A estes dois nomes pode-se também juntar Mathieu e outros, mas a verdade é que já faz muito tempo que o Sporting não acertava tanto em contratações no Verão como o fez este ano.

Foi um acréscimo tremendo de raça, de vontade e experiência que deu um boost à equipa do Sporting, razão pela qual nos encontramos a disputar todas as frentes onde inicialmente nos propusemos ganhar (sim, mudámos da Liga dos Campeões para a Liga Europa, mas mesmo assim estivemos muito bem).

Se de início havia desconfiança com a condição física de Fábio Coentrão, a cada jogo que passava, se ganhava a certeza que o raçudo caxineiro iria voltar à forma que o trouxe à ribalta. Agora é vê-lo fazer pressing ao guarda-redes aos noventa minutos quando o resto da equipa já não tem mais força.

No que toca a Bruno Fernandes, foi muito rápido o processo de adaptação ao clube e é vê-lo jogar noventa minutos após noventa minutos (duas vezes por semana) e juntamente com o Coentrão, serem os dois jogadores que mais correm atrás da bola nos finais dos jogos.

Anúncio Publicitário
Não existem palavras suficientes para descrever os atributos de Bruno Fernandes. Um jogador que chegou, viu e venceu
Fonte: Sporting Clube de Portugal

Com Coentrão ganhámos raça, experiência e um querer inacreditável. Tenho de dar o braço a torcer perante este jogador… quando chegou, achei que já não tinha condições físicas e anímicas para representar um grande clube, mas a verdade é que recuperou a alegria de jogar e, pessoalmente, gosto de jogadores que querem ganhar tanto como o Fábio quer. Gosto de jogadores que ficam furiosos consigo mesmos quando a exibição não é tão boa ou conseguida como aquilo que eles sabem fazer. Gosto daqueles que procuram sempre dar o seu melhor.

Já com Bruno Fernandes, ganhámos o mesmo que com Coentrão e ainda mais. Classe, perfume no futebol, pontapés de longa distância e um “capitão sem braçadeira”. Não é muito normal ver um jogador com 23 anos com a maturidade que Bruno Fernandes demonstra… e a liderança dele em campo é inquestionável… vê-lo a corrigir os colegas, a incentivar, a puxar pelo público, a correr atrás de cada bola como se fosse a última, a “discutir” as decisões do árbitro sempre defendendo os interesses do Sporting, é algo inexplicável. É um “espetáculo dentro do próprio espetáculo”.

E se a esta “dupla de aço” juntarmos Mathieu, Piccini, Battaglia… vimos que o mercado de Verão foi dos mais acertados de que há memória na história verde-e-branca.

Foto de Capa: Sporting Clube de Portugal