Foi visto como primeiro “reforço” da equipa do Sporting CP no mercado de janeiro. Pedro Mendes era o miúdo sensação da equipa de sub-23 e só Deus sabe o porquê de não ter sido logo inscrito na liga no início da competição.

Nas primeiras seis jornadas da Liga Revelação apontou sete golos. Foi chamado por Leonel Pontes para defrontar o PSV na fase de grupos da Liga Europa. Os Leões perderam por 3-2, com um golo do jovem avançado português que, literalmente, entrou e marcou.

A época prosseguiu até Dezembro com muitas críticas à direção verde e branca, pela não inscrição do avançado, faltando opções ofensivas na equipa principal. Foi chamado para treinar com a equipa A, jogando pela formação sub-23, para a qual fez 21 jogos e marcou 15 golos.

Anúncio Publicitário

A partir de Janeiro foi chamado várias vezes para o banco nos jogos do campeonato, nunca titular, entrando por cinco vezes. Somando ao percurso na Liga Europa, na qual jogou em seis dos oito jogos dos Leões na competição, o avançado de 20 anos conta com 11 partidas e um golo pela equipa principal dos Leões.

A fase que a equipa vivia não ajudava a obter bons resultados. Entretanto, Luiz Phellype lesionou-se gravemente e o reforço de inverno, Andraz Sporar, ficou com o lugar. Com a chegada de Rúben Amorim, o Sporting CP mudou de paradigma, apostando em jovens, aproveitando a “pausa” da pandemia para implementar essa filosofia. Vários da formação jogaram, mas… Pedro Mendes não. Foi convocado para cinco jogos, entrando apenas em um, aos 88 minutos.

Tendo em conta a tática usada por Rúben Amorim, terá um jogador com as características de Pedro Mendes espaço na equipa? Muito se fala de uma possível saída no próximo mercado, por empréstimo.

Foto de Capa: Sporting CP

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão