967814_776707939037082_618072126_n

Na celebração de mais um aniversário da camisola Stromp, assim baptizada em homenagem a uma das maiores figuras do passado leonino, o Bola na Rede esteve pela primeira vez a acompanhar um jogo do Sporting a partir da zona de imprensa do Estádio José Alvalade.

bola na rede
Pela primeira vez, o Bola na Rede esteve na Zona de Imprensa do Estádio José Alvalade

Mesmo largos minutos antes do início da partida, as bancadas já se encontravam repletas, com 37.569 adeptos leoninos munidos de camisolas Stromp, gargantas afinadas e muitos cachecóis desfraldados. Um bom prenúncio para o excelente jogo que esta noite Sporting e Marítimo realizaram em Alvalade.

Marco Silva escolheu o mesmo onze que defrontou o Schalke 04 na passada terça-feira em Gelsenkirchen, e o Sporting comandou o jogo desde o apito inicial. João Mário e Adrien tentaram impor o seu jogo apoiado e de classe, e cedo chegaram ao primeiro golo. Aos oito minutos, João Mário desmarca na direita Carrillo, que cruza para a área onde Bauer, infeliz, comete autogolo.

O Sporting não baixou a intensidade de jogo nem tão pouco as suas linhas, e foi com alguma naturalidade que aos 15 minutos João Mário marcou o segundo golo da partida, o primeiro com a camisola principal do clube.

A equipa de Alvalade vinha para este encontro determinada a provar que as boas exibições e os bons resultados eram para continuar; Nani colocava a cabeça em água a João Diogo, enquanto Danilo Pereira e Fransérgio tinham muitas dificuldades em segurar o meio campo leonino.

Ainda assim, o Sporting abrandou o ritmo após o segundo golo, permitindo algum equilíbrio da partida. Mas foi somente aos 26 minutos que o Marítimo causou pela primeira vez perigo junto da área leonina; após uma jogada algo confusa no lado esquerdo do ataque insular, a bola parecia destinada a ir para o fundo das redes da baliza, mas Jonathan, corajoso, conseguiu tirar a bola ao avançado verde-rubro. Na resposta, Montero conseguiu fugir à marcação mas a sua tentativa de chapéu saiu muito alta.

O Marítimo ganhou confiança e começou a subir no terreno, aproveitando alguma insegurança de Cédric na lateral direita, mas esta superioridade foi de curta duração. Ainda antes do final da primeira parte, e na sequência de um canto de Nani, Paulo Oliveira cabeceia sem oposição para o terceiro golo leonino.

O Sporting foi então para o descanso com uma vantagem expressiva de três golos, perante um Marítimo que, com a excepção de cinco minutos em que foi realmente perigoso, se mostrou tremendamente apático e incapaz de contrariar a velocidade do tridente ofensivo leonino, perdendo constantemente a batalha a meio campo.

A segunda parte iniciou-se com o golo do Marítimo: cruzamento largo do lado esquerdo e Maazou, sozinho, só teve que cabecear para fora do alcance de Patrício. Os madeirenses voltavam assim à discussão da partida, ainda com quarenta minutos pela frente. Volvidos três minutos, Mohamed cria novamente perigo eminente junto à baliza leonina, mas Patrício consegue evitar o segundo golo do Marítimo.

O Sporting estava adormecido, sem reação e o conjunto insular aproveitou para marcar de novo. Maazou surgiu na esquerda novamente sem oposição e rematou forte para a baliza dos leões. Após uma primeira parte de grande nível, o início da segunda parecia um pesadelo, com os comandados de Marco Silva a passarem por enormes dificuldades para construir jogo.

Quinze minutos passaram sem qualquer situação de perigo, até que o Sporting o voltou a criar junto da baliza de Salin, mas uma situação de cinco avançados contra apenas três defensores deveria ter sido melhor aproveitada por Carrillo, que rematou fraco, permitindo a defesa do guardião francês.

Montero assinou o momento do jogo com um fantástico remate à meia volta Fonte: Zerozero
Montero (dir.) assinou o momento do jogo com um fantástico remate à meia volta
Fonte: Zerozero

Aos 66 minutos surgiu o golo da tranquilidade. Montero domina uma bola difícil com o peito após passe de Adrien e, num remate acrobático, descansa o público leonino, após um complicado início de segunda parte. Com este golo do Sporting o jogo voltou a acalmar, e apenas a dez minutos do final do encontro o Marítimo voltou a criar perigo. Maazou, sempre ele, passou em velocidade por dois defesas e rematou para boa defesa de Patrício.

Com o jogo resolvido, Marco Silva fez entrar Miguel Lopes e Tanaka na partida, permitindo que o internacional português cumprisse os primeiros minutos na temporada. Um regresso bem saudado pelos adeptos leoninos.

O jogo terminou com o Sporting perto de dilatar o marcador, com Capel ainda a rematar para o fundo da baliza do Marítimo – mas o golo foi anulado por fora de jogo.

Foi um jogo com duas metades e com duas histórias. No primeiro tempo o Sporting foi dono e senhor da partida, criando várias dificuldades ao conjunto de Leonel Pontes. Três golos, várias oportunidades e um futebol vistoso e simples. Na segunda parte tudo mudou. Os leões entraram adormecidos pela vantagem e num ápice o Marítimo voltou ao jogo, marcando dois golos e ameaçando o terceiro. A meio da etapa final, Montero pôs um ponto final na partida, marcando o melhor golo da noite. Uma vitória justa num bom espectáculo de futebol.

A Figura

Nani – o extremo formado em Alcochete continua a encantar Alvalade e é neste momento o melhor jogador da Liga Portuguesa. Dribles, capacidade de passe e mais duas assistências nesta partida. Um verdadeiro quebra-cabeças para qualquer defesa.

O Fora-de-Jogo

Cédric Soares – o número 41 do Sporting continua a realizar partidas com várias oscilações de rendimento. Nesta partida foi quase sempre pelo seu lado que o Marítimo criou perigo, falhando marcações e permitindo cruzamentos para a área leonina. Ofensivamente também esteve fraco, falhando alguns cruzamentos e combinações com os seus companheiros.

Comentários