Rúben Amorim, o técnico do Sporting Clube de Portugal, está certamente cansado da pergunta: “São dois avançados suficientes para atacar a nova época que conta com a liga dos campeões?”. O comandante da turma de Alvalade mostra-se decidido e revela uma tremenda convicção de que Paulinho e Tiago Tomás são os únicos elementos necessários para garantir o sucesso dos leões.

Amorim leão, Sporting campeão

Uma coisa é certa: foi com Rúben Amorim a comandar que o Sporting CP voltou, quase 20 anos depois, a vencer o título de campeão nacional. O ex-treinador do SC Braga foi o escolhido para liderar o novo projeto do clube de Alvalade. E a verdade é que conseguiu fazer algo que 19 treinadores diferentes não conseguiram durante 19 anos, e num espaço de tempo bastante curto (um ano e meio).

Olhando por esta perspetiva, seria de esperar que os adeptos sportinguistas se sentissem mais tranquilos quanto a esta questão. Acontece que isso não se verifica. Mesmo com a tremenda confiança apresentada por Rúben Amorim, o homem que trouxe a bonança após uma longa tempestade, os adeptos continuam a questionar-se sobre se não seria melhor ter mais um avançado.

Aos olhos dos sportinguistas, Paulinho e Tiago Tomás não chegam para que o seu clube consiga lutar com garras e dentes por todas as competições em que vai estar envolvido.

Anúncio Publicitário
Rúben Amorim
Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

De um lado a mais, do outro a menos

Ao contrário do que acontece em Alvalade, na equipa de Amorim, no outro lado da 2ª circular há demasiadas opções. Os encarnados, que também vão jogar a liga milionária, têm, neste momento, seis opções para a posição de ponta de lança.

É verdade que estão à procura de um novo clube para Carlos Vinícius e que Darwin Núñez e Haris Seferovic já foram associados a alguns emblemas, mas ainda pertencem ao plantel do SL Benfica. Contam ainda com o recém-contratado Roman Yaremchuck e com o jovem formado no Seixal Gonçalo Ramos. Todos eles já somaram minutos desde o arranque oficial da época, mas as escolhas de Jorge Jesus têm recaído sobre o ucraniano Yaremchuck e o miúdo Gonçalo Ramos. Mas há outro nome que ainda não se estreou em jogos oficiais com a camisola das águias. Rodrigo Pinho, o ex-maritimista que foi anunciado a época passada como reforço encarnado para a época 21/22, ainda não jogou nenhum jogo oficial desde a mudança para a capital.

O treinador amadorense tem seis nomes à disposição, para já, mas é provável que até ao fecho do mercado esses seis nomes fiquem reduzidos a quatro. E mesmo que no fim sejam cinco, não será nenhuma surpresa, pois presume-se que joguem algumas vezes em 4-4-2, em alternativa ao 3-4-3.

Uma alternativa não parece chegar

No caso do FC Porto, Sérgio Conceição tem três avançados à disposição. São eles Toni Martinez, Mehdi Taremi e Evanilson. O espanhol e o iraniano têm sido a dupla de eleição. O brasileiro tem sido opção nos minutos finais. Parece a medida certa. Mas, tendo em conta que os azuis e brancos se apresentam em 4-4-2 na maioria das vezes, ter um só suplente parece pouco. É um caso semelhante ao do Sporting CP, visto que também vão jogar a liga dos campeões.

Taremi (28 anos), do FC Porto, e Paulinho (28 anos), do Sporting CP, são as opções com mais experiência para a posição. Evanilson (21 anos) e Tiago Tomás (19 anos) são as com menos estaleca, mas com mais irreverência. Os dragões contam ainda com Toni Martinez, de 24 anos, um avançado com discernimento e que acrescenta qualidade. Aos leões parece faltar essa opção – alternativa que poderia dar ao bem reforçado plantel maior profundidade e maior facilidade de adaptação a possíveis adversidades.

A crença de Amorim

Rúben Amorim acredita que a fórmula para o sucesso são os dois avançados de raiz que tem no plantel. E, em caso de necessidade, vê Jovane Cabral e Pote como soluções. Tanto o treinador como os adeptos querem a mesma coisa – o sucesso do clube. E se é esta a fé do treinador, só há uma coisa que os adeptos podem fazer: confiar na palavra de Amorim, que muita alegria lhes deu na temporada transata e esperar que, em caso de contrariedades, o melhor marcador da última edição do campeonato, Pedro Gonçalves, as consiga colmatar.

 

Artigo com opinião do redator da secção do Sporting Miguel Rodrigues

Artigo revisto por Andreia Custódio

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome