A CRÓNICA: O DUELO DO AÇOR E DO LEÃO ONDE O SPORTING LEVOU MESMO A MELHOR

Este final de tarde solarengo, na ilha de S. Miguel, voltou a trazer adeptos para mais uma grande tarde de futebol. Em jogo estava a disputa dos três pontos entre o CD Santa Clara e Sporting CP para a quinta jornada da Primeira Liga. Um jogo importante para ambas as partes, uma vez que o clube açoriano vinha da sua primeira derrota do campeonato, frente ao FC Paços Ferreira, e o clube leonino de um empate, frente ao FC Porto.

A primeira parte ficou marcada por um Sporting superior, a conseguir chegar com mais facilidade à baliza do Santa Clara. No entanto, o guardião das redes do clube açoriano, Marco Pereira, manteve-se atento e defendeu com exatidão cada lance. Mesmo com a atenção redobrada, a infelicidade chegaria aos 19 minutos: Pedro Gonçalves inaugura o marcador.

A equipa vermelha e branca mostrava algumas dificuldades na defesa, deixando espaço suficiente para haver linhas de passe para a equipa leonina. A superioridade numérica não perduraria por muito tempo. Thiago Santana, aos 41 minutos, aproveita uma saída em falso de Adán e fica sozinho, de frente para a baliza. Com isto, empata a partida mesmo antes do intervalo.

Anúncio Publicitário

A segunda parte trouxe um Santa Clara mais agressivo e coeso defensivamente. O clube açoriano conseguiu criar maior linha de passe entre si, tornando o jogo mais dinâmico e com maior linha de passe.

Aos 80 minutos, Marco Pereira cedeu à pressão, mesmo com o seu defesa atento ao lance. Saiu demasiado cedo da baliza e deu a oportunidade a Pedro Gonçalves de fazer o 2-1.

Apesar de mais algumas tentativas de chegar ao empate, a equipa de Daniel Ramos não conseguir ser feliz e acabou por somar a segunda derrota do campeonato. Já o Sporting levou para casa os três pontos.

 

A FIGURA

Pedro Gonçalves – O médio leonino teve um desempenho exemplar neste jogo. Pote bisou na partida e acabou por colocar o Sporting no 2º lugar na tabela classificativa, chegando aos 10 pontos e mantendo o historial de, até ao momento, não ter perdido nenhum jogo.

 

O FORA DE JOGO

Marco Pereira – O guarda redes açoriano não esteve à altura do desempenho a que nos habituou. O intitulado pelos adeptos como “mão de ferro” teve uma má abordagem ao lance do segundo golo do Sporting, que definiu o desfecho da partida.

 

ANÁLISE TÁTICA – CD SANTA CLARA

Daniel Ramos jogou com o esquema tático 3-4-1-2. Tassano e Sagna mostraram maiores dificuldades perante Nuno Santos e Pote. Santa Clara marca no final da primeira parte contra a corrente do jogo. Na segunda parte, Daniel Ramos transforma o esquema tático e adota um 5-4-1. Essa escolha trouxe uma melhor ocupação do espaço, que estava a ser aproveitado pelos leões na primeira parte.

 

ONZE INICIAL E PONTUAÇÕES

Marco (4)

Fábio Cardoso (5)

João Afonso (5)

Mansur (4)

Lincoln (5)

Carlos Jr. (6)

Thiago Santana (6)

Costinha (5)

Anderson Carvalho (5)

Tassano (5)

Sagna (5)

SUBS UTILIZADOS

Osama Rashid (5)

Néné (5)

Rafael Ramos (4)

Jean Patrick (-)

Shahiryar (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – SPORTING CP

Rúben Amorim adotou o esquema tático 3-4-3 e utilizou o mesmo onze do último jogo, frente ao FC Porto. O Sporting entrou melhor no jogo. O golo surgiu depois de um período de supremacia dos leões com o Santa Clara a não acertar as marcações.

 

ONZE INICIAL E PONTUAÇÕES

Adán (6)

Zouhair Feudal (5)

Sebastián Coates (5)

Nuno Mendes (7)

João Palhinha (7)

Matheus Nunes (7)

Nuno Santos (7)

Neto (6)

Pedro Porro (7)

Pedro Gonçalves (8)

Jovane (6)

SUBS UTILIZADOS

Sporar (4)

Tiago Tomás (5)

João Mário (6)

Gonçalo Inácio (4)

 

 

BnR NA CONFERÊNCIA

 

CD Santa Clara

BnR: O que faltou para a equipa agarrar o empate que acabou por escapar ao cair do pano? Na segunda parte, a equipa veio mais coesa defensivamente. O que mudou taticamente?

Daniel Ramos: Faltou não ter cometido erros. Erros fazem parte do jogo, estamos aqui para isso. Estamos desagradados com o resultado. Esperávamos outro resultado, pelo menos um ponto.

Quanto à segunda parte do jogo, mudamos os posicionamentos. Colocamos Thiago Santana no corredor central e jogamos com 3 avançados e baixamos dois deles. Adotar o 5-4-1 fez-nos ter uma melhor ocupação de espaço, linhas mais perto, jogadores mais perto do espaço que o Sporting estava a aproveitar na primeira parte.

Sporting CP

BnR: Qual a análise que faz do jogo?

Rúben Amorim: Foi um jogo de sentido único. Na primeira parte estivemos com boa dinâmica. Tivemos oportunidade de fazer golo. Mesmo ao sofrer o golo antes do intervalo, a equipa, apesar de jovem, não sentiu o golo. Os jogadores que entraram deram força ao jogo e fomos forte nas transições. O Santa Clara estava a querer sair e não deixamos.

Artigo revisto

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome