Anterior1 de 4Próximo

A Briosa apagou as velas do seu 131.º aniversário numa posição (16.ª classificada da 2.ª Liga, com apenas uma vitória em sete possíveis) que não condiz com as conquistas do passado nem com os objectivos futuros.

Precisava, por isso, de um abanão. Da primeira vitória em casa. E se é verdade que  entrar determinada em encontrá-la. A cabeça, porém, não acompanhou o coração e a primeira parte foi disputada com muita vontade dos estudantes, mas, também, com muita matreirice do Académico que, sempre que podia, explorava a profundidade em busca de Nsor.

O ganês foi, aliás, o protagonista dos lances mais perigosos dos primeiros 45 minutos: começou por desperdiçar uma “oferta” de Mike, que o isolou perante Peçanha, antes de se envolver em situações de golo (mal) concluídas por Gasilin e Lucas.

A Mancha Negra esteve presente no jogo que assinalou o 131º aniversário da Académica
Fonte: Pedro Machado/Bola na Rede

O segundo tempo foi mais dividido em termos de jogadas de perigo. A Académica entrou com maior clarividência no passe e conseguiu chegar com perigo ao último terço contrário. Faltou, porém, maior pontaria… e um Jonas (guarda-redes viseense) desinspirado. Romário Baldé (foram-lhe tiradas três bolas de golo) e Djoussé (viu Jonas e a trave negarem-lhe o golo).

Pelo meio, o Académico foi solicitando a velocidade dos seus homens mais adiantados e voltaria a estar perto do golo em mais três ocasiões. Numa  delas, conseguiu mesmo balançar as redes – aproveitando a lentidão de Zé Castro e Joel, entrou na àrea da Académica, contornou Peçanha e gelou (ainda mais) o Estádio Cidade de Coimbra com apenas seis minutos de jogo por disputar.

Hugo Almeida ainda entrou, Baldé voltou a estar perto do golo… mas o destino do jogo estava traçado. O Académico voltou a não perder com a Académica (5.ª vez desde que os estudantes caíram para o segundo escalão), e a Briosa ficou debaixo da linha de água, num inimaginável penúltimo lugar.

Na sequência do seu aniversário, esta não era, de todo, a prenda desejada. O Académico foi o convidado de honra… mas trouxe um presente envenenado.

ONZES INICIAIS:
Académica OAF:
Peçanha; Mike, Brendon, Zé Castro e Joel; Ricardo Dias e Guima (Marinho 70’); Jean Filipe (Hugo Almeida 84), Zé Paulo (Traquina 60’) e Romário; Djoussé;

Académico de Viseu FC: Jonas; Tiago Almeida, Kevin Medina, Baumer, Fábio Santos e Lucas (Pica 89’); Paná, Fernando Ferreira (Rui Miguel 60’), Latyr Fall e Paná; Nsor e Gasilin (João Mário 58’).

Anterior1 de 4Próximo

Comentários