Formado no Olival, foi rodando em alguns empréstimos, mas, desde que se afirmou no FC Porto, Sérgio Oliveira tem sido uma peça crucial no xadrez azul e branco.

Teve, no ano passado, a melhor época da sua carreira a nível individual, na qual marcou 20 golos em todas as competições.

Anúncio Publicitário

A sua entrega em campo, aliada à mentalidade batalhadora e consistência exibicional, sempre o tornaram num elemento imprescindível do plantel.

Dentro de campo é um exemplo e, a par de Pepe, carrega a braçadeira e enverga o símbolo com um orgulho e vontade que há muito não se via no Dragão.

É conhecido pelo seu remate forte e colocado de fora de área e pela sua eficácia nos livres diretos, sendo que, um em especial, foi dos mais decisivos na campanha do FC Porto na Liga dos Campeões, derrotando a Juventus FC e permitindo à equipa estar presente nos quartos de final da competição.

Para além de tudo isto, o seu nome vinha a estar constantemente nos convocados da Seleção Nacional, chegando mesmo a disputar o Europeu 2020. Contudo, com o início da presente época, Sérgio Oliveira não tem constado das primeiras opções do míster Conceição.

Fez somente um jogo a titular e, quando tudo indicava que o ia ser frente ao Sporting CP, começou no banco. Em seu detrimento, o treinador tem dado prioridade a Mateus Uribe, Bruno Costa ou Marko Grujic.

Como era de esperar, foi um tema um pouco debatido pela imprensa e os entendidos apontam que Oliveira já estaria mais concentrado numa saída (foi apontado a AS Roma, ACF Fiorentina, Tottenham Hotspur FC e Wolverhamton Wanderers), uma vez que o clube via este mercado como uma oportunidade única para lucrar com o seu passe.

Sendo verdade ou não, o jogador acabou por ficar e, neste momento, para não jogar, existem duas possíveis hipóteses: ou o jogador queria sair e, como não conseguiu, Sérgio Conceição está a admoestar-lhe o “castigo” de ir para o banco, ou a direção continua com intenções de o vender no mercado de janeiro e o míster, então, tem de dar prioridade às outras opções que tem.

O curioso é que Jesús Corona encontra-se exatamente na mesma situação, teve muito mercado, não saiu e já voltou a ser opção no onze titular. Será Tecatito muito mais importante no onze do que Sérgio Oliveira?

Na minha modesta análise, a resposta é: não. Tudo bem que Corona é um jogador muito evoluído tecnicamente, mas não é consistente nas suas exibições. É preferível apostar, no lado direito, em Otávio ou Fábio Vieira.

Até mesmo no setor mais defensivo, João Mário ou Manafá são hipóteses que chegam perfeitamente.

Oliveira FC Porto Sérgio
Fonte: Diogo Cardoso / Bola na Rede

Em relação a Sérgio Oliveira, apesar de a sua posição ter muitas soluções, o treinador tem apostado em Bruno Costa, enquanto que o médio internacional português desempenharia o papel muito melhor.

Afinal de contas, até que ponto é uma decisão inteligente prescindir do teu médio mais influente, que, na época passada, terminou como um dos melhores marcadores?

Artigo revisto por Gonçalo Tristão Santos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome