Anúncio Publicitário

porta

A deslocação do Sporting a Santa Maria da Feira foi sinónimo de estreias no onze leonino. Boeck e Miguel Lopes fizeram parte da equipa  inicial pela primeira vez esta época neste jogo frente ao Sporting Clube de Espinho. Rosell também voltou a jogar de início, algo que já não acontecia desde a recepção ao Arouca, ainda em Agosto.

Com a rotação de jogadores levada a cabo por Marco Silva, notou-se durante os primeiros quarenta e cinco minutos alguma falta de voz de comando a meio campo, mais concretamente de Adrien.  André Martins acabou por perder mais uma oportunidade para se mostrar, nunca conseguindo sobressair no meio campo leonino, ao contrário de Diego Capel e Carlos Mané que colocaram sempre em sentido os laterais do Espinho.

Anúncio Publicitário

Foram mesmo os extremos do Sporting  os verdadeiros agitadores do jogo durante a primeira parte, Mané fez a cabeça em água ao lateral esquerdo do Espinho, enquanto que Diego Capel foi mais expedito do que em partidas anteriores, aproveitando o espaço concedido no seu flanco.

Foi mesmo após um cruzamento do espanhol que o Sporting marcou o golo solitário da primeira parte, João Mário sozinho na marca de penalti só teve que encostar para a baliza de Stéphane.

No segundo tempo, e após um susto inicial para Marcelo Boeck, a equipa de Marco Silva conseguiu ultrapassar as barreiras defensivas montadas pelo Espinho e acabou por conseguir uma mão cheia de golos. O Sporting continuou a aproveitar as alas para criar a maioria das suas jogadas de perigo, voltando a ter em Capel e Mané os principais dinamizadores. Montero  acabou igualmente por se evidenciar nesta segunda parte, não só pelos dois golos que marcou mas também pelo seu envolvimento nas jogadas dos leões.

Os últimos vinte minutos foram de sufoco completo e jogados quase exclusivamente no meio campo dos tigres de Espinho, a equipa que milita no Campeonato Nacional de Séniores acabou por acusar o esforço realizado no primeiro tempo e acabou a partida com jogadores em clara inferioridade física.

Com esta exibição convincente e consequente resultado  “gordo”, Marco Silva acaba por dar minutos a alguns jogadores e ganhar claramente a aposta. Rosell teve uma exibição calma onde se destacou a capacidade de passe, Tanaka estreou-se a marcar com a camisola dos leões, mas André Martins foi novamente um jogador apagado e incapaz de mostrar as qualidades que apresentou na pré-época.

A Figura

O tridente ofensivo do Sporting – Capel, Mané e Montero foram jogadores intratáveis nesta partida. Os extremos conseguiram criar desequilibrios constantes nas alas e Montero voltou a ser o matador que os Sportinguistas conheceram na última temporada.

O Fora-de-Jogo

André Martins – O médio leonino voltou a ficar aquém do esperado, não conseguindo estar ao nível de João Mário e não fazendo esquecer Adrien. Acaba por não confirmar o potencial que lhe é reconhecido.

Foto de capa: FPF

Anúncio Publicitário