ÚLTIMA HORA:

CD Santa Clara 3-2 Sporting CP: Dos Bravos reza a história

O estádio de S. Miguel abriu portas para a 17ª. Jornada, na primeira sexta feira do ano, para a partida entre CD Santa Clara e o Sporting CP.

O Santa Clara vem de uma derrota na ultima jornada mas, em casa, tem se mostrado confiante e conseguiu arrecadar os 3 pontos nas últimas duas jornadas em casa. Por outro lado, temos um Sporting com melhor defesa do campeonato que promete dificultar o trabalho para a equipa açoriana.

A primeira parte começava e o Santa Clara entrava a pressionar bem e a conseguir mostrar-se seguro e confiante. O Sporting não se deixa levar e tenta, também pressionar.

Essa pressão dos leões viria a dar frutos quando, na primeira oportunidade de golo, aos 10 minutos, Mansur faz um corte e Palhinha, que estava no lugar certo à hora certa, remata a seco, Marco ainda tenta defender mas a pouca visibilidade não lhe permitia ver a direção da bola e o Sporting inaugura, assim, o marcador.

O clube de Lisboa não perde tempo e volta a ameaçar as redes dos bravos. Depois de um corte de Mansur, que dá origem a canto, Nuno Santos tenta rematar mas a bola não entra sai e acaba por sair muito por cima.

Apesar do Sporting tentar manter-se por cima da partida, os açorianos mantinham a calma e procuravam controlar o jogo. Esse controlo viria a mostrar efeito quando Mansur recebe a redondinha para Lincoln, que aponta para Jean Patric e, este, para Rui Costa mas não chega a tempo  e a bola acabaria por sair pela linha de fundo.

Pouco tempo depois, os bravos açorianos ameaçavam e numa saída de bola, Lincoln na direita espera por Jean Patric que cabeceia e faz o golo do empate aos 30 minutos. Momentos depois Palhinha ainda ameaça mas sem efeito, o empate manteria-se ao intervalo.

A segunda parte começava e o ritmo mantinha-se. O Santa Clara entraria a pressionar e a ir contra as transições do Sporting. Este não baixa a guarda e Sarabia confirma isso. Aos 5 minutos do início da segunda parte, recebe a bola de Pedro Gonçalves e de pé direito marca o segundo golo.

A resposta do Santa Clara seria imediata. Lincoln passa para Jean Patric que atrasa, novamente, para Lincoln e este faz o golo do empate.

Após os golos, a partida acabaria por ficar mais partida, mas sem baixar o seu ritmo. Prova disso é um erro de Esgaio que viria a ser prejudicial para os verdes e brancos. Lincoln aproveita o momento, apanha a bola, conduz à grande área, espera por Ricardinho que remata de forma incrível e faz o terceiro golo na partida.

Já nos momentos finais da partida, um pisão de Bragança a Ricardinho leva o árbitro a tirar o cartão vermelho do bolso e este acaba por ser expulso sem grandes oposições.

Paulinho ainda tentaria a sua sorte mas não era o dia dele e acabaria por falhar. O apito final soava e um resultado histórico ficava marcado na história do futebol português não só pelo resultado mas, também, pela qualidade durante toda a partida.

 

A FIGURA

Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

Lincoln – O mágico 10 do Santa Clara foi importantíssimo na partida. O brasileiro esteve presente em momentos fulcrais para a equipa onde conseguiu uma assistência e um golo. Sem dúvida que todo o esforço e dedicação tem dado frutos no craque da equipa açoriana.

 

O FORA DE JOGO

Ricardo Esgaio
Fonte: Sebastião Rôxo / Bola na Rede

 

Esgaio – O defesa dos leões esteve desatento e com algumas falhas durante a partida que acabariam por prejudicar a sua equipa em alguns momentos cruciais como, por exemplo, aquando do terceiro golo dos açorianos na segunda parte.

 

ANÁLISE TÁTICA – CD SANTA CLARA

Tiago Sousa, técnico interino dos açoriano, procurou manter o habitual esquema tático. Marco Pereira à sua frente contou com quatro homens. Mansur à esquerda, Boateng e João Afonso como dupla de centrais e Pierre Sagna à direita para maior mobilidade. Morita e Anderson Carvalho ajudavam a construir jogo. Lincoln e Rui Costa ajudavam a procurar oportunidades. Jean Patric era o homem da velocidade e Cryzan que ao estar mais solto, tinha mais liberdade para avançar no terreno.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Marco Pereira (5)

Mansur (6)

Boateng (3)

João Afonso (4)

Pierre Sagna (4)

Anderson Carvalho (4)

Morita (3)

Jean Patric (6)

Lincoln (6)

Rui Costa (5)

Cryzan (5)

SUBS UTILIZADOS

Ricardinho (6)

Bouldini (3)

Paulo Henrique (-)

Néné (-)

Julio Romão (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – SPORTING CP

Adán à sua frente contava com Neto, Coates e Matheus Reis. Apesar de focados na partida alguns erros acabaram por serem prejudiciais e fizeram com que a equipa da casa levasse a vantagem. O trio de ataque composto por Pablo Sarabia, Paulinho e Pedro Gonçalves, funcionou bem mas não foi suficiente para alterar o resultado final. Ainda assim, a equipa tentou de tudo até ao apito final.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Adán (5)

Neto (4)

Coates (6)

Matheus Reis (5)

Ricardo Esgaio (3)

Matheus Nunes (5)

Palhinha (4)

Nuno Santos (5)

Pedro Gonçalves (6)

Paulinho (5)

Sarabia (6)

SUBS UTILIZADOS 

Tabata (5)

Daniel Bragança (4)

 

 

 

 

 

 

 

 

Componente 5 – 1 (1)

A Raquel vem dos Açores, do paraíso no meio do Oceano Atlântico. Está a concluir a licenciatura em Estudos Portugueses e Ingleses. Guarda os clássicos da literatura, a Vogue e os jornais desportivos na mesma prateleira.                                                                                                                                                 A Raquel escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

A Raquel vem dos Açores, do paraíso no meio do Oceano Atlântico. Está a concluir a licenciatura em Estudos Portugueses e Ingleses. Guarda os clássicos da literatura, a Vogue e os jornais desportivos na mesma prateleira.                                                                                                                                                 A Raquel escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

[my_elementor_post_nav_output]

FC PORTO vs CD TONDELA