OBJETIVOS DIFERENTES, AMBIÇÕES IGUAIS

É neste domingo, a 16 de fevereiro de 2020, que os Conquistadores recebem os Dragões na cidade berço de Portugal. O Estádio D. Afonso Henriques contemplará o embate entre Vitória SC e FC Porto, sendo este o terceiro encontro da época entre ambos os clubes.

A nível oficial, será o jogo número 171 que põe frente a frente vitorianos e portistas. Até à data de hoje, a equipa da casa no jogo de domingo conseguiu apenas 24 vitórias frente ao FC Porto. Quanto aos azuis e brancos, têm o número impressionante de 109 vitórias, restando 37 empates. Olhando para os últimos resultados das duas equipas, vimos claramente uma assimetria no momento de forma.

De um lado existe um Vitória SC que tenta recuperar uma séria de três derrotas consecutivas com uma goleada das antigas ao FC Famalicão (0-7). Nos últimos cinco jogos, contam com apenas duas vitórias. No outro lado, um FC Porto sem perder nas últimas cinco partidas, somando apenas um empate em casa do Académico de Viseu FC, jogo a contar para as meias-finais da Taça de Portugal.

Anúncio Publicitário

A competir por objetivos bastante diferentes no campeonato, as duas equipas defrontam-se com um fosso de pontuação gigante – o Vitória SC encontra-se em sexto lugar com 28 pontos, lutando pela Liga Europa; o FC Porto persegue o título de campeão na segunda posição com 50 pontos, quase o dobro do Vitória SC.

COMO JOGARÁ O VITÓRIA SC?

Costuma-se dizer na gíria futebolística que em equipa que ganha não se mexe. Ora, numa equipa que goleia por 7-0 muito menos. Porém, o Vitória SC jogara o último jogo sem o seu maior destaque – Davidson. Apesar de Bruno Duarte ter estado em grande ao fazer um golo e três assistências, é ao brasileiro Davidson a quem tem pertencido o lugar no centro do ataque e com mérito. A acompanhá-lo estarão Edwards e Ola John nas faixas e é certo que Alex Telles terá muito trabalho pela frente. Edwards é um jogador muito rápido e com uma excelente capacidade de drible, podendo provocar o caos no ataque vimaranense. No meio campo, João Carlos Teixeira, André André e Pêpê serão, muito provavelmente, a tríade responsável por comandar o ataque e a defesa. Quanto ao setor mais recuado, agora já sem Tapsoba, pertencerá a Sacko, Venâncio, Pedro Henrique e Hanin. O guardião continuará a ser o experiente Douglas. Por ser uma equipa relativamente jovem, será possível observar bastante atrevimento tanto a nível ofensivo, maioritariamente pela responsabilidade de Edwards, como no meio campo, uma vez que Pêpê é um médio que remata imensas vezes de fora de área.

JOGADOR A TER EM CONTA:

Fonte: Diogo Cardoso/Bola na Rede

Davidson – É o seu quinto ano em Portugal, mas é apenas agora que começa a ter o destaque merecido. O avançado brasileiro já conta com nove golos e dez assistências, provando assim não ser apenas um avançado restrito à grande área. A um golo de igualar o seu recorde pessoal, referente à época transata, Davidson tem sido o responsável pela finalização das jogadas vitorianas. O brasileiro já sabe o que é marcar ao FC Porto, tendo sido o responsável pelo golo da vitória dos Conquistadores em 2018 no Estádio do Dragão.

 

XI PROVÁVEL:

4-3-3: Douglas, Sacko, Venâncio, Pedro Henrique, Hanin, João Carlos Teixeira, Pêpê, André André, Marcus Edwards, Davidson e Ola John.

 

COMO JOGARÁ O FC PORTO?

Com Danilo Pereira e Pepe de fora por lesão e Soares castigado por acumulação de amarelos, Sérgio Conceição vê-se obrigado a alterar os onzes homens que iniciarão o jogo. Utilizando o jogo da última quinta-feira para descansar alguns jogadores e “lançar” outros, o treinador do FC Porto já terá uma alternativa face às ausências de três jogadores importantes. Zé Luís poderá ser o escolhido para substituir Tiquinho Soares no ataque, fazendo dupla com Marega. O meio campo será constituído por Uribe e Sérgio Oliveira, que tem estado num crescendo de forma. Nas faixas laterais do meio campo, a apoiar o ataque, teremos a velocidade e imprevisibilidade de Luis Díaz e a solidez e segurança de Otávio. A defesa será constituída por Mbemba e Marcano, com Corona e Alex Telles nas laterais e, mais atrás, o argentino Marchesín completará o onze inicial. Será um FC Porto parecido com aquele que defrontou o SL Benfica na passada semana, mas com alguns remendos que poderão surpreender.

 

JOGADOR A TER EM CONTA:

Fonte: Diogo Cardoso/Bola na Rede

Sérgio Oliveira – Assim que Danilo Pereira entrou para o boletim clínico dos dragões, Sérgio Oliveira assumiu o seu papel da melhor forma. Tem tido um papel determinante no meio campo portista, acrescentando ainda mais valor a nível ofensivo do que Danilo. É também um elemento muito importante nas bolas paradas, pois tem um remate explosivo e sabe colocar a bola precisamente onde pretende. Deu outra dinâmica à equipa e isso reflete-se nos seus números – três golos e uma assistência nos últimos cinco jogos.

XI PROVÁVEL

4-4-2: Marchesín, Alex Telles, Marcano, Mbemba, Corona, Luis Díaz, Sérgio Oliveira, Uribe, Otávio, Zé Luís e Marega.

Foto de Capa: Diogo Cardoso/Bola na Rede

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão