Este fim-de-semana ficamos a conhecer as 24 seleções que irão disputar a Taça das Nações Africanas. Com base no lote de seleções apuradas, podemos começar a perspectivar a presença de vários jogadores ligados ao FC Porto no torneio.

Até há muito pouco tempo, a tradição dos dragões no que concerne a jogadores africanos não era vasta. Os mais acarinhados serão Rabah Madjer, argelino de enorme qualidade técnica que se sagrou campeão europeu em 1987 e que é, ainda hoje, considerado um dos melhores jogadores da história do clube e Benni MacCarthy, sul africano com um faro de golo incomum e que ajudou o FC Porto de Mourinho a vencer a edição de 2004 da Liga dos Campeões.

No entanto, nos últimos anos, vários jogadores africanos têm chegado ao clube e alguns deles têm assumido papéis de algum destaque. Há, portanto, na forja, vários jogadores ligados contratualmente ao clube com fortes possibilidades de marcar presença na principal competição de seleções daquele continente, que terá lugar no Egito no próximo verão.

No topo da lista surgem Yacine Brahimi (Argélia) e Moussa Marega (Mali). Dois jogadores preponderantes para Sérgio Conceição nos últimos dois anos e que se perfilam como candidatos a figuras de destaque daquela competição.

Benni McCarthy foi um dos primeiros africanos em destaque nos dragões
Fonte: FC Porto

Mantendo o foco no plantel às ordens de Sérgio Conceição, existem mais três jogadores com francas possibilidades de serem convocados. Aboubakar (Camarões), que se encontra lesionado mas que, ao que parece, recuperará a tempo de ser chamado e de recuperar o ritmo para a fase final da CAN e Chidozie (Nigéria) e Mbemba (Congo), que pese embora a escassa utilização no clube devem garantir presença na competição pela qualidade e estatuto que já têm no seu país.

Ainda no que concerne a jogadores do plantel do FC Porto há mais dois casos a apontar. Wilson Manafá e Loum. O primeiro, apesar da nacionalidade portuguesa, poderá ser chamado à seleção da Guiné Bissau. A concorrência na seleção nacional é vasta e esta poderá ser uma via alternativa para o jogador poder chegar a internacional. No caso do segundo, está emprestado pelo Sporting de Braga e não tem quaisquer minutos somados. Ainda assim, parece ter presença garantida na seleção do Senegal.

Fora do plantel mas, ainda assim, ligados contratualmente ao clube, surgem Mikel Agu (Nigeria), emprestado ao Vitória de Setúbal, e Majheed Waris (Gana), que se encontra ao serviço do Nantes de França. Dois jogadores que não contam para o treinador do FC Porto mas que deverão marcar presença no Egipto.

Em suma, são nove os jogadores que o FC Porto tem nos seus quadros e que poderão marcar presença no evento. Não deixa de ser interessante notar que, ainda assim, vários deles deverão chegar à competição já desvinculados do clube, sendo o caso mais evidente o de Brahimi que está prestes a terminar o seu vínculo contratual.

Foto de Capa: FC Porto

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários

Artigo anteriorA decadência dos treinadores brasileiros
Próximo artigoSporting | Nem Taça, nem Europa
Fervoroso adepto do futebol que é, desde o berço, a sua grande paixão. Seja no ecrã de um computador a jogar Football Manager, num sintético a jogar com amigos ou, outrora, como praticante federado ou nos fins-de-semana passados no sofá a ver a Sporttv, anda sempre de braço dado com o desporto rei. Adepto e sócio do FC Porto e presença assídua no Estádio do Dragão. Lá fora sofre, desde tenra idade, pelo FC Barcelona. Guarda, ainda, um carinho muito especial pela Académica de Coimbra, clube do seu pai e da sua terra natal. De entre outros gostos destacam-se o fantástico campeonato norte-americano de basquetebol (NBA) e o circuito mundial de ténis, desporto do qual chegou, também, a ser praticante.                                                                                                                                                 O Bernardo escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.