Começa-se a ver a luz ao fundo do túnel, aproxima-se a data mais aguardada dos últimos tempos pelo universo sportinguista, o emblema verde e branco vai a votos depois de atravessar um dos períodos mais negros da sua história centenária. A época desportiva do Sporting CP começou, com mais dúvidas do que certezas, sob a asa de Sousa Cintra e a sua Comissão de Gestão mas agora a passagem de testemunho fica marcada pelo início estável da formação leonina, que amealhou dez pontos em quatro partidas. Espera-se agora que essa estabilidade se instale de vez e seja transversal a todo o clube com o virar de página que se vai efetuar dia 8.

A sufrágio vão estar seis listas: João Benedito (Lista A), José Maria Ricciardi (Lista B), Frederico Varandas (Lista D), Rui Jorge Rego (Lista E), Dias Ferreira (Lista F) e Tavares Pereira (Lista G), o candidato Pedro Madeira Rodrigues acabou por desistir da corrida durante a última semana. O rol de candidatos é extenso, como há muito não se via em Alvalade, o que por um lado demonstra a vitalidade do clube e permite que os sócios tenham várias soluções diferentes ao seu dispor, por outro lado a existência de tantas opções pode também ter um efeito negativo: os resultados podem ser pouco esclarecedores, dividindo de forma ainda mais fraturante o clube ao eleger um presidente não tão consensual como desejado para um clube tão necessitado de união.

O 12º jogador vai assumir um papel ainda mais decisivo neste fim de semana
Fonte: Sporting Clube de Portugal

Desde a destituição do Conselho Diretivo e posterior marcação de eleições, o Sporting CP continuou a viver um período especialmente delicado e intranquilo, como é já habitual para os lados de Alvalade. Bruno de Carvalho foi uma constante, os nomes de candidatos dispostos a liderar o clube sucediam-se, a divisão interna era evidente e no meio deste turbilhão de instabilidade havia toda uma época desportiva para ser preparada… Como não poderia deixar de ser, um dos grandes protagonistas do período pré-eleições foi Bruno de Carvalho. A sombra do ex-presidente leonino esteve bem presente durante todo o Verão e mesmo depois de ter sido destituído pelos sócios, Bruno de Carvalho tentou avançar com uma candidatura mas sem efeito por estar suspenso de sócio (tal como aconteceu com Carlos Vieira). No entanto, a “assombração” não iria ficar por aqui e continuou bem ao seu estilo, com o teclado a ser uma extensão do seu corpo, Bruno de Carvalho disparou em todas direções: após ser destituído do cargo, chegou a afirmar que se afastaria de vez do Sporting, porém em menos de 24h a desilusão deu lugar às juras de amor eterno ao emblema verde e branco e deixou bem claro que não iria sair de cena tão facilmente.

Sousa Cintra e Jaime Marta Soares foram alvos recorrentes das suas palavras e já nesta última semana Bruno de Carvalho seguiu, mais uma vez, para a “carreira de tiro” e não deixou nenhum candidato em pé: atacou todos e cada um dos candidatos, descredibilizando-os um a um num dos seus posts no Facebook.