaresma, o mal-amado de todos os que não gostam de futebol mas que apenas vêm as suas cores clubísticas, aquele a que todos apontam o dedo por tudo e por nada e cuja carreira reduzem a um ano no Dubai, chegou ao Porto há 15 dias e já agarrou o lugar, assumindo a responsabilidade e a iniciativa de várias jogadas individuais e colectivas nos últimos 2 jogos. Claramente ainda lhe falta maior entrosamento e melhor condição física, mas com o tempo tudo vai melhorar e, além da equipa e do próprio jogador, também Paulo Bento fica a ganhar (não neste momento, por enquanto) com mais uma opção para a selecção.

Lucho e Quaresma; Jackson e Carlos Eduardo: duas gerações portistas
Lucho e Quaresma; Jackson e Carlos Eduardo: duas gerações portistas
Fonte: FC Porto

Quanto ao “Drogba da Caparica”, Varela, parece-me poder fazer uma época ao nível da da conquista da Liga Europa. Passando a ter menor responsabilidade (Ricardo Quaresma passa a ser a “estrela” da equipa, aquele que tem mais “obrigação” desequilibrar), tem mais espaço e menos pressão para desenvolver as suas jogadas, podendo assim melhorar o seu nível exibicional ao longo da época e garantir o visto para o Brasil.

Por fim, importa ainda salientar o facto de em Agosto Kelvin andar pela B e Quintero se apresentar como a nova arma secreta do Porto e agora, em Janeiro, ser o brasileiro do minuto 92 que tem direito à titularidade em jogos da Taça e a 30 minutos no campeonato. O colombiano foi remetido pela equipa técnica para um estatuto de jogador quase dispensável, sendo que nem na Taça joga e apenas entra em jogo para figurar nas estatísticas da partida, estando numa situação completamente incompreensível.

Após mais de 150 dias do primeiro jogo contra o Setúbal, o Porto mudou, tendo aparentemente sido encontrado o melhor onze da equipa azul-e-branca à 16ª jornada. Contra uma apática equipa a jogar de “pantufas” (palavras do sábio Luís Freitas Lobo), o Porto apresentou um domínio absoluto. Importa agora saber não só como estará contra equipas de maior valor, como a regularidade que apresentará nos próximos meses.

Anúncio Publicitário