Com os maus resultados, mais propriamente desde a derrota em Guimarães, vieram as principais críticas em relação às opções de Keizer. Muito se poderia falar acerca da excessiva utilização de Petrovic, do facto de Gudelj ter “lugar cativo” no onze ou até mesmo do ‘esquecimento’ dos jogadores da formação (Bruno Paz e Thierry Correia). Porém, este texto abordará três casos semelhantes e que têm levantado muitas questões aos adeptos sportinguistas.

Comecemos pelo caso de alguém que iniciou a época a revelar-se da melhor maneira possível: Jovane Cabral. O extremo de 20 anos foi lançado ainda por Peseiro no início da época e o seu tipo de jogo explosivo e acutilante começou logo a criar danos nas defesas contrárias. Nos seus três primeiros jogos, o extremo formado em Alcochete teve preponderância direta em golos em todas as partidas: sofreu um penalti frente ao Moreirense FC na primeira jornada do campeonato, assistiu Nani para o golo da vitória frente ao Vitória FC e estreou-se a marcar no jogo em casa contra o Feirense, golo esse que deu os três pontos à equipa de Alvalade.

O extremo começou a ser visto como a solução ideal para entrar nas segundas partes com o intuito de desequilibrar e resolver as partidas. Foi preciso esperar até ao dia 16 de Setembro, para ver Jovane como titular. Depois disso, jogou cinco minutos no jogo em casa frente ao Qarabag FK (suficiente para ‘molhar o bico’), jogou 19 minutos na derrota em Braga, foi titular na vitória em casa frente ao CS Marítimo para o campeonato e foi suplente utilizado na vitória contra o Vorskla Poltava. Jovane vinha então a ter um papel importante na equipa do Sporting: jogava maioritariamente como suplente utilizado e tinha sempre boas prestações em campo.

Contudo, Keizer veio ‘cortar as pernas’ ao jogador. Nos primeiros dez jogos do técnico holandês, Jovane só não participou num (na vitória frente ao CD Aves), mas a partida em Tondela marcou o início de mau ciclo ao extremo: ficou 7 jogos sem jogar e jogou apenas 5 minutos no dérbi em Alvalade. Muito se tem questionado acerca do ‘apagão’ do jogador, e Keizer continua sem dar uma resposta concreta a esta questão. Todavia, já houve notícias a circular que afirmam que o problema está no empresário do jogador, algo que carece ainda de uma resposta sólida e válida.

Jovane brilhou frente ao Rio Ave com um autêntico golaço
Fonte: Sporting CP

Semelhante ao caso de Jovane, temos o caso de Miguel Luís. O jovem médio de 19 anos apareceu na equipa principal dos leões como a “coqueluche” de Tiago Fernandes: estreou-se, para o campeonato, na estreia do técnico frente ao CD Santa Clara, foi titular em Londres frente ao Arsenal FC e foi titular na partida em casa contra o GD Chaves. Entretanto, a chegada de Keizer touxe um apagão para o médio. Miguel Luís só começou a jogar no quinto jogo da era Keizer e, para além de ter sido titular contra o Vorskla Poltava, marcou nessa mesma partida. A partir desse jogo, aproveitou a lesão de Wendel e foi sempre titular até à partida em casa contra o Belenenses, na qual voltou a fazer o gosto ao pé.

Tal como Jovane, Miguel Luís deixou de ser utilizado a partir desse jogo e foi também noticiado que pelos mesmos motivos que o extremo: problemas no empresário. À semelhança do caso de Jovane, falta também uma resposta concreta para esta problemática.

A estes dois, junta-se Francisco Geraldes. Regressou do empréstimo ao Eintracht Frankfurt, onde também por causa de uma lesão, não contabilizou qualquer minuto. Sendo assim, o médio chegou logo no início de janeiro e o seu regresso foi visto com enorme entusiasmo. Todavia, para espanto de tudo e todos e depois de mais de um mês de treinos pelos leões, Geraldes ainda não se estreou pelo Sporting nesta época.

Depois de ter sido dispensado por Marco Silva, Jorge Jesus e Peseiro, o médio parece não convencer Keizer e muito se especula sobre o que se passa com Geraldes em Alvalade. Depois de ter demonstrado sinais de qualidade nos empréstimos ao Rio Ave FC e ao Moreirense FC, o médio parece não ser o mesmo quando tem o emblema do leão ao peito. Ainda assim, Keizer nunca o colocou em campo. Por isso, Geraldes nunca demonstrou nada em ‘jogo jogado’, também por causa do holandês.
Todos estes casos dão que pensar e fazem com que existam inúmeras dúvidas. É caso para terminar com a pergunta: “o que se passa?”.

Foto de Capa: Sporting CP

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários