Querido Pai Natal,

Antes de mais, é bom voltar a falar contigo depois de tantos anos. Como vês, ainda tenho a tua morada bem guardada mas desta vez não venho com a mesma lengalenga de anos anteriores. Nada de brinquedos, jogos ou futilidades e é por isso que volto a endereçar-te estas palavras nestas mágicas linhas que tanta felicidade distribuem.

Chegou o tempo de pedir, pelo menos é para isso que serve esta carta, e segundo consta, pedir não custa. No entanto, aprendi também que este é tempo principalmente de dar e isso também não custa nada. A quem o digo, não é? A ti que não fazes outra coisa senão dar e oferecer sem receber nada em troca. Por isso mesmo quero começar esta carta por dar algo também, quero oferecer alguns dos pedidos que esta carta me concede. Só te peço que os embrulhes da forma mais bonita possível e depois os entregues tal e qual como fazes todos os anos, com essa eficácia tremenda, qual Bas Dost vestido de vermelho. Horrível visão esta agora… Adiante!

Primeiramente, quero que cumpras todos os desejos e realizes todos e cada um dos inúmeros pedidos que recebes, especialmente aqueles de todos os que nem esta carta te conseguem escrever mas que o fazem em pensamento, sobretudo nestes dias. Sei que estás atento a tudo isso e ajudarás aqueles que mais o precisam. Solidariedade é o primeiro presente que aqui peço para oferecer.

Tenho agora de colocar a Bola na Rede e falar-te de futebol mas sem deixar para trás o espírito nobre que devia ser apanágio de todo o ano e não só nestes dias. Aliás, quero falar-te de algo que ultrapassa o nosso querido desporto-rei. Há um nome, que espero que esteja na lista certa, que precisa da tua ajuda. Acho que o Nuno Pinto, jogador do Vitória FC, merece um belo presente este ano, estamos todos a contar contigo. O futebol é, unicamente, a coisa mais importante das coisas menos importantes da vida. É pena que só tenhamos essa noção quando brotam casos como este. Se puderes, coloca um pouco – bastante grande – de juízo e bom-senso no sapatinho de todos os intervenientes do nosso futebol, ficaria também agradecido, confesso.

Permite-me agora ser um pouco mais egoísta, até porque nós, sportinguistas, temos estado na lista dos bem comportados, pelo menos, ultimamente. Não tem sido assim ao longo de todo o ano, tenho consciência disso. Assim sendo, assumo também a responsabilidade de o dizer em nome de todos os sportinguistas, este ano o que te peço é nada mais e nada menos que paz. Uma paz branca e pura que se misture com o nosso verde listado e seja duradoura e transversal a todo o clube. Com ela virá também a união da família sportinguista, algo a que estas datas tanto convidam e algo imperativo para rugir a uma só voz.

Pede-se uma forte união no universo verde e branco
Fonte: Sporting CP

Obrigado, já agora, pela prenda antecipada. O “duende” holandês que enviaste está a devolver o entusiasmo às bancadas numa época em que tudo parecia ser uma daquelas páginas, deixadas propositadamente em branco, que principiam os livros para só depois dar início efetivo à prosa, ou, neste caso, à poesia.

Peço-te coisas simples: que a alegria no relvado não cesse, que o prazer transborde para as bancadas e que invada também o pavilhão João Rocha e a sua quadra. Sim, queremos espetáculo. Um Adrien no sapatinho também seria bem-vindo e não te vou mentir, queremos muitos títulos e troféus, de todos os formatos e cores possíveis, seja nas modalidades ou no futebol. E claro, continuamos a querer aquela prenda que está esquecida algures desde 2002 mas que todos os anos é recorrente em cartas esperançosas e por isso esverdeadas como esta.

Mas acima de tudo e de qualquer outra coisa, peço-te aquilo que te peço sempre: saúde. Para todos, para os que têm o coração verde, para os restantes corações coloridos pelo futebol mas também para os que o têm descolorido e se apaixonam por outras coisas. O futebol será sempre só um jogo ou até mais do que isso, às vezes parecerá uma questão de vida ou morte e noutras será muito mais do que isso também. No fundo, oferece-nos saúde para que todos possamos continuar a desfrutar dele, com as nossas cores, a cada dia, nos vários desportos e em cada jogo.

Um feliz natal para todos e para ti também, Pai Natal.

Foto de Capa: Sporting CP

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários