Apesar de carecer de informação oficial por parte do Sporting CP, são vários os órgãos de comunicação social que nesta madrugada noticiariam o despedimento de José Peseiro do comando técnico da equipa leonina. Uma saída que peca por tardia, que seria de esperar que acontecesse mais tarde ou mais cedo, sendo praticamente inevitável. José Peseiro não terá resistido ao desaire caseiro a contar para jogo da Taça da Liga, por 1-2 diante o Estoril.

Apesar dos resultados menos bons diante do Estoril e do Portimonense, a nível global os resultados foram minimamente satisfatórios, mas o futebol apresentado é fraco, não dá garantias de presente nem de futuro e chegar a Outubro com apenas um ou dois jogos de melhor qualidade, é muito curto para quem tem as ambições do Sporting CP. Juntou a falta de qualidade do futebol praticado a um discurso menos feliz, com várias situações caricatas, sem conseguir impor a autoridade necessária no clube.

José Peseiro nunca reuniu o consenso no reino do leão e nesta sua segunda passagem por Alvalade, a onda de contestação ao trabalho do treinador começou a notar-se após a derrota frente ao Portimonense e tem vindo a subir de tom, com o final do encontro com o Estoril a ficar marcado, uma vez mais, por assobios e lenços brancos para o técnico, que tinha sido uma escolha do presidente da Interino da SAD José Sousa Cintra que numa recente entrevista também deixou críticas à forma como Peseiro abordou sobretudo a política de contratações.

José Peseiro deixa Alvalade com 14 jogos, nove vitórias, um empate e quatro derrotas. Surgem como nomes fortes para substituir o técnico Paulo Sousa, Leonardo Jardim ou até mesmo Jorge Jesus. No entanto, é preciso ter em conta a realidade leonina e a conjuntura que se vive.

José Peseiro foi alvo de forte contestação por parte dos adeptos, chegando a ouvir assobios e a ver lenços brancos, não resistindo ao descontentamento dos sócios e adeptos
Fonte: Sporting CP

Apesar dos nomes já referidos e que reúnem mais consenso na SAD leonina, irei deixar alguns dos nomes que gostava de ver ao leme do clube: Paulo Fonseca, André Villas Boas e o já referido Leonardo Jardim. Uns quase impossíveis – como Paulo Fonseca – mas já foi provado no passado recente com a chegada de Jorge Jesus que é possível puxar os cordões à bolsa por um treinador sem desequilibrar as contas. É necessário para o projeto um nome com credibilidade. Para além destes 3 nomes que considero mais fortes, existe ainda Jorge Jesus, Rui Faria, Rui Jorge e sem esquecer Abel. Gosto de Miguel Cardoso e de Silas, mas neste momento era um tiro no escuro, correndo demasiados riscos. Existem ainda alguns treinadores estrangeiros como Ranieri ou Peter Bosz que estão sem equipa, mas a escolha deverá recair sempre por um treinador português. É necessário arrumar a casa.  O presidente Frederico Varandas, tem aqui em mãos a sua primeira grande decisão e é importante a escolha de um treinador a longo prazo e escolher a carta certa.

Anúncio Publicitário

José Peseiro foi a primeira chicotada na Liga Portuguesa na presente época, deixando o Sporting CP em quinto lugar a dois pontos dos líderes FC Porto e SC Braga. Existe então muita expetativa para ver quem será o próximo homem forte do futebol leonino, sendo que o próximo jogo dos leões é no próximo domingo, dia 4 de Novembro, em São Miguel nos Açores, contra o surpreendente Santa Clara.

Foto de Capa: Bola na Rede

artigo revisto por: Ana Ferreira

 

Comentários

Artigo anteriorRui Vitória: contestado e insultado
Próximo artigoO renascimento de Óliver!
Estuda Jornalismo na Escola Superior de Comunicação Social. Apaixonado pelo desporto, mas em especial pelo futebol e pelo Sporting Clube de Portugal. Tem um gosto especial por analisar e entender, os vários aspetos tácticos presentes num jogo de futebol. Tem ainda a ambição de se formar em Jornalismo Desportivo e de ser Treinador de Futebol. Por enquanto, mete sobretudo os seus conhecimentos em prática na escrita e no Football Manager.                                                                                                                                                 O Tiago escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.