Anúncio Publicitário

sporting cp cabeçalho 1O Sporting CP regressou ao Estádio da Madeira – local onde perdeu pela única vez no campeonato – sabendo que no caso de pontuar frente ao CD Nacional voltaria a assumir a liderança isolada do campeonato português. Ultrapassadas as ameaças de novo adiamento de uma partida do Nacional devido ao nevoeiro, os leões apresentaram-se no relvado com uma novidade no onze. Jorge Jesus “corrigiu” o erro do jogo frente ao Rio Ave e deixou Teo no banco, sendo Ruiz o parceiro de ataque de Islam Slimani.

Após a exibição triste e sem cor na passada segunda-feira em Alvalade, o jogo na Choupana começou da melhor maneira com um grande cabeceamento de Slimani, correspondendo da melhor forma ao primeiro canto da partida. Aos três minutos, Super Sli dava ao Sporting a  liderança no jogo e no campeonato; o golo madrugador deu tranquilidade à equipa de Jorge Jesus na partida, acabando por mostrar um registo de jogo que já não se via desde a vitória em Paços de Ferreira.

Com Ruiz próximo de Slimani e Bruno César na esquerda, o Sporting era uma equipa mais entrosada e móvel, colocando desta forma a defensiva insular em sentido e criando muito perigo para Gottardi. Perto dos vinte minutos, Slimani isola Ruiz, que bate o guardião da equipa da casa, mas a equipa de arbitragem anula (mal) o golo do costa-riquenho.

Anúncio Publicitário

Do lado insular, Willyan e Salvador eram insuficientes para contrariar o ímpeto dos leões, tentando em velocidade surpreender a defesa leonina. William Carvalho voltou a estar bem nesta primeira parte, melhor no capítulo defensivo do que a construir jogo, algo que ficava sempre a cargo de Adrien Silva, Ruiz e João Mário. Sinal positivo também para João Pereira, muitas vezes o “patinho feio” da equipa de Jorge Jesus mas que conseguiu entrosar-se nas jogadas de ataque dos leões.

Até ao intervalo, registo apenas de um remate ao lado de Carlos Mané, que substituiu o lesionado Bruno César, não aproveitando da melhor forma um passe de morte de Slimani.

Slimani  - sempre ele - voltou a dar vantagem aos leões Fonte: Sporting CP
Slimani – sempre ele – voltou a dar vantagem aos leões com um excelente golo de cabeça
Fonte: Sporting CP

O reatamento da partida trouxe poucas novidades para o jogo; o Sporting continuou a ser dominante, não deixando a equipa de Manuel Machado sair com a bola controlada do seu próprio meio-campo. Com dez minutos disputados, Bryan Ruiz – já dentro da área do Nacional – faz um túnel a Rui Correia, que acaba por cortar a bola com a mão; na transformação da grande penalidade Adrien bate Eduardo Gottardi e coloca os verdes-e-brancos ainda mais na frente do jogo. O jogo acabou por ficar fechado e a equipa alvinegra – uma sombra do Nacional doutras épocas – cada vez mais desconcentrada ofereceu mais um golo aos leões, desta vez apontado por João Mário, após remate à barra de Islam Slimani.

Com o terceiro golo, os leões acabaram por baixar os níveis de intensidade na partida, baixando a pressão perto da área de Gottardi e gerindo a posse de bola, passando a jogar mais em contra-ataque. Jorge Jesus aproveitou para fazer descansar Adrien e Zeegelaar, colocando em campo Aquilani e Schelotto, e foi mesmo o italo-argentino que conseguiu ganhar (mais) um penalti – a falta de Sequeira foi fora da área -, dando a oportunidade a Slimani de bisar na partida e aproximar-se de Jonas na lista de melhores marcadores.

Vitória justíssima dos leões, e por números que se adequam ao que se passou em campo. O Sporting voltou a responder de forma positiva a uma deslocação que poderia ter contornos complicados e, à semelhança do que se passou em Paços de Ferreira, a mostrar que é uma equipa preparada para lutar até ao fim pelo título.

A Figura:

Islam Slimani – Começam a faltar as palavras para descrever a entrega ao jogo do avançado argelino. Slimani é um exemplo de trabalho, de dedicação e esforço, com o bónus de ser o melhor avançado do Sporting desde a saída de Liedson. Uma injustiça será feita se castigarem o ponta de lança leonino.

O Fora-de-Jogo:

CD Nacional – Vir jogar à Choupana foi, durante muitas épocas, um momento de aflição para o Sporting CP e para qualquer equipa do campeonato português. Esta equipa insular é uma fraca imagem do Nacional que contava com Rúben Micael, Benaglio, Salino, Mateus ou Rondón.

 

Foto de Capa: FPF

 

Anúncio Publicitário