Apesar de ser um clube recente, formado apenas em 2008, os russos do FK Krasnodar têm revelado consistência suficiente para se afirmarem com autoridade no futebol russo e, mais recentemente, no panorama europeu. É este o primeiro obstáculo dos azuis e brancos na busca pelos milhões. Uma viagem muito longa até ao extremo sul da Rússia, marcada já para daqui a duas semanas, que vai exigir um FC Porto competitivo de forma a trazer as decisões bem encaminhadas para o jogo do Dragão.

Com onze anos de história, o FK Krasnodar rapidamente ascendeu ao topo do futebol russo, onde chegou em 2011, para aí se solidificar e evoluir. Nas últimas cinco épocas classificou-se sempre nos primeiros cinco lugares, tendo, em 2018/19, ficado na terceira posição, com os mesmo pontos que o Lokomotiv Moscovo, que ficou em 2.º lugar.

Sergey Galitsky, multimilionário de 51 anos, tem a sua quota-parte no sucesso recente do clube, através de um grande investimento que tem permitido ao FK Krasnodar, entre outros, ombrear com clubes da alta roda do futebol europeu. Na última época, por exemplo, foi responsável pela eliminação do Sevilha FC, ainda na fase de grupos, e do Bayer Leverkusen, já nos dezasseis avos de final da Liga Europa. A eliminação surgiria nos oitavos, aos pés do Valencia CF, mas apenas nos descontos.

A aposta na continuidade tem sido um dos pontos fortes da consolidação dos russos que vêm segurando, época após época, as principais referências da equipa. Ainda assim, duas das figuras do último campeonato já não moram no clube, como são os casos de Kaboré e Mauricio Pereyra. Para os seus lugares, contudo, os russos investiram nas contratações de Kambolov, Younes Namli e Kaio (ex Santa Clara), para além das novas figuras da equipa, Marcus Berg e Tonny Vilhena. Este último, de resto, já foi decisivo no último jogo, ao oferecer a vitória frente ao FK Ufa.

Anúncio Publicitário
Sérgio Conceição trabalha no sentido de ter um onze forte para o confronto com os russos
Fonte: FC Porto

Ora, este é também um aspecto que poderá influenciar, de alguma maneira, o duplo confronto entre portistas e russos. A equipa russa já vai numa fase bem mais adiantada da sua preparação, tendo até já iniciado a época de forma oficial com dois jogos já realizados no campeonato russo (uma vitória e uma derrota). Para o FC Porto, o duelo com o FK Krasnodar será o primeiro de forma oficial e os índices físicos e mentais, ao contrário dos russos, podem ainda não estar ao nível da exigência da Liga dos Campeões. Sérgio Conceição quererá, contudo, minimizar essas diferenças.

Já aqui falamos do facto de o FK Krasnodar ter apostado na continuidade e estabilidade do seu plantel nos últimos anos, o que contrasta com a nova realidade azul e branca, que vê a necessidade de fazer suprir a perda de cinco titulares absolutos em relação à última época, como são os casos de Casillas, Militão, Felipe, Herrera e Brahimi.

Um ponto a favor dos dragões será o facto de o conjunto russo ser um ‘velho conhecido’ de uma das caras novas do plantel às ordens de Sérgio Conceição. Zé Luís esteve quatro anos na Rússia e, para além de estar familiarizado com o valor do adversário, tem nele uma das suas vítimas favoritas.

A primeira mão desta terceira pré-eliminatória joga-se na Rússia, a 7 de agosto. Já a segunda mão terá lugar no Estádio do Dragão, no dia 13 do mesmo mês.

Foto de capa: FC Porto

artigo revisto por: Ana Ferreira