Luís Maximiano, jovem guardião português, ligado ao Sporting CP desde os Iniciados, conta já com uma vasta participação nos vários escalões de formação leonina, fazendo a ponte mais tarde entre a equipa B e a equipa A. Atualmente é titular indiscutível nos sub-23. Com contrato válido até ao ano de 2023, é com grande expectativa que se vê o crescimento do guarda-redes na Academia de Alcochete.

Como frisei, é titular indiscutível na equipa de sub-23 e é aí que tem estado em grande destaque. Apesar da tenra idade já demonstra estar num nível bem superior ao da Liga Revelação. Já demonstrou toda a sua qualidade nos escalões de formação, mostra agora todo o seu talento no futebol sénior e reclama por uma oportunidade na equipa principal do Sporting CP. Forte no ar, forte pelo chão, forte fisicamente, tecnicamente e psicologicamente. É um jovem que sente o Sporting CP e que tem todas as condições para ser o próximo guarda-redes, quer do presente, quer do futuro.

Apesar de na Academia também se encontrarem Pedro Silva ou Diogo Sousa, é em Maximiano que vejo o sucessor ideal para Rui Patrício, sobretudo pelas características que frisei anteriormente. Recordemos a mais recente exibição dos sub-23, em que o Sporting CP venceu o SC Braga por 3-2: o guarda-redes defendeu uma grande penalidade e permitiu à equipa leonina arrecadar os 3 pontos, ainda com duas ou três defesas, nos últimos minutos, de grande nível.

É percetível a rapidez de movimentos do mesmo, os bons reflexos, a grande capacidade nos duelos de 1×1 e a concentração que tem, aliado a uma coragem que é necessária também entre os postes. Tem ainda uma valência naquilo que é um problema nos guarda-redes modernos: saída aos cruzamentos e nas bolas paradas. Creio que hoje em dia com a escola a que todos os guarda-redes estão sujeitos, dentro dos postes é raro aquele que não dá a segurança necessária, mas depois não dão a mesma nestes pontos do jogo. E, hoje em dia, cada vez mais são estes os momentos decisivos e chave para o desfecho dos mesmos.

Maximiano figurou na apresentação aos sócios, em Alvalade, na presente temporada
Fonte: Sporting CP

Max é um guarda-redes compacto e bastante completo. Numa altura em que o clube atravessa uma crise financeira, mas sobretudo de valores, a minha aposta recaía seguramente em Luís Maximiano já no decorrer desta época. Não é por ser novo que não tem qualidade para assumir. Basta relembrar com que idade Rui Patrício assumiu durante longos anos as redes leoninas e basta ver como o Ajax cheio de jovens, goleou e humilhou o Real Madrid em casa. A desculpa da idade é só isso mesmo, uma desculpa.

A qualidade não tem idade. E a verdade é que a concorrência na equipa principal sénior não é assim tão grande, pois com a saída de Viviano, quer Salin quer Renan Ribeiro não são em nada superiores. São guarda-redes medianos que podem servir como segunda opção e ir rodando nas Taças. Por isso, sem qualificação para a Champions e com o inevitável fosso que se vai cavar para os rivais, só existe uma solução para jogadores como este evoluírem: ter um treinador que não tenha problemas em lançar um ou dois jogadores da formação no onze inicial e serem parte constante do plantel principal.

É altura do Sporting CP traçar um rumo, definir o seu presente e o seu futuro, começando por valorizar os seus elementos e aproveitar a qualidade dos vários excelentes jovens que ainda tem na Academia de Alcochete. E não vendendo-os por valores baixíssimos, como aconteceu com Demiral, um puro ato de incompetência e gestão danosa, que lesou em muito o clube quer desportiva, quer financeiramente. No geral, o mercado está cada vez mais inflacionado e esta terá de ser a visão a seguir no plano desportivo mas também financeiro.

Agora que a época está praticamente perdida é a altura ideal para os jovens aparecerem e ganharem ritmo competitivo, de modo a preparar a próxima época da melhor forma. Resta esperar que a atual direcção e treinador tenham coragem para tal.

Foto de Capa: Bola na Rede

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários