O presidente do Vitória FC e um misterioso vírus mortífero, que já tanta tinta fez correr, são os principais protagonistas da 16.ª jornada da Liga Portuguesa.

Durante esta semana os adeptos leoninos foram ainda brindados com um comunicado, no mínimo, anedótico (para não utilizar outros adjectivos) proferido pelo presidente do Vitória FC, no qual empregou termos como “cínica” e “hipócrita” para descrever a “nega” dos Leões ao pedido de adiamento da partida agendada para o dia de amanhã pelos 20:30, no Bonfim. Isto tudo, depois de o presidente sadino ter sugerido como data alternativa.

Todos nós temos um amigo ou, pelo menos, conhecemos alguém extremamente azarento, a quem lhe corre tudo mal seja em casa, seja no trabalho. Ora nos últimos tempos o Sporting CP tem sido esse amigo azarado a quem acontece de tudo, senão vejamos: instabilidade dentro do clube e divisão entre adeptos, fracos resultados no futebol profissional e, qual cúmulo do azar, ainda tem de aturar estes tristes episódios de “vão de escada” em que um presidente de um clube vocifera sem qualquer razão palavras de ódio ao emblema leonino.

O nosso futebol é pródigo em episódios insólitos e ao Sporting CP sai-lhe sempre a rifa ao ser arrastado para o lamaçal e para o meio da intriga. A ser verdade que os 14 jogadores em causa estão de facto doentes, também é verdade que o Vitória FC recusou-se a divulgar o boletim médico e a permitir a avaliação dos mesmo por uma junta médica. Também não são raras as vezes em que durante o Inverno muitos jogadores jogam engripados ou até mesmo lesionados. Curiosamente, na época de 2017/18, em meados de Fevereiro, o Sporting CP alastrado com uma síndrome gripal recebeu o Moreirense FC e até venceu o encontro.

O mais censurável em toda esta história reside no facto de o presidente do Vitória FC querer dar a entender que um suposto problema interno do seu clube foi criado pelo Sporting CP que é completamente alheio a tudo. Segundo o seu comunicado parece que o Sporting CP violou tantas disposições regulamentares que até surpreende e muito como é que o presidente sadino não instaurou um procedimento cautelar para adiar o jogo (!).

Por sua vez, o Sporting CP recusou – e muito bem, o adiamento da partida. Em primeiro lugar porque não tem qualquer obrigação legal ou regulamente em aceitá-la. Depois porque não faz qualquer sentido aceitar uma data alternativa capaz de prejudicar o seu plantel tendo em conta a sobrecarga do calendário de jogos.

Last but not the least, diga-se que a memória dos adeptos sportinguistas não é curta. Desde o “episódio do varandim” do velho Estádio de Alvalade até à falta de respeito pelo emblema leonino por parte de um jogador vitoriano aquando da eliminação vergonhosa do Sporting CP da Taça da Liga em 2016/17, foram vários os momentos em que o Vitória FC demonstrou ser tudo menos um “clube amigo” do Sporting CP.

As últimas visitas dos leões ao Bonfim têm sido manchadas pela polémica
Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

Mais uma vez, business as usual, o Sporting CP é pintado como o mau da fita como também dá a entender o comunicado da Liga que confirmou a realização do jogo no dia de amanhã.

Recordo àqueles que tão rapidamente surgiram a criticar a atitude dos Leões que o Sporting CP viu-se obrigado a disputar uma final da Taça de Portugal após ter sido vítima de um acto de terrorismo (foi assim qualificado por toda a sociedade portuguesa o ataque a Alcochete), tendo-lhe sido negada a possibilidade de adiamento desse jogo. Eu e todos os Sportinguistas vimos jogadores como Bas Dost a arrastarem-se em campo com a cabeça ligada…

O que é certo é que o Sporting CP, em vésperas de receber o SL Benfica, parte para uma visita ao Bonfim num jogo já marcado pela polémica. Enfim, mais um triste episódio do nosso futebol.

Foto de Capa: Carlos Silva / Bola na Rede

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários