sporting cp cabeçalho 2

A época desportiva de 2016/2017 está prestes a terminar, mas os clubes começam a preparar já a próxima época e em Alvalade ainda se prepara com mais preocupação e prioridade face aos vários erros cometidos ao longo desta temporada. Como já foi escrito por mim anteriormente noutros artigos, o plantel leonino necessita de uma revolução e de vender provavelmente cerca de nove ou dez jogadores que estão claramente a mais e não acrescentam qualidade nenhuma nem às primeiras nem às segundas linhas.

Para existir melhoria no rendimento e na qualidade do plantel também é necessário contratar com critério, tal como aconteceu com Bas Dost. Não se sabe ainda o que vai no pensamento do staff leonino, se pretendem garantir mais um ou dois reforços com a mesma qualidade e garantias de Bas Dost, tendo assim um maior investimento, ou se será colmatar as lacunas do plantel através de jogadores com preços mais acessíveis. A verdade é que o Sporting também não pode cometer loucuras a nível financeiro e se Bas Dost também veio por dez milhões de euros, é porque foram vendidos jogadores a cobrir esse investimento. Certamente com algumas saídas que podem existir, esse investimento irá ser feito. O Sporting precisa urgentemente de se reforçar e preparar a época da melhor forma. Não pode haver desculpas. Para já foram confirmadas três contratações: André Pinto, central contratado a custo zero ao Sporting de Braga e, mais recentemente, Cristiano Piccini e Mattheus Oliveira.

Cristiano Piccini, lateral direito formado na Fiorentina, nunca se afirmou e foi um jogador sistematicamente emprestado pelos “viola”. Em 2015/2016, após um ano de empréstimo no Bétis e por ter convencido o clube espanhol, foi contratado por cerca de um milhão e meio de euros. Chega ao Sporting proveniente então do Bétis por uma quantia a rondar os três milhões de euros. Tem 24 anos e é um jogador bastante alto (1.89m) – tal como Jesus gosta. Apesar de demonstrar algumas debilidades a nível defensivo – algo até preocupante para o plantel leonino, pois as principais lacunas são as laterais defensivas e os vários erros cometidos nessas mesmas posições – a Liga Espanhola e o clube em questão também exigiam que fosse necessário passar mais tempo a defender do que a atacar, sendo que num clube como o Sporting e o campeonato português algo mais acessível, será também mais fácil a sua adaptação. Isto porque é um lateral ofensivo, apesar de alto é bastante rápido e ágil, demonstrando boa capacidade para subir na linha e arriscar no um para um.