nucleosemanal

“No final da época, se fizermos as contas, vai-se perceber que Sporting, Benfica e Porto foram beneficiados e prejudicados de igual forma.” – Mentira. Ultraje. Vergonha. Odeio que digam uma mentira tantas vezes que a passem a assumir como uma verdade. E esta é uma ENORME mentira.

Estive a pensar nos últimos casos de arbitragem e, para ser coerente com a minha descrição neste site, decidi falar mal da arbitragem. A verdade é que, sendo Sportinguista, nem teria qualquer hipótese de falar bem, depois de gastar rios de dinheiro para, em dois jogos consecutivos para a Liga, assistir a resultados viciados.

Ora, a verdade é que falando do critério de faltas adotado pelo Pedro Proença ou pelo Manuel Mota não vou conseguir convencer absolutamente ninguém de que o Sporting é a equipa mais prejudicada em Portugal. E correndo o risco de continuar a não convencer ninguém, vou falar do “erro” que mais me revolta num jogo de futebol: um golo mal anulado.

1 – 11 de Novembro de 2004. Corria uma das épocas em que melhor futebol se via em Portugal, por parte do Sporting de José Peseiro, que alternava derrotas pesadas (Porto 3 – 0 Sporting) com vitórias gordas (Sporting 6 – 1 Boavista). À entrada para a 14ª jornada, o Sporting estava a 1 ponto do Porto, que era líder, mas tinha o melhor ataque (29 golos), longe de Porto e Benfica (19 e 21), jogando um futebol atrativo e dinâmico que empolgava as bancadas de Alvalade.

A jornada abriu com o Porto a receber o Beira-Mar. Os Aveirenses causaram surpresa ao bater os azuis e brancos no Estádio do Dragão, abrindo caminho para a liderança isolada do Sporting, que ia receber o Braga.

Muitas vezes se falava do facto do Sporting não aproveitar as escorregadelas dos adversários e tinha aqui uma hipótese para contrariar a teoria. Perto do Intervalo, Hugo Viana fez este golo (golo mal anulado) anulado pelo auxiliar, quando estavam 3 jogadores do Sporting 2 metros em jogo. O árbitro foi Paulo Baptista (decorem o nome). Nesta jornada, o Benfica perdeu por 4-1 no Restelo e foi o Boavista que acabou por assumir a liderança.

Lance no jogo Sporting - Braga

2 – 13 de Agosto de 2011. Uma direção nova que tinha trazido 20 novos jogadores, alguns deles contratações sonantes que faziam os adeptos acreditar. Uma Onda Verde que, dividida pelas atribuladas eleições, aparecia timidamente, enchendo Alvalade para o primeiro jogo da época. O desastre estava montado: Carlos Xistra* a arbitrar um jogo que Wilson Eduardo, emprestado pelo Sporting, fez pender para o lado do Olhanense. A arbitragem fala por si aqui, com mais um golo anulado, desta vez a Hélder Postiga. O Sporting perdia assim 2 pontos.

3 – Na jornada seguinte, Paulo Baptista (lembram-se dele?), recusou-se a arbitrar um jogo do Sporting por, alegadamente – segundo uma notícia do jornal Record – a sua nomeação ter “gerado mal-estar em Alvalade. Mais uma jornada volvida e urgia retirar o Sporting definitivamente da luta pelo título. Jogo em casa com o Marítimo e quando o Sporting está empatado 0-0, é anulado um golo limpo a Evaldo. O Sporting viria a adiantar-se no marcador e a terminar o jogo com 2 golos. No mínimo, teria empatado este jogo, mada nada leva a crer que deixaria fugir uma vantagem de 2-0.

Mais 3 pontos roubados em Alvalade, ao Sporting, que embalaria depois para 11 vitórias consecutivas. Fomos jogar ao Estádio da Luz com 1 ponto de atraso, quando deveríamos ter jogado com 4 de avanço, o que é uma diferença gigante. No final da época, apenas 3 pontos separaram o Sporting da Liga dos Campeões. O árbitro foi Pedro Proença*.

4 – O caso mais recente, que data de 21 de Dezembro de 2013. Manuel Mota anulou um golo a Slimani em que nem ele próprio viu uma falta. O que ele viu foi o Sporting a fugir para a liderança isolada por 2 pontos, na jornada que antecedia um Benfica – Porto. O assunto foi tratado como se pode ver aqui:

Já vi o Sporting ser roubado e prejudicado muitas vezes, mas quando anulam mal um golo limpo, é porque há armadilha e desespero. Nunca vi e acredito que nunca verei Porto ou Benfica terem um golo anulado desta forma. O golo de Slimani foi o mais escandaloso por não ter qualquer margem de dúvidas, mas a verdade é que não me lembro de algum golo limpo que tenha sido anulado a Benfica ou a Porto (a não ser em confronto direto), muito menos me passaria pela cabeça ver tal suceder nas suas próprias casas.

Benfiquistas e Portistas que me desmintam e que me mostrem golos limpos que tenham sido anulados às suas equipas e que tenham custado pontos. Se não encontrarem, que tenham a honestidade de ver o porquê de o Sporting passar anos de seca de títulos.

P.S: no outro ano em que estivemos perto de ser campeões, desta vez com Paulo Bento, não tivemos golos anulados, mas perdemos um um jogo, também em Alvalade, com um golo com a mão, num ano em que ficámos a 1 ponto do título. O árbitro foi João Ferreira, apanhado a ser escolhido por Luís Filipe Vieira nas escutas do Apito Dourado.

*Xistra e Proença são, curiosamente – ou não – árbitros de 2 dos 3 jogos desta época em que os Sportinguistas mais razões têm de queixa (Rio Ave e Estoril). Sinal de que há mesmo um Sistema de que vai tendo homens encarregados de fazer o trabalho sujo ou… a 1000ª coincidência do Futebol Português?

Comentários