sporting cabeçalho generíco

É preciso apelar ao auto-controlo para não deixar que o azedume contamine a análise do jogo que o Sporting foi realizar à Albânia com o desconhecido Skenderbeu. Entrada desconcentrada e sobranceira, acumulando erros sobre erros, valeu dois golos ainda antes de completados os primeiros vinte minutos de jogo.

A passividade com que se assistiu ao tiro ao boneco no lance do primeiro golo e a displicência com que Patrício abordou o lance que provocou a grande penalidade e a sua própria expulsão praticamente deixaram aí feita a escritura do resultado final. É que se a tarefa de recuperar um resultado adverso a 2-0 com onze unidades completamente desligadas já seria difícil, com menos um era apenas uma longínqua miragem. Ora, Marcelo Boeck, entrado para o seu lugar, resolve não destoar deste pobre guião albanês e, numa reposição de bola, decide oferecer mais um golo à equipa da casa. Poderiam os anfitriões desejar melhor visitante?

Como foi possível chegar a um resultado destes? Além da atitude geral já acima aludida fica o registo de uma linha média em que Paulista e Adrien não conseguiram fazer o mínimo de oposição nas tarefas defensivas, sendo aí acompanhados em igual baixo nível por Jonathan, para quem o já mais de um ano passado no continente europeu não foi suficiente para eliminar as insuficiências e falta de entendimento relativamente ao que lhe é pedido em primeiro lugar: saber defender.

O KF Skenderbeu surpreendeu e fez a festa frente ao Sporting CP Fonte: K.F Skenderbeu
O KF Skenderbeu surpreendeu e fez a festa frente ao Sporting CP
Fonte: K.F Skenderbeu

Certamente que grande parte das reflexões à volta deste jogo tenebroso se centrarão na poupança feita por Jorge Jesus nas competições europeias. Provavelmente os mesmos que exultaram com a goleada anterior aos mesmos albaneses em casa serão os primeiros a verberar as opções do treinador, que redundaram no embaraço que o jogo de hoje deixou.

Pegue-se como se queira nas opções de Jorge Jesus, parece-me que elas são insuficientes para justificar o descalabro que se registou. Mas a reflexão é inevitável, atendendo ao autêntico atentado acabado de registar ao bom nome do Sporting. Atendendo ao facto de grande parte da equipa ser constituída por jovens jogadores que ambicionam a titularidade na equipa principal, este é jogo que devem guardar para rever sempre que quiserem lembrar-se, ao longo da carreira, do que não devem fazer.

A Figura:

Lilaj – São da responsabilidade dele os golos que em menos de vinte minutos do jogo tornaram quase inútil e desnecessária a viagem à Albânia.

O Fora-de-Jogo:

Toda a equipa do Sporting CP – É caso para perguntar se alguma vez chegaram a aterrar na Albânia.

Foto de Capa: Sporting Clube de Portugal

Comentários