Há uns anos atrás, no primeiro Congresso Internacional do “Futuro do Futebol”, o presidente leonino foi um dos primeiros a falar do VAR em Portugal. Na altura chamaram-lhe maluco por querer tirar a magia e a paixão do futebol. A verdade é que num “curto” espaço de tempo foi implementado em Portugal (ainda com muitas melhorias a efectuar).

Passados uns tempos foi a discussão com a Doyen e os fundos… também lhe chamaram “maluquinho”, mas, e apesar de ter perdido no Tribunal Arbitral do Desporto, a verdade é que quer a FIFA quer a UEFA se colocaram ao lado do Sporting nesta situação.

Depois, vieram os “vouchers e camisolas” de oferta, que não sendo uma “corrupção” tremenda tem tido o impacto que tem na sociedade portuguesa, onde se percebe que era somente a ponta do Icebergue. Lá foi outra vez o “parvinho” do BdC a falar disto…

A verdade é que, em Portugal, o futebol tem mudado e muito graças a este “parvalhão” do presidente do Sporting Clube de Portugal. Tenho pena que o Congresso “Future of Football” não tenha tido mais participação de outros clubes portugueses e que quer a Federação quer a Liga Portuguesa de Futebol não tenham uma maior intervenção nos painéis (e não se limitarem) aos discursos quer de abertura quer de encerramento.

Anúncio Publicitário
São os adeptos que fazem com que o Futebol seja um desporto de paixões. Não se pode retirar essa paixão aos adeptos. Há que tornar cada equipa, como algo mais do que um “mero” clube
Fonte: Sporting Clube de Portugal

No último Congresso, que aconteceu no Pavilhão João Rocha, Bruno de Carvalho voltou ao ataque: se queremos transparência porque não seguir o exemplo da Major League Soccer (MLS) nos Estados Unidos da América e passar nos estádios a imagem que foi decisiva para a decisão do árbitro?

A verdade é que Lukas Brud, CEO da International Football Association Board, responsáveis pelo VAR no Futebol, disse que o exemplo americano é de sucesso e que o “modelo europeu” parece renitente em imitar este sucesso em que eles não proíbem a passagem dessas imagens. Cada país poderá fazer o que bem entender. Logo no momento, BdC lançou o desafio repetidamente quer ao Presidente do Conselho de Arbitragem quer ao Presidente da Federação Portuguesa de Futebol… Fernando Gomes da FPF deu um “não redondo” e pouco depois abandonou o Congresso. Pode ter sido só uma questão de agenda, mas que ficou uma sensação de desconforto em abordar o tema… ficou!

Ainda sobre a questão do VAR nos EUA, tem sido um sucesso por vários factores: todos foram treinados (Imprensa, Jogadores/Staff, Público). Ainda hoje, antes de qualquer jogo, passa quer nos écrãs, quer na TV, o que é o Vídeo-Árbitro.

E há que humanizar os árbitros, deixá-los falar sobre a sua experiência e sobre os lances onde estão envolvidos: se todos os intervenientes no jogo falam, porque não a arbitragem fazer o mesmo?

O Futebol tem uma paixão que mais nenhum negócio tem e se queremos um desporto que “pertença aos fãs” que seja confiável, reputado e autêntico, temos de devolver o desporto aos fãs, sem lhe tirar a paixão.

Foto de Capa: Sporting Clube de Portugal

Artigo revisto por: Beatriz Silva