atodososdesportistas

Com a lesão (e o afastamento) de Helton e as saídas de Lucho, Mangala e Fernando, ficou um “vazio de liderança” em campo. Seguindo a lógica do futebol – a braçadeira é entregue ao jogador com mais anos de casa e mais influência no plantel – Ricardo Quaresma assumiu a braçadeira de capitão do Futebol Clube do Porto. Esta poderia também ter ido para o braço esquerdo de Maicon (um dos vice-capitães) ou de Danilo, mas parece que Jackson, por ter claramente uma maior influência no jogo azul-e-branco, até ultrapassou o lateral direito na hierarquia e se tornou um dos líderes do balneário. Até aqui nada de estranho: Lopetegui, mesmo com o camião de jogadores de qualidade que trouxe, respeitou os princípios do clube.

Teremos, portanto, uma equipa capitaneada por Ricardo Quaresma, Jackson Martinez e Maicon na época que se aproxima, sendo que Rúben Neves assumirá a braçadeira quando nenhum destes estiver em campo (como acontecia com Castro na Taça da Liga ou na Taça de Portugal num passado recente). É este o mote que dou para aquele que prevejo que venha a ser o primeiro problema de egos que o timoneiro azul-e-branco irá enfrentar: RQ7 – de titular nas alas até presença assídua no banco de suplentes (que título para um bom livro!). O Mustang é um jogador que sente o clube como poucos (“é este o meu clube, é este o clube que amo, e se tiver de morrer em campo por este clube, morrerei sem problema algum” – palavras dele no final de um jogo europeu no ano passado) e tem um “sangue de combate” que faz falta em qualquer equipa. Agora, o nosso bem-amado Quaresma já não tem a frescura dos 25 anos e todos sabemos que no plantel portista deste ano abunda qualidade para as zonas “exteriores” do terreno (digo exteriores porque certos jogadores podem ou vão jogar naquela posição não sendo extremos puros, graças à dinâmica que Lopetegui poderá querer imprimir no processo ofensivo dos Dragões), e jogadores como Brahimi, Tello, Oliver, Quintero ou até Adrián, mais tarde ou mais cedo, terão de se assumir como os “pulmões” da equipa, sabendo que uma das alas estará entregue a Tello (a priori, claro). Não duvido de que o “ciganito” comece a época a titular. Aliás, tenho certeza de que o fará. A minha dúvida é: durante quanto tempo, mister?

Helton e Ricardo Quaresma – a passagem do testemunho  Fonte: Windsorstar.com
Helton e Ricardo Quaresma – a passagem do testemunho
Fonte: Windsorstar.com

Acredito que será um processo gradual e que teremos, a meio da primeira volta do campeonato, Quaresma como um suplente de luxo, um “abre-latas” para os últimos 20/25 minutos de jogo, quando for preciso magia e deambulismo no ataque azul-e-branco. Acredito também que em jogos da Champions (vamos lá estar!) e clássicos, poderá ser titular pela experiência que imprime à equipa porque nesse tipo de jogos há pormenores que se transformam em “pormaiores”.

Resta agora saber: aceitará o jogador (que tem sangue quente, como é sabido) esta situação? Quero acreditar que sim, pois é um profissional e, embora ainda tenha certas atitudes rebeldes, sabe que o corpo já não consegue dar o mesmo rendimento ao longo de 90 minutos como antigamente. Mas, caso o Mustang não aceite esta situação de ânimo leve, teremos a primeira “guerra” de egos que Lopetegui terá de combater? O timoneiro portista conseguirá manter todos no mesmo barco ou veremos, à imagem do que aconteceu no primeiro ano de Vítor Pereira, “grupinhos” formados no balneário? É esse o meu único medo neste Porto que se vê recheado de soluções (sem dúvida a equipa com mais mais-valias e qualidade dos três grandes) mas que tem o perigo inerente de existirem azias que possam “minar” o grupo em certas alturas.

O Mustang em mais uma provaa de amor ao clube azul-e-branco  Fonte: fcpnacaoportista.wordpress.com
O Mustang em mais uma provaa de amor ao clube azul-e-branco
Fonte: fcpnacaoportista.wordpress.com

Perceba o leitor portista que não estou a agoirar, estou apenas a ser realista em relação a uma situação que acontece com frequência: jogadores com uma grande moral no seio de uma equipa e que se vêem, de repente, ultrapassados pela juventude e pela qualidade de recém-chegados. Assim como se diz que “é a lei da vida”, aqui posso dizer que “é a lei do futebol”, e que nunca poderemos agradar a gregos e a troianos. Resta ao nosso treinador ser caprichoso e cuidadoso com a forma como vai gerir esta situação. Até agora parece-me estar a fazê-lo bem: Quaresma tem sido sempre titular e capitão e será com certeza titular nos primeiros jogos oficiais. Mas, aos poucos, perderá o espaço “cativo” que até agora meritoriamente teve. Até porque acho que o ataque dos Dragões acabará por ser, inevitavelmente, entregue a Tello, Oliver e Brahimi/Adrián no suporte ao homem-golo Jackson Martinez (não esquecendo Quintero!).

É preciso cautela quando se retira um jogador que sempre se assumiu como imprescindível. E o nosso “ciganito” tem esse estatuto. Quero acreditar que continuará a ter, quer dentro de campo, quer fora. Esta é a primeira situação em que teremos de ter um treinador inteligente e mais “psicólogo” do que “mestre da táctica”. O futuro dirá que contornos esta anunciada novela terá… Como tem sido normal: eu acredito! E tu, caro portista?

Comentários