O Regresso a Casa é uma rubrica onde os antigos redatores voltam a um lugar que bem conhecem e recordam os seus tempos antigos escrevendo sobre assuntos atuais.

Lembro-me do primeiro artigo que escrevi. Intitulava-se “um Sporting de todos” (título engraçado que não descreve de todo o que se passa neste momento no universo verde e branco). Sei que contei que sou do Sporting CP porque o meu avô me dizia que olhos verdes eram olhos de sportinguista e eu lá fui na cantiga. Correu bem inicialmente, admito, que obriguei um benfiquista a levar-me na caravana que celebrava um campeão que nunca mais o viria a ser nas décadas seguintes.

Lembro-me de descrever que no meu primeiro jogo dei por mim a discutir futebol com um senhor com uma idade um pouco mais avançada, procurando talvez nele o que nunca consegui concretizar com o meu próprio avô.

Engraçado que o que nos unia, muito devido à estupefação de ver uma rapariga discutir mais tática do que aparência, que sabia os nomes e que não trocava o William Carvalho com o João Mário, era o Sporting CP. Estávamos ali por isso, celebrámos os golos juntos, discutíamos jogadas e criámos uma ligação em função do verde e branco. Como estas histórias tive algumas mais, como mais tiveram milhares de outras pessoas que se sentaram naquelas cadeiras coloridas.

Anúncio Publicitário
Alvalade vai ter de aguardar vazio pelo regresso do futebol
Fonte: Sporting CP

E agora? Agora, neste universo, assistimos a guerras, guerrinhas e divisões porque sim. Esqueceu-se o verde e branco, esqueceu-se “O Mundo Sabe Que”, esqueceram-se os cachecóis ao alto e o bater no peito por um clube, esqueceu-se tudo e mais alguma coisa. O que antes eram bancadas inteiras, cheias, a cantar incessantemente durante os 90 minutos, fazendo de Alvalade um ambiente difícil, são agora bancadas que se preocupam mais a apupar uma figura do que apoiar o que as move até lá. Pelos vistos, é melhor discutir e insultar in loco, pagar centenas de euros para dizer o que bem querem e apetece do que fazê-lo grátis num tasco qualquer por aí. É triste este novo paradigma. Parece um universo paralelo onde, de repente, se discute tudo menos futebol, onde não se festejam golos com o “vizinho do lado”, onde não se diz um “até ao próximo”, onde já não se estranha a ausência desse habitual vizinho.

Tanto que se criticaram as claques, mas certo é que sem elas, não há emoção, não há nada que motive as pessoas, por elas próprias, a apoiar o clube. Metem-se as mãos à cabeça e perguntam-se como é que será Alvalade sem a emoção dos adeptos, mas não é para isso que andam a treinar os jogadores desde a época passada? Neste momento, jogar com ou sem adeptos é exatamente a mesma coisa em Alvalade. O Reino do Leão ficou vazio e deu lugar a tudo menos ao amor em comum.

Não há um culpado. Há vários. Não é só o novo presidente, o antigo presidente, aqueles que foram para a Academia dar início a um furacão que ainda hoje tem consequências. Não são só aqueles que ficaram em casa e os que foram sempre à bola, como se este fosse um motivo de grande superioridade ou de medir quem é mais e melhor sportinguista. A culpa é de todos os que não remam para o mesmo lado. Isto não é o Sporting CP que conheci, que amei, e que me fazia sentir todo o tipo de emoções inicialmente e, de certeza, não é o Sporting CP daqueles que estão ainda a ler isto. Mas só depende de nós mudar isso, de apontar menos o dedo para os outros e mais para nós.

Escrevia em 2015 que o Sporting CP era irracionalidade, emoção e integração. Que eram novos e velhos, homens e mulheres. Era união. Era, porque já não é. Não sei que tipo de universo paralelo é este, mas de certeza que não quero estar nele.