Agora sim. Podemos com toda a certeza afirmar que o campeonato está a meio. A primeira volta terminou para o FC Porto com um empate demasiado atribulado no Jamor e acabou por ser um espelho de toda a primeira parte da época portista: dececionante.

No final da primeira volta, o FC Porto terminou com 39 pontos, 17 golos sofridos e 39 golos marcados. Apesar de ser bastante positivo o facto de ser o melhor ataque da prova, o número de golos sofridos é um dado preocupante. São números que se aproximam de equipas que no principal escalão do futebol nacional lutam por objetivos diferentes e que não têm metade do orçamento portista. É verdade que o SC Braga e o SL Benfica apresentam números semelhantes, mas falando do FC Porto em concreto, nota-se ainda uma instabilidade defensiva que não é de todo a imagem de marca de Sérgio Conceição.

Terminada esta primeira fase da maratona são ainda seis pontos que afastam a equipa azul e branca da liderança. O Sporting CP está a fazer uma campanha fantástica no campeonato e promete não ceder pontos tão cedo. É um dado que obriga o FC Porto a ganhar a encarar esta segunda volta como um motivo para dar a volta.

Olhando agora para alguns jogos que marcaram sem sombra de dúvida esta primeira volta do campeonato para os lados do dragão, começo por destacar os dois clássicos frente ao Sporting CP e SL Benfica. Contrariamente à época passada, o FC Porto não conseguiu derrotar nenhum dos habituais rivais diretos na luta pelo título. Em Alvalade, cedeu um empate mesmo nos instantes finais e mostrou uma instabilidade para segurar um resultado. No Dragão acabou por ser surpreendido frente ao SL Benfica e, refira-se, acabou por ser inferior em grande parte do jogo. A verdade é que foram dois empates que não abonam nada a favor da equipa. Não decidem o campeonato, mas não deixam de ser jogos de “tripla”.

Anúncio Publicitário
Fonte: Diogo Cardoso / Bola na Rede

Para além destes dois grandes jogos, houve outros tropeções que contribuíram para a perda significativa de pontos que a equipa portista sofreu na primeira etapa da maratona. Falamos principalmente dos jogos frente ao CS Marítimo, FC Paços de Ferreira e Belenenses SAD. Foram perdas de pontos absolutamente absurdas para uma equipa que pretende ser campeã nacional com rivais muito fortes. Destes três, destacaria a derrota frente ao FC Paços de Ferreira. Não era o FC Porto que estava em campo naquela noite e se não fosse a arbitragem a prejudicar os castores, poderia ter sido um resultado mais volumoso.

Numa perspetiva positiva, destaco o jogo frente ao Vitória SC e FC Famalicão que consistiram em duas vitórias complicadas para os portistas. Houve muito sofrimento à mistura, mas foram provavelmente os jogos de maior destaque pelo lado positivo na primeira fase do campeonato.

Falando agora dos maiores destaques no que respeita ao plantel azul e branco, começo por eleger aquele que, na minha opinião, foi o maior destaque pela positiva até agora. Mehdi Taremi é muito provavelmente o melhor ponta de lança a atuar em Portugal atualmente. Um jogador completo que tem como ponto mais positivo a sua agressividade dentro das quatro linhas. A forma como guarda, transporta a bola e conquista faltas (muitas vezes grandes penalidades) é notável. Depois temos aquilo que é essencial para um ponta de lança: os golos. Taremi cumpre essa função na perfeição e é o goleador portista a par de Sérgio Oliveira.

Fonte: Diogo Cardoso / Bola na Rede

Pela negativa, destacaria um jogador que chegou rotulado de craque, mas ainda não convenceu (na minha opinião, dificilmente nesta segunda volta isso acontecerá). Falo de Felipe Anderson, uma sombra daquilo que se viu algumas vezes no West Ham United FC e sobretudo na SS Lázio. Não se vê felicidade no médio ala brasileiro quando pega na bola e não é um substituto a altura para jogadores como Otávio, Luis Díaz ou Tecatito Corona.

Fonte: Diogo Cardoso / Bola na Rede

São estes alguns dados que marcaram uma primeira volta que poderia ter sido bem melhor do que realmente foi. Sabemos que na época passada, o FC Porto conseguiu uma reviravolta notável depois de uma primeira volta negativa, mas isso não acontece sempre. A segunda volta já começou com um empate bem amargo em Braga e não é assim que o FC Porto vai conseguir ter uma segunda volta que sirva para dar a volta.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome