Agora que estamos a fazer uma pausa no campeonato de futebol para que se cumpram os jogos da Seleção Nacional para a qualificação de acesso ao Mundial, decidi escrever sobre ex-atletas do Sporting CP, que se tornaram, alguns deles, também ex-seleccionáveis.

Desde o malfadado ataque a Alcochete, que resultou na rescisão de vários atletas internacionais com o Sporting CP, que o clube de Alvalade não tinha uma representação tão forte nas convocatórias para as equipas de todos nós. No entanto, alguns dos que decidiram abandonar Alvalade têm vindo a perder espaço no elenco de Fernando Santos.

Dos sete portugueses que rescindiram, cinco tinham já lugar garantido em todas as convocatórias do engenheiro. Falamos de Rui Patrício, William Carvalho, Bruno Fernandes, Gelson Martins e Daniel Podence. E destes, apenas Bruno Fernandes continua a ser convocado, curiosamente dos cinco o único que aceitou voltar ao clube. (De ressalvar que Rui Patrício só não foi convocado por estar lesionado).

Rafael Leão, apesar de continuar a ser chamado para as seleções dos escalões jovens, parece ter estagnado o seu crescimento. Faltará afirmar-se no seu novo clube. Quem sabe se, ficando mais alguns anos no Sporting CP, não estaria já a concorrer para o lugar de André Silva? Nunca saberemos.

Anúncio Publicitário

Rúben Ribeiro, apesar de ter qualidade, chegou a um grande clube já tarde, e não chegou a ser internacional. No entanto, podemos perceber que a sua carreira, depois da rescisão, foi sempre em decréscimo, não querendo faltar ao respeito aos clubes que representou.

Saindo um pouco da esfera da Seleção Nacional, deixo ainda nota para Bas Dost e Rodrigo Battaglia, que aceitaram voltar ao Sporting CP, tendo posteriormente saindo para outros clubes. No caso de Bas Dost, já tinha renunciado representar a selecção holandesa. Battaglia, enquanto jogador do Sporting, conseguiu chegar à selecção Argentina, tendo depois deixado de ser opção.

Rodrigo Battaglia já integrou a convocatória da Seleção Argentina enquanto representava o Sporting CP
Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

Dito isto, podemos facilmente concluir que – e não abordando aqui a parte financeira mas apenas a desportiva – tirando Bruno Fernandes que voltou e se tornou um jogador importante no clube, Rafael Leão que por ser muito jovem e estar num clube de topo tem ainda uma margem de progressão enorme e Rui Patrício que continua a ser o melhor guarda-redes português, apesar de estar num clube de segunda linha do futebol inglês. Nenhum jogador aqui falado conseguiu afirmar-se, tendo a maior parte perdido mesmo espaço nos clubes de menor relevo que representam.

Podia aqui ainda incluir Adrien Silva que, apesar de ter saído antes do incidente de Alcochete, forçou também a saída do Sporting CP, mas não conseguiu também nunca ser indiscutível em nenhum dos clubes por onde passou depois de Alvalade.

Terá valido a pena?

Estes exemplos podem servir perfeitamente para todos os jovens que, por própria ambição ou dos seus empresários, assim que conseguem fazer uma ou duas acrobacias, e fazem uma capa de jornal pensam imediatamente em sair para outros clubes. Sair pode não ser a melhor opção a longo prazo, quando no Sporting CP podem fazer uma excelente carreira, serem reconhecidos e terem boas possibilidades de serem selecionáveis das suas equipas nacionais caso mostrem qualidade. E para os que tiverem dúvidas, o nosso treinador já avisou, (para os que estejam a ser aliciados por outros clubes principalmente) “…o Sporting tem sempre a porta aberta.”

A título de exemplo para esses jovens a que o nosso treinador se estava a dirigir, devo relembrar a chamada às Selecções de João Palhinha, Nuno Mendes, Luís Neto, Pedro Gonçalves, Tiago Tomás, Daniel Bragança e Luís Maximiano. (Não esquecendo Pedro Porro, pela Selecção Espanhola).

Daniel Bragança é um dos muitos jovens leoninos do plantel que viu o seu trabalho reconhecido
Fonte: Bola na Rede

Ao abordar este tema não quero estar a parecer sentir qualquer falta de quem saiu, uma vez que temos agora no plantel jogadores com tanta ou mais qualidade do que quem rescindiu. Felizmente o Sporting tem, e continuará a ter, em todos os escalões de formação, atletas com capacidade de integrar a equipa principal do clube, desde que mostrem amor e comprometimento para com o mesmo. Que o diga Dário Essugo.

Faz falta quem está e tem vontade de ajudar o clube.

Nota: Até Luís Neto (esse jovem) teve que vir para o Sporting CP para voltar à Seleção Nacional. Agora pensem, miúdos.

Outra nota: Todos os jogadores aqui referidos (exceptuando Rúben Ribeiro) ganharam o direito de representar a Selecção dos seus países jogando e afinando-se no Sporting CP. (A maior parte perdeu isso quando decidiu sair do clube).

2 COMENTÁRIOS

  1. O Gelson que rescindiu era o Martins(escreveu Fernandes e tenho a certeza que não foi por desconhecimento, apenas porque está “Bruno Fernandes” mesmo antes). Tenho ideia que o Podence não era garantido na seleção, até porque sinto que foi mal aproveitado no Sporting. Não implica que não tenha saído mal, como aliás todos saíram. Mas a ideia do texto é excelente e só realça a aposta que tem sido feita em jogadores maioritariamente portugueses e mais importante que isso, com qualidade. (Adan e Porro por exemplo). SL

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome