a norte de alvalade

O que penso sobre os fundos e sobre os fundos no Sporting

Falar sobre fundos tornou-se quase tão corrente como falar da bola que bateu no poste, dos erros dos árbitros, dos golos, etc. Mas quando falamos de fundos estamos a falar do TPO (third party ownership), isto é, da partilha de passes de jogadores entre clubes, entidades financeiras, investidores, agentes, empresários e até mesmo dos próprios jogadores. O seu fim já anunciado provocará seguramente grandes mudanças no futebol em todo o mundo, particularmente na América do Sul e Europa.

Ao contrário do que parece ser a corrente de opinião no actual Sporting, não olho para os fundos e vejo o anti-cristo. Pelo menos nem mais nem menos do que vejo noutro qualquer instrumento ou parceiro financeiro de que o clube se possa socorrer. O problema, a haver, está em quem negoceia e na forma como defende os respectivos interesses. Este não se confinará apenas às negociações com fundos, mas também à generalidade de parceiros a quem o clube recorra para se financiar. Cabe a quem representa o clube nas negociações retirar as maiores vantagens, porque do outro lado da mesa não está o Pai Natal com um saco de prendas, mas apenas alguém que procura ganhar dinheiro.

O que haverá de diferente aqui se do outro lado da mesa, ao invés de representantes da Doyen ou QFIL, estiver o chairman de um banco ou entidade de crédito similar?

Anúncio Publicitário

Especificamente sobre o Sporting, lamento que a discussão esteja a ser muitas vezes mistificada, outras vezes manipulada, em que muito contribuíram os maus resultados desportivos que ocorreram no momento em que o clube apostou mais declaradamente neste tipo de financiamento. Os resultados dos rivais provam o que todos sabemos acerca de qualquer negócio: meter dinheiro nos problemas pode vir a representar um problema maior se a aplicação deste não for bem gerido. Ao Sporting faltou sempre alguma coisa ou várias ao mesmo tempo -um bom treinador, estabilidade e saber a dirigir, qualidade do o plantel-: quando tinha um faltava outro. Os resultados do SLB e, de forma mais sustentada, do FCP comprovam que poder chegar a melhores jogadores tem um carácter diferenciador.

Depois, há fundos e fundos. O que agora sucedeu com a renegociação das percentagens detidas pelo fundo do ex-BES, o Sporting Stars Fund, é o resultado de uma circunstância muito especial: o fim do banco com quem se tinha originariamente negociado e o facto de o próprio fundo ser sobretudo um parceiro do Sporting. Na prática, ao invés de deter acções, o fundo comparticipava no risco de aquisição de jogadores – risco que, neste caso concreto e ainda sem fazer as contas, deve ter sido pago sobretudo do lado do investidor. Não fossem estas circunstâncias especiais, será que alguém em bom juízo aceitaria os pouco mais de 12 milhões só e apenas pelas percentagens detidas de passes de jogadores valorizados (como William Carvalho e Adrien, por exemplo)?

Haveria muito a discutir sobre os fundos no Sporting. Inclusive, por exemplo, se é boa política disponibilizar percentagens de passes de jogadores ainda em formação. O que me parece é que o clube não deveria abdicar de uma ferramenta como esta sem pelo menos ter uma alternativa que lhe permitisse estar mais perto dos seus concorrentes directos, sob pena de comprometer a respectiva competitividade.

Bruno de Carvalho tem sido um dos maiores críticos aos fundos Fonte: Facebook Sporting Clube de Portugal
Bruno de Carvalho tem sido um dos maiores críticos aos fundos
Fonte: Facebook Sporting Clube de Portugal

Perceber a estratégia do Sporting

O Sporting fez deste tema bandeira da actual gestão. No entanto, já fez uma inflexão notória que tem aparentemente passado despercebida nos comentários sobre o tema: começou por pedir a regulamentação da actividade para, agora, agitando fantasmas sobre o comprometimento da verdade desportiva, querer a sua extinção.

Várias vezes tenho tentado perceber esta cruzada lançada aos fundos, e a conclusão é quase sempre a mesma: o Sporting pretende com o fim dos fundos diminuir a capacidade de investimento dos seus rivais, de forma a deixá-los, sem as respectivas verbas, mais próximos dos valores que consegue aportar ao seu futebol. Isso seria perfeito, mas quanto a mim, para poder resultar em pleno, tem dois grandes inconvenientes:

(i) As maiores receitas dos seus rivais continuarão a possibilitar, pelo menos na teoria de que jogadores mais caros são melhores, maior capacidade competitiva. Os dinheiros dos fundos servem apenas para partilhar o risco na aquisição dos passes dos atletas; as elevadas verbas necessárias para pagar os ordenados destes têm que ser encontradas nas receitas dos clubes. É possível que, com o fim dos fundos, diminuam também as receitas obtidas na realização de mais-valias. Será essa diminuição em grau suficiente para nivelar os 3 grandes?

(ii) O fim dos fundos acabará por ditar um afastamento dos 3 grandes portugueses dos melhores palcos e, consequentemente, das grandes receitas -a menos que se descubra uma forma de contornar a perda do dinheiro destas parcerias. Que impacto tal terá no ranking dos clubes na UEFA, que determina o acesso à Liga dos Campeões/Milhões? Pelo menos no futebol, a ideia de ombrearmos com “os maiores da Europa”, se já era cada vez mais quimérica, passará a ser impossível.

E aqui, na capacidade de atracção de financiamento e investidores, o problema continuará a ser, em grande medida, maior do nosso lado. Hoje a visibilidade do Sporting é inferior à dos seus rivais e isso é notório ao nível das parcerias e patrocinadores. Inverter este cenário é ainda mais ciclópico quando se sabe o atraso de muitos anos que levamos no marketing, corporate e demais áreas comerciais e de promoção da marca.

Os fundos não representam uma panaceia para todos os males (como sabemos de experiência própria), mas, sem eles e sem alternativa, clubes como os 3 grandes portugueses, Atlético de Madrid, Valência, e outros remediados europeus terão que se contentar em serem os eternos figurantes no “el passillo” aos mais ricos.

Todas as estratégias comportam riscos. Sobre a actual, partilho a desconfiança sobre estes instrumentos, mas não me auto-excluiria do seu uso sem uma alternativa, e não estou muito optimista sobre os seus resultados práticos.

Sobre a generosidade e bondade da argumentação a propósito da transparência do dinheiro e respectiva posse, parece-me que quem tem como patrocinadores a Tacho Easy ou a Herbalife se devia abster de grandes comentários. Como em geral sobre quase todo o dinheiro acrescentaria.

Sobre o efeito pernicioso dos fundos e relações nebulosas com agentes de jogadores, diria mais ou menos o mesmo. Não faltam exemplos, passados e recentes, em que o clube, para fazer valer os seus interesses, atravessou a linha que a lei e a ética impõem.

Que perigo representam os fundos?

Dizer isto não é ignorar os perigos que representa a existência dos chamados fundos. O seu peso crescente no futebol mundial é evidente:

– Mais de um milhar de jogadores na Europa são já pertença de entidades financeiras.

– Grande parte destes jogadores pertence a um reduzido número de entidades ou agentes. O risco de dependência e subjugação dos interesses dos clubes aos interesses de um trust de investidores é notório.

Mais do que a sua extinção, parece-me que a regulação desta actividade (como aliás de qualquer outra) se tornou imperativa. Mas isto não ilude que perigos semelhantes ou até mesmo mais lesivos da verdade desportiva se tenham, anteriormente, tornado realidade no futebol, muito antes da chegada dos fundos. Não mais nem menos do que em todas as outras actividades onde existem grandes quantidades de dinheiro em circulação e em que o apelo do lucro fácil é permanente.

A posição da UEFA e da FIFA

Os organismos que tutelam o futebol internacional têm alergia aos temas fracturantes e, sobretudo, não gostam de muito barulho e escrutínio. A ideia de extinguir os fundos, ou melhor dizendo, a partilha da posse dos passes dos jogadores, é sobretudo preguiçosa. O futebol não ficará mais equilibrado nem mais transparente. Esta decisão deixa cada vez menos espaço aos clubes de matriz associativa, como é o nosso, deixando o caminho livre ao futebol de clubes com um dono ou accionistas. E o dinheiro encontrará sempre novos caminhos para continuar a crescer e a se multiplicar.

Fonte da imagem de capa: jad99 (Flickr)