sporting cabeçalho generíco

O Sporting ficou hoje praticamente eliminado da Taça da Liga desta época, depois de ter sido derrotado pelo Portimonense no Algarve. Os “leões” tinham mais talento em campo mas ficaram a léguas da determinação e do espírito de equipa dos “alvinegros”.

Jorge Jesus optou por deixar mais de meia equipa a descansar, apenas mantendo Paulo Oliveira, William Carvalho e Bruno César no onze inicial, relativamente aos atletas que têm sido titulares nas partidas mais recentes. De resto, destaque para a estreia de Zeegelaar e para o regresso de Teo Gutiérrez, depois da sua rábula ridícula na Colômbia, com uma pausa de Natal prolongadíssima.

A primeira meia hora demonstrou equilíbrio, com poucas ocasiões de golo no Estádio Municipal de Portimão, que teve lotação esgotada para receber os líderes da Primeira Liga. A equipa algarvia apresentou-se personalizada em campo, com destaque para Ewerton e Fabrício, sempre muito ativos na condução de bola e na organização de jogo da equipa da casa. No lado contrário, Aquilani e William tiveram dificuldades para “segurar as pontas” no centro do terreno, inseridos numa equipa que esteve desligada na maior parte do tempo. Sentiu-se imenso a falta, principalmente, de Adrien, Ruiz e Slimani. O golo do Portimonense, à passagem dos 35 minutos, veio animar o encontro. Ewerton aproveitou bem uma cratera deixada pelo seu homónimo do Sporting no eixo da defesa e finalizou bem após um passe açucarado do capitão Ricardo Pessoa.

Ao intervalo, JJ lançou Matheus Pereira para o lugar de Carlos Mané, que esteve apagado na primeira parte, tal como todo o setor atacante verde e branco. A entrada do brasileiro transmitiu alguma intensidade e o Sporting teve o seu ponto alto à passagem do primeiro quarto de hora do segundo tempo. Aquilani, por duas vezes, e Bruno César estiveram perto de alvejar as redes algarvias, mas o ferro não deixou, premiando a combatividade dos visitados, que já acusavam algum desgaste devido ao enorme esforço a que também estão sujeitos na Segunda Liga.

A entrada de João Mário veio dar mais alguma qualidade ao jogo leonino e os “leões” tiveram uma ocasião soberana para empatar a dez minutos do fim. Lumor cortou com o braço um centro de Schelotto, mas William foi displicente e viu Carlos Henriques a defender o castigo máximo. Nos descontos, Marcelo Boeck cometeu penálti com um carrinho (sim, desta vez não foi nenhuma “toupeira” a derrubar o avançado contrário; foi mesmo Marcelo que acertou no jogador), e Ewerton bisou, convertendo a grande penalidade com bastante frieza.

Bryan está claramente em muito melhor forma que Teo. O colombiano tem de ficar no banco. Fonte: Sporting CP
Bryan está claramente em muito melhor forma que Teo. O colombiano tem de ficar no banco
Fonte: Sporting CP

Na equipa leonina, Schelotto melhorou ligeiramente a paupérrima imagem que havia deixado na primeira jornada desta competição e Zeegelaar mostrou bons pormenores, mas precisa de ser mais inteligente no momento defensivo. Destaque pela positiva para as boas entradas de Matheus Pereira e João Mário em campo.

Do lado dos algarvios, os brasileiros da equipa aproveitaram bem esta ocasião para mostrar a sua qualidade. Os centrais Lucas e Jadson estiveram sempre atentos, anulando Montero e Teo Gutiérre; mais à frente Ewerton foi decisivo na partida e Fabrício puxou dos galões e mostrou o porquê de ser um dos jogadores mais desejados do escalão secundário. Os algarvios são fortes candidatos a subir à Primeira Liga, ainda para mais consumado que está o regresso de Kanazaki, japonês que deixou muito boas recordações na anterior passagem pelo clube.

O Portimonense fica assim isolado na liderança do grupo, precisando apenas de um empate na última jornada em Paços de Ferreira para garantir a histórica passagem às meias finais. Por fim, deixo um desejo: que Pedro Silva, antigo lateral direito dos “leões” e agora treinador adjunto dos algarvios, consiga chegar à final da competição e desta vez receber uma medalha de vencedor da Taça da Liga. Seria sinal de que a Taça iria para o Algarve, e Pedro Silva tem um ponto positivo a seu favor: Lucílio Baptista já não é árbitro de futebol.

A Figura

Ewerton/Fabrício – Craques, estes dois jogadores do Portimonense. O primeiro apontou os dois golos, tendo sido dele o mérito da jogada que originou a grande penalidade. O segundo mostrou alguns pormenores técnicos de alta qualidade, tendo ludibriado os jogadores do Sporting com uma facilidade inesperada.

O Fora-de-Jogo

Teo Gutiérrez – Jogo ridículo do avançado colombiano. Facilmente apanhado em fora de jogo, lento na abordagem aos lances, e correr para trás também não é com ele. Depois das “férias grandes” passadas na praia e a descansar na América do Sul, esperava-se muito mais rendimento do ponta de lança “cafetero”.

Foto de capa: Portimonense SC

 

Comentários