tinta azul em fundo brando pedro nuno silva

No quarto jogo da pré-época portista, os dragões encontraram o velho conhecido Schalke 04. Desta vez não estava em causa a passagem aos quartos-de-final da Liga dos Campeões mas mais um jogo de preparação que serviu para testar a equipa de Lopetegui. O onze titular portista apresentado foi Iker Casillas; Ricardo Pereira, Lichnovsky, Marcano e Alex Sandro; Evandro, Rúben Neves e Sérgio Oliveira; Varela, Aboubakar e Brahimi. Havia portanto que testar alguém novo no centro da defesa, já que, com as indefinições da pré-época, não se saberá se Lichnovsky não terá que ser chamado ao longo da época 2015/2016.

O jogo começou repartido, com o Porto a tentar manter a posse de bola e o Schalke 04 a aproveitar bem os espaços deixados no meio-campo para fazer o contra-ataque rápido. Por isso mesmo, a primeira grande oportunidade foi alemã – um grande remate de primeira de Huntelaar para uma excelente defesa de Iker Casillas. Os extremos Varela e Brahimi (principalmente o argelino) viram-se muitas vezes obrigados a recuar  no terreno para receber a bola, já que houve dificuldade do meio-campo em transportar a bola para o ataque. Aos 20 minutos, houve um lance perigoso a favor do Porto, com Alex Sandro (capitão) a adiantar-se na lateral e a acertar no poste com um remate cruzado.

Oportunidades para o Porto foram escassas, registando-se apenas alguns rasgos individuais que deram cor ao futebol portista. Varela quer mostrar-se a Lopetegui e pareceu bastante envolvido no jogo e com arranques rápidos, mas a falta de rotinas ainda é visível na equipa portista. Ricardo não é lateral (ainda), Sérgio Oliveira não é médio de transição de combate e Evandro não é certamente um 10 – os últimos dois parecem ter as posições trocadas. Notou-se um atraso na preparação em relação aos alemães. que conseguiram criar mais perigo resultante do jogo colectivo e do grande talento de Draxler. Aos 44’, defesa de improviso de Casillas depois de um cruzamento (não parece ter tocado em ninguém) traiçoeiro do Schalke. E assim fechou a primeira parte do jogo.

11224322_10153151217474037_2683113480947169771_n
O Schalke teve as melhores oportunidades de golo
Fonte: Facebook Schalke 04

Na segunda parte entraram Helton, Maxi, Maicon, André André e Cristian Tello (o Schalke que apresentou o mesmo onze). O Porto entrou mais enérgico, pressionando o adversário na saída de bola e demonstrando vontade de fazer o golo, mas a primeira oportunidade foi alemã – aos 58’, Helton, numa saída rápida, cobriu a baliza e evitou o primeiro tento do jogo. Aos 61’, entrou Danilo Pereira para o lugar de Ruben Neves, que voltou a apresentar apontamentos de classe nos passes e visão de jogo. Aos 63’, entrou Bueno para o lugar de Evandro, mais uma vez reforçando a ideia de que foi contratado para a posição de médio ofensivo e não de avançado.

Não houve grandes oportunidades de parte a parte durante o segundo tempo e nem a entrada de Adrian e André Silva mexeram muito com a equipa, que se mostrou mais equilibrada a jogar em 4-2-3-1. Continua a faltar posse de bola ofensiva, isto é, ter a bola no meio-campo do adversário e perto da área. Ou realmente é um problema de metodologia ou, apesar dos inúmeros médios que temos, falta um médio criativo que consiga ter bola – um Óliver! De resto, confesso que gosto do toque de bola de Bueno e estou curioso para ver o que sai deste jogador.

Outro pormenor importante é o ponta-de-lança; temos que encontrar um pivot ofensivo, sob risco de virmos a ter dificuldades em produzir jogadas de perigo, coisa que aliás já vem acontecendo nestes jogos. A SAD certamente está a trabalhar nesse dossier. Faltou Imbula neste jogo e, se tivesse que arriscar, o meio-campo será entregue a Danilo Pereira, Imbula e a um terceiro médio, que é alguém que está para vir ou será o nosso velho conhecido Herrera, que jogará mais adiantado no terreno. Ruben Neves e André André estão bem e têm qualidade a nível da primeira fase de construção – aí parece um problema resolvido! Falta então a criatividade do último passe.  Vamos ver que evolução e que novidades nos traz o nosso Porto, numa altura em que já não estamos longe do inicio do campeonato.

Figura do Jogo: Brahimi – Sem fazer um jogo brilhante, foi quem segurou mais a bola e de quem veio mais fantasia.

Fora-de-jogo: Aboubakar – Muito apagado no jogo, a bola não lhe chegou mas também não a soube procurar.

Comentários