A CRÓNICA: Vilafranquense acordou tarde

 

No Estádio António Coimbra da Mota, o Estoril-Praia SAD recebeu a UD Vilafranquense SAD num jogo a contar para a 23.º jornada da Segunda Liga. O jogo começou equilibrado. A equipa do Ribatejo sedou a iniciativa de jogo à equipa do Estoril.

O Vilafranquense SAD apareceu nesta partida muito recuado no terreno e sempre à procura dos contra-ataques e da profundidade dos seus avançados (sobretudo Isidoro). O Estoril Praia SAD assumiu o jogo com bola e procurou desequilibrar a defesa adversária.

As oportunidades na primeira parte foram escassas, mas o Estoril chegou ao golo ao minuto 33. Curiosamente o golo surge num contra-ataque da equipa da linha. Chiquinho recuperou a bola na ala direita, deu para Careca que acelerou e cruzou para o interior da área. O central do Vilafranquense SAD Dirceu falhou a interceção e no coração da área Rafael Barbosa rematou colocado e bateu Josviaki.

Anúncio Publicitário

Uma primeira parte totalmente dominada pelo Estoril. O Vilafranquense fez apenas um remate aos durante toda a primeira parte (e apenas aos 40 minutos). A equipa comandada por Armando Evangelista esteve muito apagada.

Na segunda parte o Estoril foi mantendo o controlo do jogo com bola e chegou mesmo ao segundo golo, na sequência de um penalty convertido por Daniel Bragança. Depois do 2-0 o Vilafranquense SAD foi crescendo no jogo e esteve muito perto de diminuir a diferença. Os últimos 20 minutos pertenceram totalmente à equipa de Armando Evangelista, mas o resultado manteve-se até final. Um bom jogo de futebol no António Coimbra da Mota.

 

A FIGURA

Fonte: Estoril-Praia SAD

Rafael Barbosa – Grande jogo por parte do jogador da formação do Sporting CP. A partir da ala esquerda o jogador de 23 anos causou sempre muitas dificuldades à defensiva ribatejana. Marcou o primeiro golo, esteve envolvido no desequilíbrio que gerou o penalty e foi decisivo na dinâmica ofensiva da equipa.

 

O FORA DE JOGO

Fonte: Liga Portugal

Kikas – Jogo muito apagado do jovem avançado emprestado pelo Belenenses SAD . Poucas foram as vezes que conseguiu causar desequilíbrios na defesa dos estorilistas. Saiu ao intervalo.

 

ANÁLISE TÁTICA: Estoril-Praia SAD

A equipa comandada por Pedro Duarte enfrentou este jogo num esquema de 4-3-3. No meio campo o habitual triângulo com Tembeng como o pivot mais defensivo e Daniel Bragança e Lucas Marques como os médios mais adiantados.

O triângulo era muito dinâmico podendo um dos médios mais adiantados recuar para junto de Tembeng e dar mais liberdade ao outro médio (habitualmente Daniel Bragança). Outra das dinâmicas dos homens do centro do terreno eram as derivações para os corredores permitindo aos alas, Rafael Barbosa e Chiquinho, procurar o espaço interior. Na frente Careca surgiu como a referência central (esteve muito bem a segurar a bola).

Defensivamente a equipa do Estoril Praia SAD defendia com uma linha de três médios mais perto dos centrais.

ONZES INICIAIS E PONTUAÇÕES

Daniel Ferreira (6)

Joãozinho (7)

Lucas áfrico- (6)

Lucas (6)

João Diogo (6)

Tembeng (6)

Daniel Bragança (8)

Rafael Barbosa (8)

Lucas Marques (6)

Chiquinho (5)

Careca (7)

SUPLENTES

Juninho-(6)

Gonçalo Santos-(6)

Miguel Crespo- (-)

ANÁLISE TÁTICA: UD Vilafranquense SAD

A equipa ribatejana entrou na partida com um esquema de 4-4-2, com Isidoro (mais fixo) e Kikas (mais móvel e a derivar muitas vezes para as alas) como os pontas de lança. Na defesa o lateral esquerdo Furlan subia muito mais no terreno enquanto que Izata, o defesa direito, ficava sempre mais recuado perto dos centrais. Defensivamente a equipa aproximava-se de um esquema de  4-5-1 ou 4-4-1-1, com Kikas a descer para uma posição mais recuada.

 

ONZES INICIAIS E PONTUAÇÕES

Josviaki- (5)

Dirceu-(4)

Sparagna-(6)

Diogo Izata-(5)

Filipe Oliveira-(6)

Gustavo Tocantins-(6)

Isidoro-(7)

Ceitil-(5)

Ulisses-(6)

Furlan-(7)

Kikas- (3)

SUPLENTES

Wilson-(5)

Korzun-(5)

Kady-(5)

 

BnR na Conferência de Imprensa

UD Vilafranquense SAD

BnR: O que é que pretendia com a entrada do Wilson logo aos 45 minutos (saída do Kikas) e se esta alteração esteve diretamente relacionada com a melhoria do Vilafranquense na segunda parte?

Armando Evangelista– Não acho necessariamente que o Vilafranquense tenha estado melhor na segunda parte. A entrada do Wilson foi para  visar o ataque ao espaço que o Estoril estava a deixar entre os centrais e os laterias. Esteve muito bem, mas o Kikas também fez tudo o que lhe foi pedido.

 

Estoril-Praia SAD

BnR: Já se sabe alguma coisa sobre a lesão do João Diogo?

Pedro Duarte: Não, ainda não foi avaliado. Em tempo oportuno iremos comunicar a gravidade.

 

 

Foto de Capa: Gonçalo Batista/Bola na Rede