O Estádio José Santos Pinto perfilou-se com uma assistência pouco usual: muito público para receber a equipa B do Sport Lisboa e Benfica. O Sporting Clube da Covilhã num claro bom momento de forma, sete jogos sem perder, pretendia continuar esta sequência, fugindo aos lugares de despromoção que ocupou grande parte da primeira volta.

A equipa B do SL Benfica não trouxe Adel Taarabt até à serra, mas trouxe Krovinovic, com uma clara necessidade de minutos.

Aquilo que se esperava era, acima de tudo, uma manhã de bom futebol, duas equipas com ideias de jogos bem distintas, mas que põem em prática a sua ideologia com bastante eficácia.

O jogo desde cedo começou por revelar esse aspeto. O Benfica era a equipa que mais dominava a posse da bola e o Sporting da Covilhã, muito bem fechado lá atrás, com uma grande coesão defensiva, procurava partir sempre para o ataque em transições rápidas, apanhado os encarnados em contrapé.

Anúncio Publicitário

As dificuldades que o Benfica sentia no último terço do campo na primeira parte eram notórias, principalmente pelo facto de vermos o criativo croata, Krovinovic, a buscar o jogo constantemente perto dos seus centrais.

O Sporting da Covilhã, por outro lado, era claramente a equipa mais perigosa, embora não fosse quem dominava. A partir do corredor do lateral Tiago Moreira saíam as principais jogadas de perigo.

A equipa serrana materializou esta sua estratégia em golos, e de que maneira! Após uma excelente progressão desde o meio-campo com a bola, Diego Medeiros recebe um passe e, sem dominar a bola, remata de primeira. Era o primeiro golo da partida. Um autêntico fuzilamento à baliza de Zlobin! Que grande remate do jogador do Sporting da Covilhã, forte e bem colocado, sem hipóteses para o russo. Um golo bastante importante que foi festejado fervorosamente pelos adeptos covilhanenses.

Se a equipa benfiquista já tinha dificuldades em penetrar a barreira defensiva serrana, agora é que as coisas se iam complicar ainda mais. O Benfica apenas conseguia aproximar-se com perigo da baliza de São Bento através de bola parada; de outra maneira, as coisas simplesmente não fluíam na equipa de Renato Paiva. O resultado de 1-0 ao intervalo era, por isso, justo.

Fonte: Bola na Rede

A segunda parte trouxe um jogo ainda mais entretido. O Sporting da Covilhã claramente mais recuado, ainda assim, sem parar de tentar procurar o segundo golo. A equipa do Benfica mais subida com a linha defensiva mais alta.

A primeira oportunidade de perigo deste segundo tempo coube ao avançado sérvio Saponjic, que, aos 65 minutos, apareceu isolado perante o guarda-redes adversário, mas desperdiçou a oportunidade tentando um chapéu que saiu muito alto.

O Benfica continuava com um domínio avassalador na posse de bola, mas não conseguia descobrir a melhor maneira de quebrar a estrutura defensiva serrana.

O segundo golo do Sporting da Covilhã surgiu aos 70 minutos, depois de Tiago Moreira pressionar um defesa encarnado, que infantilmente perdeu a bola e deixou o jogador serrano completamente isolado perante Zlobin. Tiago Moreira, com uma excelente execução técnica, a picar a bola por cima do guarda-redes russo. 2-0 para a equipa da casa. A coesão a marcar golos neste jogo.

Por incrível que pareça, foi o Sporting da Covilhã quem mais perto esteve de ampliar a vantagem. Gilberto, novamente isolado perante Zlobin, rematou contra o guarda-redes encarnado. A defesa benfiquista esteve muito desconcentrada nesta fase do jogo.

O Sporting da Covilhã cada vez mais confirma o seu bom momento de forma, e frente a adversários teoricamente complicados. Depois de uma vitória em casa frente ao FC Paços de Ferreira, desta vez, a vítima foi a equipa B do SL Benfica. A manutenção é uma realidade na serra.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES

SC Covilhã: São Bento, R.Vieira, Henrique, Adriano (Bonani ’85), Gilberto, Diego Medeiros, Jaime, Tiago Moreira, Kukula (Deivison ’67), Rodrigues e Leandro Pimenta (Semedo ’71) .

SL Benfica B : Zlobin, Krovinovic (Bernardo Martins ’64), Willock, Frimpong, Saponjic (Pedro Henriques ’73), Benny, Kalaica, Nuno Santos, Alex Pinto, Vukotic e Zec.