milnovezeroseis

Caro leitor,

Com a conquista, há cerca de duas semanas, do Campeonato Nacional por parte do Benfica, facilmente se cai na falácia de pensar que a principal competição de clubes em Portugal teve um termo, que deixou de interessar. A juntar a esta realidade advém o facto de, para as hostes leoninas, estar, também, tudo decidido – o 2º lugar já não foge, assim como a entrada directa na Liga dos Milhões. É inexequível refutar que tudo o que atrás foi dito é a mais pura das verdades – é o real -, mas, a meu ver, as duas jornadas que restam jogar, assim como o tempo que ainda vai até ao início do Mundial do Brasil, ainda trazem alguns aliciantes para o Sporting Clube de Portugal.

Em primeira instância surge o facto de o clube do leão ainda defrontar dois emblemas do top five da presente edição do Campeonato. Estoril e Nacional realizaram um campeonato exímio, com destaque óbvio para a equipa de Marco Silva, que se afirmou como uma certeza do futebol português. Um nome e uma equipa definitivamente a ter em conta. Se atendermos ao facto de que, na primeira volta, quer contra o Nacional,de Manuel Machado, quer contra o Estoril, o Sporting não conseguiu alcançar os 3 pontos (empate a zero na Amoreira e em Alvalade, no jogo que representou o cume da obra-prima de Manuel Mota), levar de vencidas ambas as equipas ganha um significado especial.

Na primeira volta, Estoril e Nacional representaram duas pedras no sapato do leão  Fonte: zerozero.pt
Na primeira volta, Estoril e Nacional representaram duas pedras no sapato do leão
Fonte: zerozero.pt

De seguida, importa dizer também que a alguma “folga” com que o Sporting pode encarar os dois jogos que se avizinham – apesar de a vitória ter de ser um objectivo, é inegável que o Sporting, à partida, entrará em campo sem nervosismos – benefeciaalguns jogadores menos utilizados e de valores em possível ascenção na equipa B. Jogadores como Iuri Medeiros, Ricardo Esgaio ou até Wilson Eduardo podem aproveitar da melhor forma os jogos com Estoril e Nacional para mostrar serviço. Quem sabe se futuras boas exibições de Medeiros, Esgaio ou Dramé (em evidência nos bês) não abrem caminho a uma integração na equipa principal já na próxima temporada.

Por fim, mas não menos fulcral, as partidas com canarinhos e insulares servirão indubitavelmente para “pôr a limpo” que jogadores leoninos poderão marcar presença no Campeonato do Mundo, que se aproxima. Do lado português estão na calha Rui Patrício (uma certeza), Cédric Soares (uma possibilidade relativamente forte), Adrien Silva (uma possibilidade em que Paulo Bento teima em não apostar), William Carvalho (uma forte possibilidade), André Martins (uma fraca possibilidade) e Carlos Mané (uma possibilidade, também, e que tem vindo a ser notícia precisamente devido a uma possível eleição para os 23). Do restante plantel leonino restam Marcos Rojo (uma certeza, ao serviço da selecção das pampas) e Islam Slimani, que marcará certamente presença na equipa da Argélia.

Comentários