Com o aproximar da final da Taça de Portugal, que se irá disputar no dia 25 de Maio, a compra dos bilhetes para o jogo foi, como é normal, intensa. Quando o Sporting CP venceu o SL Benfica em Alvalade, muitos foram os adeptos leoninos que tiveram a vontade de acompanhar a equipa até ao Jamor. Mas como chegar até lá?

A venda de bilhetes para este jogo é sempre polémica, pois a escolha dos parâmetros nunca é consensual, tentando os clubes filtrar da melhor maneira os adeptos fieis ao clube durante a época desportiva. Contudo, a Federação Portuguesa de Futebol é a terceira entidade que vende os ingressos para a final da competição. E é sobre esse organismo que pretendo escrever.

Todos os que já tentaram realizar compras através do site, meio pelo quando a FPF vende os ingressos que disponibiliza, sabe o caos que ocorre. Os servidores não têm capacidade para aguentar tantas pessoas presentes no site ao mesmo tempo. O que acontece é vergonhoso e ninguém alerta. Há inúmeros casos de pessoas que estão prestes a realizar a compra de bilhete, e no minuto a seguir estão em lista de espera. Também ocorrem situações em que se está quase a chegar à altura do início de compra e o site vai abaixo. Quantos não chegaram a estar prestes a efetuar o pagamento e do nada viram-se relegados para o fim da lista de espera?

Nesta situação, os adeptos são os mais prejudicados
Fonte: Sporting CP

Há justiça na forma como se procede à venda de bilhetes do organismo máximo do futebol em Portugal? Não. É uma lotaria. O desrespeito pelo adepto de futebol português é gritante, e nada se faz contra isso. O problema é que esta situação nunca é falada. Não vejo ninguém da comunicação social falar deste tema. Lembro-me que, no ano passado, poucos foram os que conseguiram comprar bilhetes através do site, e quando a Federação anunciou que os bilhetes estavam esgotados, apareceram sites de vendas ilegais com bilhetes a preços exorbitantes. São várias as interrogações e demasiado sério a falta de respeito por quem é consumidor de futebol e faz esta máquina girar.

Em conclusão, considero que esta política de venda tem de ser revista. Ano após ano, o mesmo se repete, e quem é adepto não ganha nada com isto. Se não há capacidade para realizar a venda, não se realiza. Não se deve é brincar com quem faz de tudo para acompanhar o seu clube no dia de festa da Taça e não o poder porque existe incompetência num organismo que deveria ser de total confiança. Melhorias precisam-se.

Foto de Capa: Sporting CP

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários