SITE TEMPORÁRIO

20 de Janeiro, 2022

Gil Vicente x Famalicão

Gil Vicente FC 4-0 FC Famalicão: Um dérbi onde se cantou de galo

A CRÓNICA: A APATIA FAMALICENSE FRENTE À OFENSIVA GILISTA

O Estádio Cidade de Barcelos foi palco de mais um dérbi do Minho que, desta vez, opôs o Gil Vicente FC e o FC Famalicão. Duas equipas com muita gana e garra para se defrontarem porque, para além dos três pontos, era muito mais o que se jogava em campo: pela honra e pelo inverter dos últimos resultados.

Quem fez jus ao objetivo foi a equipa de Barcelos que dominou, praticamente, por completo, a primeira parte deste dérbi. Tudo começou logo aos três minutos, quando Samuel Lino arrancou para assistência a Fujimoto, a quem bastou picar a bola sobre Luiz Júnior e inaugurar o marcador. Mal sabia Ivo Vieira o terror que seriam os restantes minutos…

O Gil Vicente FC continuou a dominar, frente a um FC Famalicão mergulhado na apatia e na inércia. Os comandados de Ivo Vieira não atavam nem desatavam perante a equipa de Ricardo Soares que demonstrou a criatividade ofensiva que os seus três homens da frente poderiam potenciar. Aos 22 minutos, essa mesma criatividade veio ao de cima, com Hackman a cruzar para o centro da grande área, onde bastou encostar o esférico a Fran Navarro. Lia-se o 2-0 no marcador.

Como se a partida não estivesse a correr mal o suficiente para a equipa forasteira, aconteceu a saída forçada de Diogo Figueiras por lesão, que alterou ainda mais os planos do técnico. Fora essa substituição forçada, David Tavares e Bruno Rodrigues foram também chamados a subir ao palco ainda no decorrer da primeira parte, para além de De La Fuente. Era o caos iminente no plano de jogo famalicense que Ivo Vieira ainda tentou colmatar, sendo que sem resposta.

Para fechar a primeira parte e meter “os pontos nos i’s” do domínio gilista nos primeiros 45 minutos, Murilo, de pé direito, rematou a bola contra o relvado que fez o esférico sobrevar Luiz Júnior. Fechava-se a primeira parte com três golos sem resposta, a favor da equipa da casa.

Com um Gil Vicente FC a mostrar-se algo dependente dos rendimentos obtidos na primeira parte, os gilistas tiraram o pé do acelerador e o FC Famalicão tentou aproveitar para potenciar na construção ofensiva, mas pouco resultado deu. Sem grandes ocasiões, tudo permanecia sem alterações.

Aos 76 minutos, o recém-entrado na partida, Leautey entrou pela área dentro, cruzou e, ao segundo poste, bastou a Fran Navarro concretizar o quarto golo e dar o nó no ponto (ou nos três pontos) gilistas. O dérbi terminou com um canto altivo do galo e um coletivo famalicense num ponto sem retorno.

 

A FIGURA

Samuel Lino
Fonte: Diogo Cardoso / Bola na Rede

Samuel Lino (Gil Vicente FC) – Para além da grande exibição de Fran Navarro, que é impossível de não ser enaltecida, fica no olho o jogo feito por Samuel Lino. Todas as jogadas de construção ofensiva passavam pelo jogador da equipa de Barcelos que nunca arredou pé.

 

O FORA DE JOGO

Fonte: Diogo Cardoso/Bola na Rede

FC Famalicão – A apatia e falta de solidez na primeira parte deram alento à goleada gilista. O FC Famalicão não foi equipa capaz de fazer mossa ou qualquer tipo de estrago no jogo bastante sólida elaborado pela equipa de Ricardo Soares.

 

ANÁLISE TÁTICA – GIL VICENTE FC

Ricardo Soares montou um 4-3-3 com Aburjania recuado no setor do meio-campo para ajudar nos momentos de construção ofensiva.

Na primeira linha, Talocha e Hackman ocuparam as laterais com Diogo e Rúben Fernandes a compor a zona central. No meio-campo, para além de Aburjania, Pedrinho dava largura e Fujimoto apoiava o setor mais avançado no terreno.

No último terço encontravam-se Fran Navarro como homem mais adiantado, com Murilo e Samuel Lino a descer no terreno para “ir buscar jogo”.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Frelih (6)

Talocha (6)

Rúben Fernandes (6)

Diogo (6)

Hackman (6)

Aburjania (7)

Fujimoto (7)

Pedrinho (6)

Samuel Lino (8)

Murillo (7)

Fran Navarro (8)

SUBS UTILIZADOS

Leautey (6)

Matheus Bueno (6)

Jean Irmer (6)

Calero (6)

Bilel (6)

 

ANÁLISE TÁTICA – FC FAMALICÃO

Ivo Vieira montou um 4-2-3-1, com Pêpê e Charles Pickel recuados na linha do meio-campo. Na baliza, manteve-se Luiz Júnior. A linha defensiva foi composta por Alex Penetra e Alexandre Nascimento na zona central, com Diogo Figueiras e Adrian Marín a dar largura nas laterais.

Diogo Figueiras viu-se obrigado a sair do terreno de jogo, devido a lesão, e o técnico dos famalicenses fez entrar De La Fuente, puxando Pêpê Rodrigues para o corredor.

No meio-campo, para além de Pêpê (antes da substituição de Figueiras) e Pickel, Iván Jaime e Ivo Rodrigues davam profundidade nas alas. No centro, Pedro Brazão fazia a ligação de jogo com Simon Banza (que descia bastantes vezes no terreno na ajuda defensiva e na construção ofensiva).

Ainda na primeira parte, Ivo Vieira fez entrar David Tavares e Bruno Rodrigues para dar mais capacidade ofensiva à equipa, mas poucas foram as diferenças notórias.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Luiz Júnior (5)

Diogo Figueiras (5)

Alex Nascimento (6)

Alex Penetra (6)

Adrián Marín (6)

Charles Pickel (5)

Pêpê Rodrigues (6)

Pedro Brazão (5)

Iván Jaime (5)

Ivo Rodrigues (6)

Simon Banza (5)

SUBS UTILIZADOS

De La Fuente (6)

David Tavares (6)

Bruno Rodrigues (6)

Heriberto Tavares (6)

Marcos Paulo (6)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

Gil Vicente FC

Não foi possível colocar questões ao técnico do Gil Vicente FC, Ricardo Soares.

 

FC Famalicão

BnR: Apesar de se apresentar de forma diferente na segunda parte, viu-se um FC Famalicão bastante apático na primeira, o que levou, praticamente, à construção do resultado. O que faltou para melhorar a exibição e a intensidade da equipa?

Ivo Vieira: Faltou tudo. É nítido que, na primeira parte, não estivemos perto daquilo que podemos fazer. O adversário, com mérito, foi melhor em todos os momentos de jogo e teve mérito naquilo que conquistou com os três golos na primeira parte. Fizemos uma primeira parte muito aquém. Fizemos melhor na segunda parte, mas foi quase mais do mesmo. Essa responsabilidade é minha. Perdemos dois jogos de uma forma muito pesada. Não éramos assim tão bons quando ganhámos, não somos assim tão maus como se refletiu hoje aqui. Foi um grande adversário que fez um grande jogo e abordou-o muito bem. O resultado espelhou-se no jogo que o Gil [Vicente FC] fez.