sporting cp cabeçalho 2

Como sempre faço, sendo essa a finalidade deste espaço, escrevo aqui um artigo de opinião, opinião minha. O que não tem que ter nenhuma prova científica ou trabalho de investigação a comprovar o que aqui exponho, mas sim argumentar da forma mais clara e objectiva esses pontos de vista.

É uma opinião sobre factos que surgem e afectam, directa ou indirectamente, o universo Sportinguista, que podem achar credível, ou não, como o fiz eu também com um artigo de opinião que saiu no Jornal “SOL”, onde se descreve o Presidente do Sporting como a pior pessoa (ou coisa) que já aconteceu à Humanidade.

Devo dizer que ao ler aquele artigo fiquei a pensar que qualquer Hitler, Estaline, ou qualquer outro ditador poderiam facilmente ser perdoados comparando com a obra deste facínora que responde pelo nome de Bruno de Carvalho (o do Sporting – porque o outro já mudou de nome).

Depois de ler o referido artigo, decidi mostrá-lo a outro Sportinguista, querendo mostrar-lhe como está bem oleada esta máquina de desestabilização e descredibilização da instituição Sporting e o seu presidente, pergunta-me ele se o referido jornal não tem participação accionista de Álvaro Sobrinho (ou algum tipo de participação deste na administração daquele jornal)…

Anúncio Publicitário

Esta pergunta deixou-me um pouco preocupado, o que não quer dizer que tenha alguma ponta por onde se lhe possa pegar, mas é uma teoria tão válida como a que li e que acima identifico.

Pensei que, se até um jornal que possa ser controlado por alguém que é dono de uma grande fatia accionista do Sporting, deixa sair um artigo desta índole, já poderemos ver com que poder de desestabilização podemos estar aqui a lidar.

Pode-se ainda pensar que esse accionista esteja agora a pensar que será melhor estar ao lado de uma facção menos lutadora, que levante menos ondas, que trabalhe mais atrás dos bastidores, que não crie tanto desgaste, e queira também deixar cair Bruno de Carvalho (o único, a partir de agora).

Alguém que salvou o Sporting da banca rota merecia mais respeito por parte da opinião pública Fonte: Sporting CP
Alguém que salvou o Sporting CP da banca rota merecia mais respeito por parte da opinião pública
Fonte: Sporting CP

Se isto fosse verdade, e olhando apenas cinco minutos para a Comunicação Social que diariamente lança ataques a qualquer movimento que a actual direcção faça, podemos começar a ver o presidente do Sporting a ficar mais isolado e desgastado.

É que nem é preciso essa direcção fazer alguma coisa para que se criem problemas de incompetência, ou atritos internos. Todos os dias sai um.

Os constantes ataque ao Sporting, e principalmente ao seu presidente, mais tarde ou mais cedo, vão desgastá-lo. É muita gente para um só. Porque não existe comunicação social que apresente um artigo a elogiar o trabalho do Senhor Presidente.

Até podem escrever umas linhas em abono do homem, mas para logo a seguir apontarem uma listagem de defeitos e falhas.

Tirando artigos internacionais que elogiem o trabalho dele, apresentem-me um nacional, que tenha saído na nossa isenta comunicação social.

Receio que mais cedo ou mais tarde, aquela vontade de combate que lhe reconhecemos comece a desvanecer e o obrigue a abandonar essa guerra. E também por isso considero que é importante o Sporting ser campeão este ano, para dar alento e expressão ao trabalho feito, permitindo amainar a guerra sanguinária que se abriu contra o Sporting.

Guerra aberta pelos que diziam até há bem pouco tempo que o futebol português precisava de um Sporting forte, um Sporting que lute por títulos. Pois bem, aí o têm… Mas é como em tudo, quando se morre ou se está num estado moribundo, todos passam a ser boas pessoas, e logo que se comecem a tentar levantar se tente pisar e rebaixar.

Isto, quando não se é competente o suficiente para ser bom, tem que se tentar que os outros também não o consigam ser. É o querer que se lute sempre por um nível baixo, sem que se esforcem para melhorar o que se tem.

Se está bom assim (para alguns), para quê mudar?

Alguém que cometeu o "crime" de trazer Jesus para o Sporting tem que pagar por isso, certo? Fonte: Sporting CP
Alguém que cometeu o “crime” de trazer Jesus para o Sporting tem que pagar por isso, certo?
Fonte: Sporting CP

Devo dizer que me incomoda ter de estar constantemente aqui a tentar defender alguém que eu considero ter conseguido que o Sporting ainda hoje exista, ou que para sobreviver não tenha que ter mudado de número fiscal e passar a ser chamado de “Sporting XXI” e passado a jogar nas distritais.

A opinião é minha, deixo-a para quem quiser ler porque me forneceram este espaço para a dar, e não tenho intenção de a impor a ninguém, mas acho que só quem tiver uma visão mesmo muito turva, ou for mal-intencionado não vê mérito no trabalho de quem o tal artigo do “SOL” quis descrever como um mostro, o pior dos monstros.

Enquanto o Sporting se mantiver no topo da tabela, esta enxurrada de informação anti Sporting vai continuar a aumentar, só sendo travada depois de conseguirem enviar o clube novamente para o poço de onde foi tirado.

Assim sendo só vejo duas opções. Ou os Sportinguistas se conseguem alhear desta contra-informação e admitem o excelente trabalho feito até agora apoiando a actual direcção, ou o Sporting é obrigado a ganhar já o campeonato (se se puderem aliar estas duas opções, melhor.)

Se assim não for, poderemos perder alguém que tanto lutou para agora podermos ter a equipa e o clube que temos.

PS: Relativamente ao último episódio de alegado desvio de reforços (que não me parecem ter qualidade para reforçar a nossa equipa), vindo de onde vêm, e sendo sempre o mesmo clube de origem e o mesmo clube de destino, diria que o problema não está na capacidade de negociação do Sporting… Entendam como quiserem, e se quiserem acreditar lá no lacaio da madeira também são livres de o fazer.

Foto de Capa: Sporting CP

 

 

Artigo anteriorA Liga do Sr. Proença
Próximo artigoFeirense 2-0 FC Porto: Teste para Peseiro ver
Nascido no seio de uma família adepta de um clube rival, criou ligação ao Sporting através de amigos. Ainda que de um meio rural, onde era muito difícil ver jogos ao vivo do clube de coração, e em tempos de menos pujança futebolística, a vontade de ser Sporting foi crescendo, passando a defender com garras e dentes o Sporting Clube de Portugal.                                                                                                                                                 O Nuno não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.