Oito de março de 2012. O milionário colosso Manchester City foi a Alvalade disputar uma eliminatória que não previa qualquer tipo de dificuldade. Porém os homens de Sá Pinto, e especialmente Xandão, quiseram contrariar o destino e provocar um belo de um dissabor aos ingleses.

Roberto Mancini, técnico dos citizens, contava com jogadores como Aguero, Touré, David Silva e Edin Džeko. Era, de facto, um teste com um grau de dificuldade elevadíssimo e nada fazia prever a vitória dos leões.

Com um estádio de Alvalade cheio, os homens de Sá Pinto cedo demonstraram que tinham o claro objetivo de passar a eliminatória e a maior prova disso foi mesmo a primeira mão. Ou melhor, a vitória na primeira mão.

Num jogo em que o Sporting até foi superior (coeso defensivamente e eficaz em termos ofensivos), o protagonista foi alguém que até então nunca tinha dado muito que falar: um defesa central chamado Xandão. E porquê? Pois bem, foi quem fez o tento da vitória num golo, diga-se, peculiar.

Num livre eximiamente batido pelo adorado Matías Fernández, Joe Hart defendeu para a frente, e após uma recarga, Xandão, surpreendeu tudo e todos, rematou de calcanhar e picou a bola sob o guarda redes inglês. Alvalade foi ao delírio e aquilo que parecia ser um sonho começava a ser cada vez mais uma realidade.

Xandão fez o golo à passagem do minuto 51 mas o Sporting já tinha tido mais do que oportunidades suficientes para chegar à vantagem no marcador. Também os citizens já tinham tentado o golo, mas foi o Sporting que se adiantou no marcador… e com toda a justiça!

Até ao fim ambas as equipas tiveram chances de chegar ao golo mas o jogo acabou mesmo por terminar com a vitória do Sporting por 1-0. Foi uma semana de muito entusiasmo até à segunda mão. Pelo meio até houve um embate frente ao Vitória Sport Clube, mas o pensamento era só um: a segunda mão em Inglaterra.

Foto de Capa:UEFA

Artigo revisto por: Beatriz Silva

Comentários