amarazul

Oito jogos, oito equipas iniciais diferentes. Na baliza, defesa, meio-campo ou lá na frente, contam-se até agora por uma mão vazia os ‘onzes’ repetidos por Julen Lopetegui. O relógio continua, o calendário perde folhas e a equipa portista não tem maneira de encontrar estabilidade. Mas será que esse é um objectivo?

Cumpridos praticamente dois meses de competição, é difícil pensarmos no caso Lopetegui como um processo em evolução cujo objectivo passa por encontrar um onze ‘à Porto’. Arrisco e digo que é mesmo insensato tentarmos fazê-lo. E digo-o por respeito ao técnico, por confiança nas suas certezas e desejo de que estejam certas.

Da Liga Portuguesa à Liga dos Campeões (incluindo a qualificação), não houve um único onze inicial igual a um dos anteriores. Até na baliza Julen ‘mexeu’. Tirou um jovem, pôs outro, deixou um, talvez dois. A palavra que predomina no universo azul e branco 2014/2015 é ‘rotatividade’. Até Jackson ficou de fora. O técnico espanhol já por várias vezes havia avisado e agora, passados mais de quatro meses desde que chegou ao Dragão, não deixa espaço para dúvidas.

lope
Lopetegui muda; Lopetegui engenha; Lopetegui surpreende; Lopetegui treina.
Fonte: shakhtar.com

Acredito no seu trabalho e acredito nos jogadores. Na sua tenra idade e talento – porque se assim não fosse o meu ponto de vista e convicções seriam outros. Afinal, Julen desde há muito trabalha com jovens jogadores. Este ano, a média de idades não chega aos 25. Com o que tem entre mãos, não será provável que as poucas ideias fixas sejam premeditadas? Ou melhor, não será provável que a falta de 1) estabilidade, para uns, ou de 2) consistência, para outros, seja natural?

Danilo e Alex Sandro nas alas, Quintero, Óliver, Rúben Neves e Brahimi no meio do terreno, e Tello, Ádrian, Quaresma, Jackson (sem esquecer Kelvin) lá na frente. O plantel não se fica por aqui mas, para mim, seria já uma autêntica dor de cabeça. Mas uma dor de cabeça boa, daquelas que nos é causada pela abundância de talento. É inegável: todos estes conseguem ser mágicos dentro do campo; à sua maneira, no seu sítio, com o seu ritmo. Todos eles o fazem, sim, mas muitos deles (a maioria) são ainda muito novos.

E a idade é sempre um ponto fundamental a ter em consideração: todos nós desejamos chegar aos 16, 18 anos. Queremos ser livres, conquistar o mundo, dominar a nossa própria vida. Uns têm já essa capacidade, outros precisam das asas dos seus pais durante mais um par de anos até que estejam verdadeiramente preparados. Há ainda aqueles que o tentam e voltam às origens por mais um ano ou outro. No futebol não é muito diferente.

Óliver, Rúben e Cristian são alguns dos casos mais pragmáticos. Talento não lhes falta mas, por vezes, não aparece. Ou não aparece quando era preciso, ou da maneira desejada. Quintero, por sua vez, ainda não é capaz de começar aos 0’ e ter o mesmo rendimento de quando entra a meio da partida. Por isto, Julen não pode, não quer, não tem um onze. Tem um plantel que roda e gere de forma a tentar aproveitar o melhor de cada um… No momento ideal.

Comentários