Anterior1 de 3Próximo

Em jogo a contar para a 31.ª jornada da Primeira Liga, o Sporting CP recebeu e bateu pela margem mínima o Boavista FC. Antes do início do encontro, os “Leões” entravam pressionados pelos triunfos de Sp. Braga e Benfica, sendo que garantir os três pontos era fundamental para voltar ao terceiro lugar e ainda manter vivo o sonho de atingir a eliminatória de acesso à Liga dos Campeões. Do outro lado, as “Panteras Negras” chegavam a esta partida sem qualquer tipo de pressão: com a manutenção já garantida, a equipa de Jorge Simão pretendia dificultar ao máximo a tarefa dos comandados de Jorge Jesus, embora ciente da enorme qualidade do seu adversário desta noite.

Quanto aos onzes iniciais, os dois técnicos fizeram algumas mudanças em relação aos anteriores compromissos. Depois de garantir a ida ao Jamor, Jorge Jesus mudou somente uma peça, face à equipa que iniciou o jogo frente ao Porto: Ristovski rendeu Piccini, no lado direito da defesa leonina. Já Jorge Simão fez duas alterações no onze que empatou a três golos frente ao Desp. Chaves: Raphael Rossi e Idris foram titulares nos lugares de Sparagna e David Simão, respetivamente.

Os primeiros 25 minutos foram demasiado tranquilos em Alvalade: com quase meia-hora de jogo, o único remate a que os adeptos tinham assistido foi de Bruno Fernandes, numa tentativa cruzada que Vagner defendeu. De resto, até ao tal minuto 25, nada houve a declarar, até que… penálti! A decisão não foi pacífica: incrível como nenhum membro da equipa de arbitragem assinalou o castigo máximo a um corte com o braço de Robson, tendo sido necessário confirmar com o VAR. Da marca dos 11 metros, Bas Dost não falhou e fez o primeiro golo da partida.

A partir daqui o jogo ganhou outro interesse. O Sporting pressionou mais e mais alto, chegando por três vezes à baliza dos boavisteiros – com Gelson ao minuto trinta, Dost ao minuto 34 e Ristovski ao 39 –, enquanto que a equipa do Bessa começou a apostar no contra-ataque, mas sempre sem frutos. Era verdade que também não os tinha o Sporting, mas os adeptos gostavam do que viam e com razão: os “Leões” estavam bem na partida, com futebol ofensivo e quase aumentavam a vantagem mesmo ao cair da primeira parte, mas, mais uma vez, Gelson – com defesa incrível de Vagner – e Dost – ao lado – não conseguiram marcar.

Chegava então o intervalo com vantagem merecida do Sporting, que apenas pecou por ser curta, face aos últimos vinte minutos do primeiro tempo, de grande qualidade.

O momento em que Bas Dost fez o primeiro golo da partida
Fonte: Bola na Rede

A segunda parte começou com uma substituição para a equipa da casa: Petrovic foi lançado a jogo para atuar no centro da defesa, para o lugar de Mathieu. No retomar do encontro, o Boavista pareceu m

ais empenhado em mostrar uma imagem diferente, daquela evidenciada durante os primeiros 45 minutos, mas o controlo do jogo era totalmente do Sporting: a primeira ocasião pertenceu a Gelson, ao minuto 52, num forte pontapé fora de área, que obrigou Vagner a voar para impedir o segundo golo dos “Leões”.

Jorge Simão fez a sua primeira substituição à passagem do minuto 57: tirou Mateus e colocou Aymen Tahar no seu lugar. Battaglia também tentou a sua sorte fora de área, sendo que o seu remate foi defendido a dois tempos pelo guardião visitante. O primeiro lance de perigo para os forasteiros surgiu ao minuto 65, num remate de longe do defesa Robson, mas a bola não levou o destino desejado pelo jogador axadrezado.

No minuto 71, após um belo lance individual de Gelson Martins, o extremo português cruzou para o centro da área, onde Bas Dost tentou um cabeceamento “à peixe”, contudo Vagner voltou a impedir o golo do Sporting. O Boavista ia, aos poucos, crescendo na partida e procurava chegar ao golo do empate, embora faltasse alguma criatividade na criação de jogadas de verdadeiro perigo para Rui Patrício – daí que tenha entrado o avançado Rui Pedro para o lugar de Fábio Espinho.

Os últimos minutos do encontro foram bastante mexidos: o Boavista a fazer de tudo para chegar ao golo do empate, e o Sporting a manter a bola longe da sua zona defensiva. A equipa de Jorge Jesus conseguiu controlar o ímpeto dos visitantes até ao apito final do árbitro, e conquistou mais uma vitória.

Apesar de não ter feito uma grande exibição, o Sporting jogou o q.b. para somar mais três pontos importantes para se manter na luta pela Champions. Num duelo de Jorges, levou a melhor o Jesus sobre o Simão.

Como jogou o Sporting CP

Rui Patrício, Coates, Coentrão, Bruno Fernandes, Acuña, Ristovski, Battaglia, Bryan Ruiz, Matthieu, Bas Dost e Gelson Martins;

Como jogou o Boavista FC:

Vagner, Rossi, Talocha, Robson, Renato Santos, Yusupha, Mateus, Fábio Espinho, Rochinha, Carraça e Idris.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários