SC BRAGA SOMA 3 VITÓRIAS EM 3 JOGOS COM O NOVO TÉCNICO RÚBEN AMORIM

SC Braga e Sporting CP disputam na próxima terça-feira, 21 de Janeiro de 2020, a primeira meia-final da Allianz Cup. Uma final four disputada na cidade de Braga – como tem vindo a ser habitual – poderá trazer alguma motivação extra aos homens, agora liderados por Ruben Amorim. No entanto, os bracarenses até são a equipa que precisam de menos motivação para este jogo. Chegam a esta partida num contexto bem diferentes dos adversários: três vitórias nos últimos três jogos com o novo técnico ao leme, contando com uma boa vitória no Estádio do Dragão, na jornada anterior da Liga NOS. Já o Sporting CP chega a esta partida com a ambição de defender o título que conquista há duas épocas consecutivas. Os homens de Jorge Silas perderam no dérbi lisboeta com o eterno rival SL Benfica e atrasaram-se ainda mais nas contas pelo terceiro lugar – vendo assim o SC Braga aproximar-se do seu quarto lugar na Liga NOS.

UMA VITÓRIA DO DETENTOR DO TROFÉU, O SPORTING CP, NOS 90 MINUTOS TEM UMA ODD DE 3.30. DO QUE ESTÁS À ESPERA PARA APOSTAR?

Nos quatro últimos jogos disputados no formato Final Four da Allianz Cup, o Sporting CP nunca esteve em vantagem no marcador durante os 90 minutos – no entanto, venceu-os todos em grandes penalidades. As duas equipas voltam a defrontar-se na Allianz Cup uma época depois, uma vez mais nas meias-finais da prova. Em 2019, registou-se um empate a uma bola, com os leões a levarem a melhor no desempate por grandes penalidades. As duas equipas já se defrontaram esta época: no Estádio José de Alvalade, o Sporting CP venceu por 2×1, em agosto, em jogo da segunda jornada da Liga NOS. SC Braga e Sporting CP têm um histórico longo de confrontos: já se defrontaram por 147 vezes, com clara vantagem dos leões, que somam 91 vitórias, contra 33 triunfos dos bracarenses. Um SC Braga em crescendo contra um Sporting CP que tem vindo a realizar até algumas boas exibições, mas que não se traduz depois em resultados.

Anúncio Publicitário

COMO JOGARÁ O SC BRAGA?

Desde a entrada de Ruben Amorim no comando da equipa principal do SC Braga que a estrutura mudou – um pouco mais à semelhança do que fez Abel Ferreira na sua passagem por Braga – e trouxe consigo uma ideia de jogo também diferente. É uma equipa que sabe o que fazer com e sem bola. Uma equipa organizada e perigosa em todas as fases do jogo. A equipa tem assentado a sua estrutura inicial num 3x4x3. Em organização ofensiva a equipa monta-se numa espécie de 3x4x2x1 – com os ditos extremos a virem mais para dentro, procurando sobretudo terrenos interiores. Em organização defensiva, a equipa fecha-se em 5x4x1, mantendo o equilíbrio e permitindo recuperar melhor caso os seus extremos se encontrem ainda em fase de transição defensiva. Uma equipa com uma ideia de jogo arrojada e ofensiva, que tem demonstrado claras melhorias e com dinâmicas bem interessantes. No seu processo ofensivo, o lateral direito (Esgaio) poderá ficar mais no apoio enquanto que o lateral esquerdo (Sequeira ou até Galeno) podem permitir maior profundidade.

JOGADOR A TER EM CONTA

Fonte: SC Braga

Paulinho – O avançado tem estado a realizar uma época soberba. Leva 29 jogos esta temporada onde já marcou por 16 vezes. É um avançado pronto a dar o salto para outra equipa e tem estado de pé quente. Nos últimos três jogos marcou por quatro vezes, tendo espaço ainda para duas assistências. Promete dar muito trabalho à defensiva leonina. Um jogador forte com a bola no pé, forte na transição e a procurar a profundidade, coordena-se perfeitamente com os restantes homens que completam a linha ofensiva bracarense. Também é um alvo perigoso nas bolas paradas ofensivas, tal como demonstrou no último jogo diante do FC Porto.

 XI PROVÁVEL

3x4x3 – Matheus; Tormena, Bruno Viana, Raul Silva; Esgaio, Fransérgio, Palhinha, Murilo; Francisco Trincão, Paulinho e Ricardo Horta

COMO JOGARÁ O SPORTING CP?

Jorge Silas tem sido fiel à sua ideia de jogo e à sua estrutura mesmo que faltem peças chave no seu modelo de jogo, e apesar das lacunas que o plantel leonino apresenta. Uma equipa que ainda não poderá contar com Luciano Vietto, deverá assentar sobretudo no habitual 4x2x3x1. Os laterais bem projetados, de modo a garantir largura, com a saída de bola por vezes a três elementos – com um dos médios a baixar para construir, de modo a conseguir ligar o jogo e a jogar de frente – mas sempre com os três homens do meio-campo ofensivo em constante movimento e a procurar sobretudo terrenos interiores e entrelinhas. O treinador poderá promover algumas alterações e alguma rotatividade face ao último jogo, garantindo ainda assim que a equipa se apresente de forma competitiva e que consiga vencer este jogo. Sebastian Coates estará de regresso ao onze após cumprir um jogo de suspensão na Liga NOS.

JOGADOR A TER EM CONTA

Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

Rafael Camacho – Tem estado em melhor nível nas últimas partidas, quer quando salta do banco, quer quando é chamado à titularidade. É um jovem de 19 anos que está em crescimento e quanto mais tempo de jogo tiver, maior e mais rápido será a sua evolução. Podendo jogar em várias posições de ataque e também a lateral direito, é um jovem que pode aproveitar a ausência de Vietto para demonstrar que é uma opção válida e para com isso também ganhar mais ritmo competitivo. Apesar de por vezes demonstrar algumas lacunas na sua decisão, tem demonstrado ser um jogador bastante rápido, ágil e que parte sem medo para o 1×1. Tem também demonstrado alguma competência em jogar com os dois pés e pode ser aqui uma boa surpresa por parte dos Leões.

XI PROVÁVEL

4x2x3x1- Renan; Ristovski, Coates, Mathieu e Acuña; Battaglia, Wendel; Rafael Camacho, Bruno Fernandes, Bolasie; Luiz Phellype.

 

Artigo revisto por Joana Mendes

Comentários