cabeçalho fc porto

O FC Porto está de rastos. Já estava assim antes de Lopetegui ser despedido, mantém-se assim com Rui Barros no comando técnico. O que mais aflige é a inércia do clube. Como um todo. Desde os jogadores, ao mais alto dirigente. Isto não é o Porto, e parece que todos, menos os que realmente decidem, percebem isso.

O jogo de Guimarães foi a derradeira prova dos nove. Porque essas não têm faltado. A equipa da casa, unida em torno de um objetivo, depois de toda a celeuma em redor do seu treinador, conseguiu sempre responder com facilidade às tentativas azuis e brancas de se aproximarem da baliza. A turma de Sérgio Conceição entrou forte na partida, com ideia de imprimir velocidade, algo que resultou, impulsionado por mais um erro de Iker Casillas.

transferir (3)
Casillas deu um frango em Guimarães
Fonte: desporto.sapo.pt

Depois, não há muito a dizer. Porque o FC Porto nunca foi capaz de responder com eficácia à desvantagem. Como não é há já mais de ano e meio. Tudo parece altamente mecanizado e automático. Não há espaço para o improviso e, claro, se algo corre mal, ou surge inesperadamente, a confusão alastra-se e cada jogador rema para o seu lado. Algo que é inconcebível e inadmissível para uma equipa que quer ser campeã.

Rui Barros? Não se lhe pode exigir nada. O estado de graça do “pequeno génio” terminou, e com estrondo. Nunca poderia mudar época e meia de ideias implementadas na equipa e não tem as bases para isso. Não sei o que se pode pedir mais. O clube da Invicta, o clube vencedor, não é isto, e o que o encontro do D. Afonso Henriques mostrou foi um estado de espírito comum (o do Vitória) contra retalhos de uma manta há muito furada e despedaçada.

Atingiu-se um ponto de não retorno. O que se segue? Já não sabemos. Por outra altura, acreditava-se na capacidade de quem manda. Hoje, até isso é difícil.

A Figura:

Miguel Silva – O guarda-redes do Vitória teve um teste de exigência média-alta e passou-o com distinção. Seguro e maduro, quase parecia mais adulto que… Casillas. Tem 20 anos.

O Fora-de-Jogo:

FC Porto – Impossível distinguir alguém pela negativa quando tudo parece (ou é) tão mau. O clube está irreconhecível e a culpa não era só de Lopetegui.

Comentários