sexto violino

Não é segredo nenhum que o Sporting tem, neste momento, menos poder do que os rivais. Essa desvantagem reflecte-se nos bastidores da Liga, do Conselho de Arbitragem e, consequentemente, dentro de campo também (este ano, Pedro Proença, apoiado pelo Sporting, venceu as eleições da Liga, mas a aliança Benfica-Porto do ano passado fica para a História e é paradigmática quanto ao longo caminho que os leões ainda têm de percorrer). Há, contudo, outros efeitos, menos mensuráveis. Nomeadamente a forma como alguma comunicação social tem lidado com o Sporting desde o triunfo de Bruno de Carvalho nas urnas, em 2013, e em particular desde que Jorge Jesus trocou a Luz por Alvalade.

A lista de exemplos que deixam perceber uma atitude menos cobradora a Benfica e Porto seria longa, pelo que serão aqui apenas mencionados alguns episódios mais recentes – pequenos casos, uns mais óbvios do que outros, que evidenciam diferenças de tratamento em prejuízo do Sporting. No que diz respeito ao Porto, não é preciso recuar mais do que dois dias: o jornal O Jogo lançou, na 3ª feira, uma notícia que dava conta de um “rumor” sobre uma alegada má relação entre Lopetegui e Imbula, que o periódico tratou logo de classificar como “falso”. Não está em causa se o é ou não; regista-se, isso sim, a diligência e o zelo do jornal a apagar o fogo de forma instantânea. Não tem havido a mesma preocupação com o Sporting, onde sobram os títulos e frases tendenciosos e também episódios que dão que pensar, como o anúncio de que Carrillo estaria convocado para um jogo, seguido de um desmentido, uma hora depois, que deixava no ar um alegado atrito entre Jesus e Bruno de Carvalho (“Fui almoçar com o Carrillo para quê?” – jornalismo ao mais alto nível).

Já no que diz respeito ao Benfica, os casos mais evidentes são a insistência de que o clube ganhou ao Sporting a corrida por Mitroglou, sendo nítido que tem havido a preocupação de preparar terreno para fazer o mesmo com Zivkovic. Ambas as notícias foram desmentidas pelo Sporting e o segundo caso motivou mesmo uma declaração do presidente, que acusou o Record de mentir. A razão aparenta estar do lado dos leões, não só porque o clube da Luz anda morto por dar uma facada no rival desde o episódio JJ (os adeptos encarnados celebraram o “roubo” de Cervi, mas convenhamos que não é bem a mesma coisa), mas também porque Jesus não teve problema em admitir o interesse num jogador – Danilo – que acabou por ir para o norte. A veracidade da rejeição, por parte de Vieira, de propostas de 10 M€ por Luisão (!) e de 20 M€ por G. Guedes (!!) fica ao critério de cada um. Pela minha parte, não restam dúvidas de que o departamento de propaganda do Benfica trabalha com afinco, embora falte um pouco de realismo aos seus devaneios para que os mesmos possam ser levados a sério. Nos jornais, porém, tudo isto assume uma roupagem de acontecimento factual. Vieira, qual guardião dos interesses encarnados, segurou duas pérolas no último dia do mercado. As fugas de Jesus e Maxi foram meros pormenores.

o jogo porto
Caso morto à nascença: “O Jogo” preocupou-se em desmentir na hora alegados desentendimentos no FC Porto

Todas estas pequenas diferenças de tratamento têm sido recorrentes. Os sucessos do Sporting recebem pouco destaque (p. ex.: a melhoria das contas da SAD leonina, que apresentou lucros), e é dado um espaço desmedido e despropositado a “notícias” de relevância nula e com propósito duvidoso (p. ex.: deu-se tempo de antena para que Estrela, obscuro ex-atleta do Benfica B agora a jogar nos EUA viesse, um ano e meio depois e a propósito de nada, mandar bicadas a Jesus. De igual modo, o salário de JJ deixou de ser normal, como foi aquando da estadia do sua estadia na Luz, para passar a ser objecto de críticas agora que o treinador mudou de ares. Quem não censurava esses valores até Junho, não tem moral para o fazer a partir dessa data. E, por falar em Junho, quando será que o Benfica paga o salário que deve ao seu ex-funcionário? Eis mais um caso que, a ocorrer no Sporting, teria motivado ondas de escárnio e revoltas moralistas por todo o país.

Anúncio Publicitário

Entretanto, o “Football Leaks”, blog criado na 3ª, dia 29, e citado na capa de Record de 4ª, dia 30, é o caso mais evidente da perturbação e incómodo que o Sporting tem causado, e que os rivais já perceberam que veio para ficar. A página, alimentada por uma aparente fuga de informação oriunda de Alvalade, tenta mascarar o óbvio: não foi criada com o propósito de denunciar os “parasitas que se aproveitam do futebol”, como diz a sua descrição, mas sim de criar instabilidade no clube leonino. Prova disso é o facto de, dos 12 posts que o blog tem, um ser o de apresentação e 8 focarem os verde-e-brancos. De resto, não se fala nem de escutas, nem de “fruta”, nem de corrupção (o escorraçado ex-árbitro Marco Ferreira disse saber umas coisas, por que não falar com ele?), nem dos famosos negócios de “15 milhões” da Lavandaria Mendes/Vieira, nem de nada. Só Sporting. Nada mais interessa a este Pedro Guerra do mundo virtual. Quem caísse aqui de pára-quedas decerto pensaria que o futebol português era um antro de credibilidade antes de chegar o bandido Bruno de Carvalho…

Mas o mais curioso é que, ao contrário do que certamente aconteceria caso o blog se preocupasse com o que deve com toda a certeza ser investigado, nada do que aí se descreve é ilegal. Para além do contrato de JJ e de propostas por Cervi e Mitroglou – não é segredo que o clube os negociou – nessa página encontram-se registos de um alegado envolvimento do Sporting com um tal Recreativo Caála, de Angola, que terá servido de intermediário para a compra de Bruno Paulista. Este clube, propriedade de António Mosquito, “empresário” pertencente à cleptocracia angolana que detém parte da Controlinveste, serviria para financiar várias aquisições de jogadores. Ora, esta temática divide-se em duas partes: a primeira, que só é novidade para quem está desatento, é que o futebol continua a ser um meio obscuro e pouco recomendável – nunca porei as mãos no fogo por nenhum dirigente; a segunda tem a ver com a tal diferença de tratamentos. Os jornais irão agora explorar a “desgraça” do Sporting – não aprecio estes procedimentos, mas a verdade é que eles estão dentro da legalidade – enquanto Benfica e Porto se ficam a rir, apesar de terem telhados de vidro – as águias terão uma relação semelhante com o Brasa FC, do Brasil, com Jorge Mendes e com Peter Lim/Meriton; os dragões recorreram ao Dep. Maldonado, do Uruguai, para comprar Alex Sandro. É este desfasamento de comportamentos e notícias que fomentam (des)conversas pouco sérias e fundamentadas sobre futebol – que costumam ter a particularidade de partir de gente vítima da desinformação mas que acha que está a fazer uma grande figura e que fica feliz por ganhar o “debate do sound bite.

jesus bdc
BdC e JJ: uma relação repleta de desentendimentos que, afinal, nunca o foram
Fonte: site do Sporting CP

Este texto não tem, obviamente, o propósito de apelar ao boicote da imprensa por parte do Sporting ou de colocar tudo no mesmo saco. O jornalismo foi a profissão que escolhi, será provavelmente o meu futuro e, como tal, não só sou sensível ao lado dos jornalistas como tenho sabido de alguns episódios em que estes são os menos culpados mas levam por tabela. Não acredito em jornais mandatados para servir este ou aquele clube, mas acredito em gente séria e menos séria, em gente profissional e menos profissional. Assim como acredito que os rivais, nomeadamente o Benfica, andam com uma “sede” enorme aos leões e, usando aqui as palavras premonitórias de Jorge Jesus na sua última entrevista, vão mandar notícias para vários jornais a tentar arranjar confusão com o Sporting. Eu já lá estive, isso passava-se comigo lá”. Essas declarações foram proferidas a propósito de um suposto desentendimento entre treinador e presidente em Moscovo – mais um episódio amplamente badalado (este “no Benfica seria diferente” é hilariante).

Costuma dizer-se que a idade é um posto. O sucesso não o é menos. Ser bem-sucedido traz respeitabilidade e até, por vezes, um certo temor da parte de quem vê de fora. Ora, o Sporting tem tido pouco sucesso e só agora se começa a reerguer, tendo um longo caminho a palmilhar até voltar a estar em pé de igualdade com os rivais a todos os níveis. Nesta altura, recorro a uma frase do jornalista Alexandre Santos, que me costuma ocorrer sempre que me deparo com estas diferenças de tratamento. A propósito do abandono da sala de imprensa em bloco pelos jornalistas certo dia em Alvalade, o repórter da RTP foi dos únicos a insurgir-se contra a maioria, pedindo, num post do Facebook, que os colegas não fossem “fortes com os fracos e fracos com os fortes”. Isto passou-se em 2013 e, daí para cá, os leões recuperaram muito do seu fulgor, mas a verdade é que continuam a não ser tão pujantes nos bastidores como os rivais. O Sporting está a pagar a factura de, em pleno período de hegemonia benfiquista – dentro e fora de campo – ter tido a ousadia de ir buscar o treinador do rival nas barbas de Vieira, enquanto este e os benfiquistas escarneciam do simples pensamento de Jesus rumar a Alvalade. O aparelho que o Benfica conseguiu montar em vários órgãos de media tem feito o resto.

E que influência tem tudo isto na vida do Sporting? Muita. Negá-la é negar o poder da comunicação social na formação da opinião pública. Exemplo disso é o facto de, apesar de nem sempre fiáveis, as sondagens – para pegar num assunto muito em voga – terem um papel indesmentível na tomada de decisão de muitos cidadãos, ou de Marcelo Rebelo de Sousa partir, por ter um espaço semanal na TVI, bastante à frente de Sampaio da Nóvoa na corrida às Presidenciais. Paralelamente, e voltando ao assunto deste texto, um Sporting constantemente visado nos media terá mais dificuldades em manter os adeptos do seu lado. A aposta na desinformação e na instabilidade surge, assim, como uma poderosa arma dos rivais – mais experientes, mais preparados e, sobretudo, desejosos de impedir o Sporting de se reerguer. Só isso explica que as pancadinhas hipócritas nas costas tenham acabado, que a atitude rival para com Bruno de Carvalho seja muito mais hostil do que alguma vez o foi para Bettencourts e Godinhos, e que nunca nenhum “Football Leaks” tenha aparecido a denunciar os contratos-fantasma com empresas ou as indemnizações milionárias pagas a funcionários pelo Sporting roquettista – esses sim, escandalosos.

midas vieira
É mais cómodo chamar “Midas” a Vieira e só questionar os negócios do Sporting
Fonte: “A Bola”, 12/07/2015

A personalidade de Bruno de Carvalho gera muitos anticorpos, e talvez tenha sido também por isso que os casos Marco Silva e Carrillo tomaram as proporções que tomaram. O Benfica, por seu turno, pôde negar o acesso de Jesus e da equipa técnica às instalações do clube sem que se criassem grandes ondas. De igual modo, o clube da Luz, cujos adeptos tanto se interessaram momentaneamente na temática dos direitos dos trabalhadores aquando da situação de Marco Silva, pôde colocar Fariña a treinar com os juniores e Ruben Amorim a manter a forma sozinho no Estádio Nacional. Nenhuma destas situações teve direito a mais do que apontamentos de circunstância nas páginas dos jornais. Também o processo de renovação de Maxi Pereira foi tratado de forma mais discreta do que o de Carrillo, embora, no que diz respeito à situação deste último, os leões tenham a sua quota-parte de culpas.

Em suma, o Sporting compila um documento de 400 páginas mas passa-se a imagem de que Marco Silva foi despedido por causa de um casaco, inventam-se casos entre Bruno de Carvalho e Jesus, um jornalista italiano faz, acerca da Doyen e dos esquemas do Benfica, o que os portugueses não fazem cá (ler aqui e aqui) e o clube de Alvalade vê-se preso num cerco montado para manter o status quo de dois clubes que já se tinham habituado a disputar os campeonatos entre si e não querem mudanças. Por outro lado, as óbvias ligações do Porto à Doyen ou as negociatas do Benfica com a Meriton, a Gestifute, a Ralex Developments ou a Jazzy Limited não merecem atenção. A súbita viragem das águias para uma suposta “aposta na formação” também não causa estranheza. O que importa é chamar “Midas” a Luís Filipe Vieira – esse mago das transferências de miúdos por “15 milhões” – ou fazer reportagens propagandísticas sobre o presidente do Benfica e passá-las no dia da apresentação de Jesus em Alvalade. Assim anda o futebol português e, consequentemente, uma parte considerável do jornalismo desportivo nacional. Se transpusermos esta atitude de alguns jornalistas para outros ramos da sociedade, temos razões de sobra para estar preocupados.