fc porto cabeçalho

Esta semana, o “perdido no tempo” escolhido é um jogador que ainda hoje deixa saudades aos adeptos portistas. Falámos do “mago” argentino, Fernando Belluschi.

Desde cedo, Fernando Belluschi demonstrou qualidade no campeonato argentino, primeiro ao serviço do CA Newell’s Old Boys e mais tarde com a camisola do CA River Plate. Ao longo das seis épocas que alinhou na Argentina, Belluschi apontou uns impressionantes 33 golos e depressa chamou a atenção dos clubes europeus. Os gregos do Olympiacos FC foram a sua primeira paragem na Europa.

Em 2009/10, o médio baixinho chegou aos dragões, tendo o FC Porto desembolsado de 6 milhões de euros por apenas 50% do seu passe ao Olympiacos FC. O investimento em Belluschi veio numa altura em que a compra do jogador argentino era moda na política de transferências do FC Porto, depois dos casos de sucesso de Lucho e Lisandro.

A adaptação de Belluschi ao futebol português foi perfeita, natural de um jogador de qualidade. Dono de uma capacidade técnica invejável e exímio nas bolas paradas, Belluschi deslumbrou nas três épocas que representou os dragões. Pelo caminho assinalou exibições impressionantes, como a que realizou nos memoráveis 5-0 frente ao SL Benfica, onde apontou duas assistências milimétricas para os dois golos de Falcão. Mas sem dúvida que o ponto alto de Belluschi ao serviço do FC Porto foi a conquista da Liga Europa em 2010/11 sob o comando de André Villas-Boas.

Belluschi fez uma dupla telepática com João Moutinho no meio-campo portista
Fonte: FC Porto
Anúncio Publicitário

Fernando Belluschi não era titular indiscutível, mas quando jogava brilhava. Não era um médio goleador, mas quando marcava fazia questão de serem golaços. O estilo irreverente e diferente daquela “pulga” irrequieta argentina marcou os portistas e a sua saída não deixou ninguém indiferente.

Seguiram-se passagens pelos europeus do Genoa FC e Bursaspor KD e mais tarde pelos sul-americanos do Cruz Azul FC e do CA San Lorenzo, o seu clube atual. Belluschi continuou a espalhar perfume e classe apesar de já estar na casa dos 30, tendo chegado mesmo a receber a distinção de melhor jogador argentino a atuar no campeonato local.

Hoje com 34 anos e ainda a representar o San Lorenzo, continua com a mesma habilidade e qualidade que nos habituou nos tempos em que representou os dragões e é uma das figuras da equipa argentina. Sem dúvida, um jogador que deixa saudades…

Foto de Capa: FC Porto

Artigo revisto por: Jorge Neves

 

Comentários

Artigo anteriorColômbia 1-2 Japão: Sul-americanos arrancaram com o sinal vermelho
Próximo artigoPolónia 1-2 Senegal: Eficácia africana ditou o resultado final
O Nélson é estudante de Ciências da Comunicação. Jogou futebol de formação e chegou até a ter uma breve passagem pelos quadros do grande Futebol Clube do Porto. Foi através das longas palestras do seu pai sobre como posicionar-se dentro de campo que se interessou pela parte técnica e tática do desporto rei. Numa fase da sua vida, sonhou ser treinador de futebol e, apesar de ainda ter esse bichinho presente, a verdade é que não arriscou e preferiu focar-se no seu curso. Partilhando o gosto pelo futebol com o da escrita, tem agora a oportunidade de conciliar ambas as paixões e tentar alcançar o seu sonho de trabalhar profissionalmente como Jornalista Desportivo.                                                                                                                                                 O Nélson escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.