atodososdesportistas

Muito se falou sobre Paulo Fonseca e a sua (in)coerência táctica. Mudar até mudava, mas mal. Sinceramente, via em Paulo Fonseca um autêntico “fantoche” nas mãos dos adeptos, via um homem solitário (nem as declarações dos jogadores disfarçavam o mal estar que existia no seio do clube) e com vontade de abandonar o barco antes de este ir ao fundo de vez. A direcção do Porto teimava em segurar com fios de ráfia aquilo que costuma amarrar com ferro. Felizmente já saiu, embora tarde. Fazendo um exercício de reflexão, podemos tentar perceber o porquê de tão tardia chicotada:

I) As alternativas realmente disponíveis no mercado não agradam a Pinto da Costa e à direcção;

II) O possível substituto não quer assumir já a equipa ou está contratualmente vinculado a outro clube.

Quais são, então, as possibilidades de sucessão ao agora treinador interino Luís Castro? Dentro do leque de nomes que saltam todos os dias de capa em capa de jornal e que aparecem constantemente em notícias de blogs ou comentários, eu aposto num destes três para suceder a Fonseca: Marco Silva (de imediato), Villas-Boas ou… Jorge Jesus (ambos no final da época).

Anúncio Publicitário
Jorge Jesus e André Villas-Boas seriam as escolhas ideais para o FC Porto  Fonte: TVI 24
Jorge Jesus e André Villas-Boas seriam as escolhas ideais para o FC Porto
Fonte: TVI 24

Marco Silva seria a escolha lógica e seguiria a linha de critérios usados por parte da direcção azul-e-branca: é um jovem com talento comprovado e enorme margem de progressão que facilmente encaixaria no clube. Por outro lado, paira no ar a dúvida sobre se Marco Silva quererá, para já, abandonar o clube canarinho e perder assim a possibilidade de fazer mais um “brilharete” no campeonato, quiçá ficando à frente do… Porto.

As outras duas alternativas (André Villas-Boas e Jorge Jesus) seriam as que mais me agradariam, mas aí teríamos de hipotecar totalmente esta época (se não está já hipotecada…). Preferia um retorno do rei AVB ao trono que o lançou para o mundo, além de que seria desde logo uma aproximação aos adeptos, que cada vez mais estão de costas voltadas para o clube. As principais dificuldades prendem-se (claro está) com o salário do treinador e com os clubes interessados nele (com Barcelona assumidamente “à cabeça”). Não duvido que AVB volte para o Porto caso não surja nenhuma proposta de um “tubarão”, mesmo baixando muito o seu salário (às vezes um passo atrás significa dois em frente). Seria um retorno a uma casa que bem conhece, onde reencontraria alguns jogadores que com ele cresceram.

Por último, o técnico que inevitavelmente um dia virá para o Dragão: Jorge Jesus. Já há muito falado para ser timoneiro dos azuis-e-brancos, Jesus só não veio na época passada porque o Porto “obrigou” o Benfica a renovar com ele. Com os encarnados da 2ª Circular bem lançados na luta pelo título, duvido que Jesus seja despedido no final da época (infelizmente…). Seria um treinador que muito poderia fazer, a começar pela sua grande capacidade de “moldar” jogadores – acredito que finalmente teríamos um super Iturbe, um fenomenal Quintero a 10 e um Ricardo a render o dobro e que deixaríamos de sofrer golos de bola parada. A “solução JJ” parece-me, porém, muito difícil. Sobra-nos, por isso, Marco Silva.

Se a ideia é contratar já um treinador para a próxima época, Marco Silva é a melhor escolha  Fonte: Futebolportugal.clix.pt
Se a ideia é contratar já um treinador para a próxima época, Marco Silva é a melhor escolha
Fonte: Futebolportugal.clix.pt

E, caso venha, que seja já na Segunda-Feira, por favor! Não aguento ver o meu Porto assim, estou habituado a ser de longe o melhor clube português e a ganhar em campo aquilo que outros nem cá fora nos conseguem tirar. Este Porto parece um clube da INATEL (com todo o respeito). Também não seria de estranhar que Pinto da Costa desse um “abanão” por completo na estrutura e contratasse um treinador estrangeiro (só espero que não seja Mano Menezes!), embora essa hipótese me pareça remota. Em último caso, e isso seria a surpresa total, o nosso presidente pode sempre “resgatar” a Mourinho o seu “n.º2”, Rui Faria (como já se falou). Mas isso é a mais pura especulação. Com tudo isto, só espero é ter um novo treinador (sim, um “treinador”!) e voltar a ver o meu Porto jogar com a alegria de outrora. Faça lá isso pelos adeptos, Pinto da Costa.