O excelente trabalho realizado por Sérgio Conceição não tem passado despercebido por essa Europa fora. Esta semana foi noticiado o possível interesse dos franceses do Paris Saint-Germain FC no técnico do FC Porto. O magnífico trabalho realizado em França, ao comando do FC Nantes, e a presença de Antero Henrique como homem forte dos parisienses não são alheios para que este rumor tenha fundamento.

Sérgio Conceição tem contrato com o FC Porto até 2019 e uma possível saída no final desta época só seria viável se o FC Porto fosse campeão. Num hipotético cenário de conquista da “dobradinha” que, neste momento, é o mais provável, é perfeitamente plausível que o técnico portista queira outros desafios para a sua carreira (ao estilo de André Villas-Boas).

O mercado italiano onde, como jogador, atingiu o estrelato e onde já confessou querer treinar (tem o desejo de treinar a SS Lazio) e o mercado francês, onde deixou uma excelente imagem, são os mais prováveis.

Como é evidente os sócios e adeptos azuis e brancos não gostariam de ver sair Sérgio Conceição mas, por outro lado, isso significaria uma época de grande sucesso e esse é o maior desejo de todos. Se se concretizar este cenário a pergunta que fica é: qual a melhor solução para o comando dos azuis e brancos na próxima época? Na minha cabeça surgem três nomes: António Folha, Luís Castro e Jorge Jesus.

Sérgio Conceição é cobiçado por clubes italianos e franceses
Fonte: FC Porto

António Folha seria uma aposta num treinador da casa, com ADN do FC Porto, que fez o seu percurso na formação do clube onde tem vindo a demonstrar uma tremenda qualidade no seu trabalho. Era uma aposta que se enquadrava na recente política do clube na aposta em jogadores vindos da formação. Juntando a isto seria sempre um treinador bem visto pelos adeptos do FC Porto e esse fator é sempre muito importante num clube com o contexto sociocultural dos portistas.

Anúncio Publicitário

Luís Castro seria um regresso a casa. Um treinador que esteve ligado ao clube durante muitos anos em diversas funções e que tem demonstrado, nas últimas épocas, todo o seu valor. Com uma ideia de jogo muito aliciante, conhecedor do clube por dentro, o facto de potenciar e valorizar jovens jogadores e de apresentar uma enorme facilidade de comunicação, fazem de Luís Castro um treinador com todos os requisitos para orientar os dragões.

Jorge Jesus é o nome mais polémico. Porém, num centenário em que o FC Porto conquiste as duas provas que restam no plano interno e caso o Sporting CP não consiga conquistar a Liga Europa, as três épocas de Jorge Jesus no clube leonino ficam resumidas a uma Taça da Liga e a uma Supertaça e, com este cenário, acredito que a sua continuidade em Alvalade não acontecerá. Ficando livre no mercado, se Sérgio Conceição seguir outro caminho na sua carreira este será sempre um nome a ter em conta, sendo que teria de baixar significativamente o seu salário para poder ingressar no FC Porto.

Tudo isto são cenários hipotéticos que os resultados irão, ou não, confirmar. Mas o que já ninguém pode negar é o magnifico trabalho realizado por Sérgio Conceição no comando do FC Porto. Acredito que vamos ter um “verão quente” no que diz respeito aos treinadores e, se tivesse que apostar neste momento, apostaria que os “três grandes” vão mudar de treinador.

Foto de Capa: FC Porto

artigo revisto por: Ana Ferreira