No que toca a competências, a nossa sociedade tem um problema em reconhecer valor a uma pessoa quando a mesma se enquadra em determinados intervalos etários. Ou seja, se o individuo for jovem e estiver no início da sua carreira (ou ainda não a tenha sequer iniciado) não é aceite, mas se estiver numa faixa etária acima dos 35 ou 40 anos, já está ultrapassado, não se perspetivando nenhum futuro profissional, ou evolutivo.

Concluímos então que a nossa sociedade aceita como capaz de desempenhar funções no mercado de trabalho apenas os indivíduos que se enquadrem num intervalo etário dos 25 aos 35 anos. Isto num plano otimista.

Os mais jovens têm ainda o problema de conseguir experiência profissional. Porque hoje em dia, qualquer empresa que esteja a contratar pede sempre três a cinco anos de experiência, faltando perceber onde querem eles que, quem esteja iniciar a sua carreira, consiga essa mesma experiência, se ninguém se predispõe a proporcioná-la.

No caso dos jornalistas esse problema ficou resolvido assim que apareceu o Bola na Rede, que dá oportunidade aos jovens em mostrar o seu valor, ainda que estes não tenham sequer terminado a sua formação académica, até porque o talento não advém da formação. Esta apenas complementa aquele.

Anúncio Publicitário
Nuno Mendes completou 19 primaveras no presente ano e foi uma das chaves do título
Carlos Silva / Bola na Rede

Já no futebol, quem resolveu esse problema de arranque profissional foi o Sporting CP. Porque não há clube como o de Alvalade para dar oportunidades a jovens para mostrarem o seu valor, sejam eles treinadores ou jogadores. Ou não tivéssemos sido nós campeões com uma equipa recheada de jovens jogadores da academia de Alcochete e de alguns recém-chegados, assim como um treinador mais jovem que alguns dos seus jogadores.

E quanto ao treinador, para além de jovem – como já disse antes – mostrou competência sem o curso de treinador. Porque esse curso só lhe irá validar competências para colocar em prática o talento que já demonstrou. O “canudo” é, portanto, sobrevalorizado, não querendo aqui desvalorizar a formação académica que deve existir sempre.

Para corroborar toda esta teoria, a equipa de futebol do Sporting CP foi então campeã nacional com mais de uma dezena de jovens abaixo dos 23 anos, tendo alguns deles completado há poucas semanas as suas 19 primaveras, isto referindo apenas os que estavam em permanência no plantel principal, comandados por um treinador de 36 anos. Talvez outros com mais experiência não mostrassem tanta competência.

Mas este sinal não foi dado apenas pelo futebol. Também a equipa de futsal iniciou a época desportiva que terminou há poucos dias, tendo como reforços apenas jovens da formação. E o resultado disso foi ganhar todos os títulos nacionais, embelezado com a conquista da liga dos campeões da modalidade.

Zicky Té foi um dos destaques do futsal leonino em 2020/2021
Fonte: Bola na Rede / Carlos Silva

Claro que estes resultados não poderiam ter sido alcançados apenas com os “miúdos”, porque eles precisam de apoio dos mais experientes em determinados momentos. Mas isso mostra apenas que uma equipa, para vencer, precisa essencialmente de indivíduos competentes e talentosos, tenham eles 17, 25, 35 ou 60 anos, “letrados” ou não.

A competência não depende da tua faixa etária, ou do teu nível académico. Depende sim da tua capacidade de trabalho e vontade de aprender. E estes miúdos trabalham como gente grande.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome