O plantel leonino possui algumas lacunas a nível de qualidade, quer seja em posições específicas, quer seja no banco de suplentes. Contudo uma das maiores lacunas está na zona mais adiantada do terreno, onde a falta de golos tem-se notado em alguns jogos e como tal, era urgente uma ida ao mercado em busca de um jogador que tivesse o “faro de golo” apurado.

Luiz Phellype tarda em afirmar-se como uma contratação acertada para a realidade do clube de Alvalade, pois apesar de ser um avançado que possui números interessantes, a falta de consistência é um ponto bastante negativo e é um avançado que necessita de algumas oportunidades para introduzir a bola na baliza adversária. Pedro Mendes ainda é jovem e a sua aposta deve ser feita de forma gradual, visto que o jogador nem sequer estava inscrito na liga até ao mês de Janeiro. É uma ótima solução para o conjunto leonino mas ainda não esta preparado para assumir a titularidade.

Por isso a vinda de um avançado como Andraz Sporar, que atuava no Slovan Bratislava da liga eslovaca, era fundamental para “atacar” a presente época, porque apesar do campeonato ser uma luz ao fundo do túnel, o Sporting ainda está presente na Liga Europa e na Taça da Liga. Andraz é um avançado com 25 anos e que possui 1,86m, é internacional pela Eslovénia, tendo 19 jogos e dois golos apontados pela sua seleção.

Andraz Sporar é um jogador que sabe vencer, pois no seu currículo possui dois títulos de campeão e uma taça da suíça, ambos ao serviço do Basileia e foi o melhor marcador do campeonato na conquista da Fortuna Liga, da Eslováquia. É um jogador que precisa de pouco espaço para criar situações de perigo, o que cá em Portugal é fundamental, porque as equipas ditas “pequenas” são exímias na ocupação de espaços e concedem sempre muito pouca margem de manobra aos jogadores das equipas ditas “grandes”.

Para além da sua qualidade a nível da ocupação de espaços e trabalho sem bola, possui bom sentido de oportunidade em frente às balizas adversárias e é um jogador bastante móvel, característica essa que é fundamental nos esquemas táticos de Silas, em que existem dois, três esquemas por jogo, e essa mobilidade concede-lhe a capacidade de adaptação a qualquer tática.

Apesar dos títulos que venceu e da qualidade que apresenta, nunca representou uma liga tão competitiva como a portuguesa e, como tal, esta contratação será sempre uma incógnita, porque existem muitos jogadores que apresentam um excelente rendimento em ligas inferiores e que depois não conseguem “dar o salto” em ligas mais competitivas. Contudo penso que foi um dos melhores movimentos dos últimos tempos, por parte da estrutura liderada por Frederico Varandas, que tem vindo a demonstrar várias debilidades a vários níveis, sendo que a gestão dos acontecimentos relacionados com o clube e a comunicação, quer com os sportinguistas quer com a comunicação social, têm sido desastrosas.

Foto de Capa: Sporting CP

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão 

Comentários