As fracas exibições do FC Porto na pré-época 2018/2019 fizeram “disparar” todos os alarmes possíveis e imaginários. Os adeptos estão descontentes com os maus resultados e o pouco futebol que os azuis e brancos têm mostrado e, simultaneamente, com a movimentação da SAD no mercado de transferências. Sérgio Conceição está igualmente aborrecido com a forma como a direção está a lidar com a falta de reforços para fortalecer o plantel.

A pré-época tem sido uma desilusão para todos. É certo e sabido que os jogos amigáveis são, maioritariamente, para recuperar a forma física dos atletas e melhorar o entrosamento da equipa. No entanto, é na pré-temporada que se assentam os “pilares e os tijolos” futebolísticos que qualquer equipa deve ter e que serão essenciais no arranque da competição à séria de modo a “cimentar a equipa”. No primeiro jogo de porta aberta da pré-temporada, frente ao Portimonense SC, os “dragões” sofreram a sua primeira derrota. O FC Porto não conseguiu assumir o jogo e notou-se o porquê de Sérgio Conceição pedir mais jogadores para o setor defensivo. Os algarvios conseguiram levar a melhor através da pressão alta que exerceram, obrigando a equipa portista a jogar mais recuada. Pires e Tabata fizeram balançar as redes da baliza do FC Porto e André Pereira reduziu a desvantagem dos “dragões” para um golo.

Contra o LOSC Lille, de França, o FC Porto voltou a desiludir. A equipa portista sentiu novamente dificuldades, desta vez no setor ofensivo devido à falta de criação de oportunidades para fazer golo. Mais uma vez, foi notória a falta de reforços para trazer algo de novo à equipa e acrescentar qualidade para haver um plantel de qualidade em todas as frentes competitivas. Xeka, de cabeça, inaugurou o marcador e minutos depois Hernâni restabeleceu a igualdade com um remate desviado por um jogador do Lille. No entanto, o adversário acabou por marcar, desta vez por parte de Mothiba. Na marcação de grandes penalidades, para efeitos de desempate, o Lille saiu de igual forma vitorioso. Após o jogo, na flash interview, Sérgio Oliveira afirmou que a equipa portista ia estar na máxima força no dia 4 de agosto e conquistar a Supertaça Cândido de Oliveira.

Felipe e Nakajima no jogo do FC Porto frente ao Portimonense SC
Fonte: FC Porto

Frente ao adversário teoricamente mais complicado, o Everton FC, a equipa da cidade Invicta conseguiu melhorar a imagem que projetou nos últimos dois jogos com uma vitória e uma exibição mais bem conseguida. Faltou intensidade e pressão na saída de jogo do Everton FC por parte dos dragões, mas a equipa aproximou-se da qualidade mostrada pela equipa de Sérgio Conceição na temporada passada. Marega foi quem finalizou e deu a vitória ao FC Porto.

Anúncio Publicitário

Com a chegada de Chancel Mbemba para o centro da defesa, embora este se tenha lesionado num jogo treino à porta fechada frente ao SC Farense, e a possível transferência de Éder Militão, é provável que as exibições a nível defensivo da equipa venham a subir de qualidade. Ainda assim, Sérgio Conceição dispensou seis jogadores e faltam algumas soluções para o ataque e meio campo portista. O próximo jogo e último jogo de pré-temporada é contra o Newcastle United FC no Estádio do Dragão na habitual apresentação do plantel aos adeptos.

Foto de Capa: FC Porto

artigo revisto por: Ana Ferreira

Artigo anteriorA caminho do WWE SummerSlam #1: Os 10 melhores lutadores
Próximo artigoOs emails não revelados: José Gomes quer Gelson Dala a ‘explodir’
Desde criança a colecionar cromos e recortes de jornais de vários jogadores até às longas carreiras nos videojogos no seu clube do coração, foram muitas as alegrias que o desporto rei lhe proporcionou. Assume ficar fulo quando não consegue acompanhar um jogo da equipa da cidade Invicta, mas no que toca a tudo o que acontece à volta do seu clube sente a obrigação de estar sempre atualizado. Estuda Ciências da Comunicação e é através da escrita que se prefere expressar.                                                                                                                                                 O Tiago escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.